Top10 – Atos de terrorismo que abalaram o mundo

Confira os atos de terrorismo que abalaram o mundo no milênio passado.

A Revolução Industrial e a Ascensão do Capitalismo transformaram as estruturas sociais da sociedade civilizada. O fosso entre as classes tornou-se um abismo e os pobres consideravam o governo e os seus patrões como tiranos. Muitos voltaram-se para uma filosofia chamada anarquismo, do grego que significa “nenhum governante.” O anarquismo desprezou toda a autoridade e ensinou que os seres humanos podem viver numa sociedade livre de leis restritivas. Um dos seus pais, Pierre Proudhon, disse a famosa frase: “O que é a propriedade? Propriedade é um roubo!”

Proudhon não defendia a violência e alguns anarquistas eram lançadores de bombas. Mas os indivíduos desesperados ouviram a propaganda e tomaram para si a greve contra os privilégios enraizados.

10- O Motim de Haymarket


A 3 de maio de 1886, a polícia e os grevistas entraram em confronto fora de Chicago McCormick Ceifador Works, deixando dois atacantes mortos. Na noite seguinte, 2.000-3.000 trabalhadores protestaram em Chicago Haymarket Square, liderados por August Spies, editor do anarquista jornal Die Arbeiter-Zeitung. “Um quilo de dinamite é melhor do que um alqueire de balas”, Spies disse. “A polícia e as milícias, os sabujos do capitalismo, estão prontos para matar!”

A polícia não teve oportunidades e implantou uma força de 175 policiais. À medida que a noite avançava, as fileiras de manifestantes diluíram devido à chuva e quando o último orador terminou, parecia que o caso terminaria pacificamente. Então, quando a multidão começou a dispersar, alguém atirou dinamite para as fileiras da polícia. A explosão matou o Diretor de Matthias Degan e feriu mais sete policiais. Aterrorizada, a polícia atirou cegamente contra a multidão e feriram várias pessoas, incluindo o irmão de Henry Spies. Quatro trabalhadores morreram.

Ninguém sabia quem atirara a bomba. Mas, numa onda de xenofobia, a polícia capturou centenas de radicais estrangeiros e líderes trabalhistas. Um grande júri indiciou 31 deles e oito foram condenados e sentenciados à morte, incluindo Spies.

“Deixe o mundo saber”, exclamou Spies “,que em 1886, no estado de Illinois, oito homens foram condenados à morte, porque acreditavam num futuro melhor!” A 11 de novembro de 1887, Spies e três outros foram executados. As suas palavras finais inspirariam sindicalistas e anarquistas: “O dia virá em que o nosso silêncio será mais poderoso que está a estrangular hoje.”

Perguntas sobre a culpa do “Oitavo Haymarket” persistiram, no entanto, o governador de Illinois John P. Altgeld concedeu perdão total para os três ainda vivos em 1893.

9- Berkman Atira Frick


Em 1892, o magnata do aço, Andrew Carnegie, cortou os salários dos trabalhadores, em resposta a uma queda nos preços do aço. Enquanto ele passava férias na Escócia, instruiu o gerente geral da sua planta, Henry C. Frick, para lidar com a Associação Amalgamated de ferro e trabalhadores do aço. O confronto que se seguiu entre Frick e 3.000 trabalhadores em greve resultou numa sangrenta batalha em que três detetives Pinkerton e nove trabalhadores morreram. O estado da milícia armada com metralhadoras assumiu a planta.

O Frick intransigente e insensível tornou-se o foco de raiva do anarquista Alexander Berkman. A sua namorada e o seu colega anarquista Emma Goldman escreveu: “Um golpe que visa Frick que ecoa no casebre mais pobre, chamaria a atenção do mundo inteiro para a causa real por trás da luta Homestead. Seria também infundir terror nas fileiras do inimigo e fazê-los perceber que o proletariado da América teve os seus vingadores”.

Berkman ganhou acesso ao edifício onde Frick tinha os seus escritórios. Frick foi conferenciar com o seu parceiro John Leishman quando Berkman irrompeu pela porta e atirou nele. Duas balas atingiram Frick no pescoço antes de Leishman lutar com Berkman e um terceiro tiro foi à loucura. O sangrado Frick tentou ajudar o seu parceiro, mas Berkman tinha um punhal na reserva. Ele esfaqueou Frick quatro vezes. Mas a dupla finalmente conseguiu subjugar Berkman e Frick sobreviveu milagrosamente aos seus ferimentos.

Berkman orgulhosamente gabava-se de que havia cometido “o primeiro ato terrorista na América”. Ele serviu 14 anos na prisão antes de ser perdoado em 1906. Ele e Emma foram expulsos do país em 1919. Instado a comentar sobre a morte de Frick, pouco antes da sua partida, Berkman disse que Frick havia sido “deportado por Deus. Fico feliz que ele deixou o país antes de mim.”

