Zoroastrismo – a religião que moldou o Ocidente

Falar de “nós” e “eles” há tempos domina a política do Irã no Ocidente. Ao mesmo tempo, o cristianismo tem sido usado para definir a identidade e os valores dos EUA e da Europa, bem como para contrastar esses valores com os de um “outro” do Oriente Médio. No entanto, uma olhadinha sobre uma religião antiga – praticada até hoje – sugere que o que muitos consideram como ideais, crenças e cultura ocidentais saudáveis ​​pode, de fato, ter raízes iranianas.

Geralmente estudiosos acreditam que o antigo profeta iraniano Zaratustra (conhecido em persa como Zartosht e grego como Zoroastro) viveu entre 1500 e 1000 A.C. Antes de Zaratustra, os antigos persas adoravam as divindades da antiga religião irano-ariana, uma contrapartida da religião hindu-ariana que passaria a ser conhecida como hinduísmo. Zaratustra, no entanto, condenou essa prática, e pregou que só Deus – Ahura Mazda, o Senhor da Sabedoria – deveria ser adorado. Com isso, ele não só contribuiu para a grande divisão entre os iranianos e indianos arianos, mas, sem dúvida, introduziu a humanidade sua primeira fé monoteísta.

(Credit: Alamy)

A ideia de um deus único não era o único princípio essencialmente zoroastriano a encontrar o caminho para outras religiões importantes, mais notavelmente as “três grandes”: o judaísmo, o cristianismo e o islamismo. Os conceitos de Céu e Inferno, Dia do Juízo Final e a revelação final do mundo, e os anjos e os demônios começaram com os ensinamentos de Zaratustra, bem como o cânone posterior da literatura zoroastrista que eles inspiraram. Até mesmo a ideia de Satanás é fundamentalmente zoroastrista. De fato, toda fé do zoroastrismo baseia-se na luta entre Deus e as forças do bem e da luz (representada pelo Espírito Santo, Spenta Manyu) e Ahriman, que preside as forças da escuridão e do mal. Enquanto o homem tem de escolher de que lado ele pertence, a religião ensina que, em última instância, Deus prevalecerá, e mesmo os condenados ao fogo do inferno receberão as bênçãos do Paraíso (uma palavra Persa antiga).

(Credit: Alamy)

Como as idéias zoroásticas encontraram o caminho para as fés abraâmicas e outros lugares? Segundo estudiosos, muitos destes conceitos foram introduzidos aos judeus da Babilônia ao serem libertados pelo imperador persa Ciro o Grande. Eles entraram no pensamento judaico dominante e, figuras como Beelzebub, emergiram. E após as conquistas da Pérsia de terras gregas durante o auge do Império Aquemênida, a filosofia grega tomou um curso diferente. Os gregos acreditavam anteriormente que os humanos eram um pouco acomodados, e que seus destinos estavam à mercê de seus muitos deuses, que muitas vezes agiam de acordo com capricho e fantasia. Depois de conhecerem a religião e a filosofia iranianas, no entanto, eles começaram a sentir mais como se fossem os donos de seus destinos e que suas decisões estavam em suas próprias mãos.

Embora tenha sido a religião do estado do Irã e amplamente praticada em outras regiões habitadas por povos persas (por exemplo, Afeganistão, Tajiquistão e grande parte da Ásia Central), o zoroastrismo é hoje uma religião minoritária no Irã e possui poucos adeptos em todo o mundo. O legado cultural da religião, no entanto, é outro assunto. Muitas tradições zoroastrianas continuam a sustentar e distinguir a cultura iraniana, e fora do país, também teve um impacto notável, particularmente na Europa Ocidental.

“Rhapsodia” Zoroastriana

Séculos antes da Divina Comédia de Dante, o Livro de Arda Viraf descreveu em detalhes vivos uma jornada para o Céu e o Inferno. Será que Dante ouviu falar do relatório cósmico do viajante zoroastriano, que assumiu sua forma final em torno do século 10 D.C.? A semelhança das duas obras é estranha, mas só se pode falar em hipóteses.

Temple in Yazd (Credit: Alamy)

Em outros lugares, no entanto, a “conexão” zoroastria é menos obscena. O profeta iraniano aparece segurando um globo cintilante na Escola de Atenas  de Rafael no século XVIDa mesma forma, o Clavis Artis , um trabalho alemão do final do século XVIII / início do século XVIII sobre alquimia, foi dedicado a Zaratustra e apresentou inúmeras representações temáticas cristãs dele. Zoroaster “passou a ser considerado [na Europa cristã] como mestre da magia, um filósofo e um astrólogo, especialmente após o Renascimento”, diz Ursula Sims-Williams, da Escola de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres.

(Credit: Alamy)

Hoje, quando ouvimos o nome Zadig talvez lembremos da marca francesa de roupas de luxo Zadig & Voltaire. Embora a roupa não seja Zoroastriana, a história por trás do nome certamente é. Escrito em meados do século 18 por ninguém menos que Voltaire, Zadig conta a história de um herói zoroatrista persa homônimo, que, depois de uma série de provações e tribulações, acabou se casando com uma princesa babilônica. Embora desprezível às vezes e não tendo raízes na história, o conto filosófico de Voltaire veio de um interesse genuíno pelo Irã, compartilhado também por outros líderes do Iluminismo.

Não foi apenas na arte e na literatura ocidentais que o zoroastrismo fez sua marca. De fato, a fé antiga também fez uma série de aparências musicais no cenário europeu.

Além do personagem sacerdotal Sarastro, o livreto da Flauta Mágica de Mozart está carregado de temas zoroastristas, como a luz contra a escuridão, as provações de fogo e água e a busca da sabedoria e do bem acima de tudo. E o falecido Farrokh Bulsara – também conhecido como Freddie Mercury – era extremamente orgulhoso de sua herança persa zoroastrista. “Eu sempre andarei como um pavão persa”, ele comentou uma vez em uma entrevista, “e ninguém vai me parar, querido!” Da mesma forma, sua irmã Kashmira Cooke em uma entrevista de 2014 refletiu sobre o papel do zoroastrismo na família. “Nós, como família, somos muito orgulhosos de sermos zoroastrista”, disse ela. “Eu acho que o que a fé zoroastrista de [Freddie] ensinou a ele era trabalhar duro, perseverar e seguir seus sonhos”.

Gelo e fogo

No entanto, no que diz respeito à música, talvez nenhum exemplo seja o melhor que a influência do legado do Zoroastrismo no discurso de Richard Strauss, assim chamado Zarathustra , que forneceu a grande parte da espinha dorsal para o filme de Stanley Kubrick, 2001: Uma Odisseia no Espaço A pontuação deve sua inspiração para a obra de Nietzsche com o mesmo nome, que segue um profeta chamado Zaratustra embora muitas das ideias que Nietzsche propõe fossem, de fato, anti-zoroastrianas. O filósofo alemão rejeitou a dicotomia do bem e do mal tão característica do zoroastrismo – e, como um ateu declarado, ele não usou nada para o monoteísmo.

(Credit: Alamy)

Freddie Mercury e Zadig & Voltaire de lado, existem outros exemplos abertos do impacto do zoroastrismo na cultura popular contemporânea no Ocidente. Ahura Mazda serviu como o homônimo da empresa de automóveis Mazda, bem como a inspiração para a lenda de Azor Ahai – um semideus que triunfa sobre a escuridão – em Game of Thrones de George RR Martin, como muitos dos fãs descobriram no ano passado Além disso, pode-se argumentar que a batalha cósmica entre os lados da Luz e da Escuridão da Força em Star Wars tem, de forma bastante ostensiva, o zoroastrismo escrito por toda parte.

(Credit: Alamy)

Por todas essas contribuições ao pensamento, religião e cultura ocidentais, relativamente pouco se sabe sobre a primeira fé monoteísta do mundo e seu fundador iraniano. No mundo de hoje e para muitos políticos dos EUA e da Europa, o Irã é um “inimigo” de tudo o que o mundo livre representa. Muitos outros legados e influências do Irã à parte, a religião quase esquecida do zoroastrismo apenas pode fornecer a chave para entender quão como semelhantes “nós” somos “deles”.

Fonte: BBC

Compartilhe