8- Chacina na Ópera


O mais mortífero ataque anarquista de terror teve 72 mortos ou gravemente feridos, aconteceu em Barcelona, em 1893, na casa do liceu de ópera.

A temporada de ópera abriu a 8 de novembro, três dias antes do aniversário dos espiões de execução e dos seus cúmplices. A Elite do Barcelona veio para ver uma performance de William de Rossini Tell, um conto da rebelar oprimido contra os tiranos da sociedade. No segundo ato, duas bombas foram jogadas a partir da galeria. Uma atingiu a traseira de um patrono e o seu fusível saiu. Mas a força do outro atravessou corpos humanos, rasgou o chão e quebrou as vigas acima. O pandemónio seguiu-se, as pessoas atropelavam-se umas às outras a lutarem para as saídas. Homens abandonaram as senhoras que haviam escoltado no louco, na precipitação apavorada. Os feridos cambalearam para fora, houve vestidos rasgados e sangue manchando engomados peitilhos.

LEIA TAMBÉM  Entenda por que é impossível criar zumbis

A Rainha Regente, Christina, declarou estado de emergência e suspendeu as liberdades constitucionais da cidade. Centenas de suspeitos foram jogados em masmorras do Castelo Montjuich, onde a tortura implacável produziu o nome de “Santiago Salvador”, como o terrorista do Liceu do Teatro.

Salvador foi preso em janeiro de 1894 e confessou, chamando ao bombardeio um ato de vingança pela execução de um sujeito anarquista chamado Pallas. Salvador teria dito: “Eu concebi um plano no qual era possível aterrorizar aqueles que tinham gostado de matá-lo e que acreditavam que não tinham nada a temer.” A casa de ópera era um alvo ideal porque foi exclusivamente para a presença dos ricos, que sempre zombaram dele e dos seus colegas de trabalho.

Era impossível de acreditar que Salvador tinha agido sozinho e as autoridades continuaram as torturas de inquisição semelhantes e forçaram mais seis prisioneiros a confessar. Todos foram executados em abril e Salvador foi enviado para a sua morte em novembro.

7- Ataque ao Parlamento Francês


Quando era jovem, Auguste Vaillant passou um tempo na prisão por roubar comida. Perseguido pela pobreza, mudou-se para a Argentina com a sua amante e filha para encontrar oportunidades, mas foi forçado a voltar para a França. Vaillant vagou pelas ruas de Paris como um vagabundo faminto, incapaz de alimentar a sua família. Em desespero, ele decidiu acabar com o seu sofrimento e não em silêncio anónimo, mas, com um gesto que simboliza o “grito de toda uma classe. A meta seria a fonte de todas as desigualdades da sociedade.” O Parlamento foi maculado por escândalos.

Vaillant encheu uma panela com pregos e uma pequena carga explosiva, a deliberadamente pequena bomba, já que queria fazer uma declaração e não matar ninguém. Na tarde de 9 de Dezembro de 1893, Vaillant entrou na Câmara dos Deputados com o dispositivo. Jogou-o onde os deputados estavam engajados em debate, a pulverização com os estilhaços feriu levemente 20 pessoas. Vaillant escapou em meio ao caos, mas entregou-se na manhã seguinte.

Embora ninguém morresse, o ataque assustou e enraiveceu os legisladores. Eles imediatamente imprimiram como qualquer provocação que levaria a um ato terrorista. Os jornais anarquistas foram fechados e centenas de mandados foram emitidos. Mas Vaillant tinha conseguido obter a atenção de toda a França. Muitos não-anarquistas dos monarquistas direitos anti-republicanos distantes e aristocratas, mesmo expressaram simpatia. O poeta Laurent Tailhade disse: “O que as vítimas se importam, se é um bom gesto? “Numa reviravolta do destino, Tailhade perderia um olho num atentado terrorista mais tarde.

Vaillant foi para a guilhotina em 5 de Fevereiro de 1894. As suas últimas palavras foram: “Morte à sociedade burguesia! Viva a Anarquia!”

6- O Bombardeio do Café Terminus


O bombardeio de um café parisiense a 12 de fevereiro de 1894 iniciou a era do terrorismo moderno e o seu autor, um inteletual chamado Emile Henry, encaixa-se na descrição de um “terrorista”, como se define hoje. Antes disso, os anarquistas tinham em grande parte direcionada a autoridade das figuras policiais, militares e funcionários do governo. Henry escolheu como suas vítimas as pessoas comuns.

Buscando vingar a morte de Vaillant, Henry escondeu uma bomba numa lancheira de metal enquanto espreitava os cafés elegantes ao longo da Avenue de l’Opera. Ele decidiu no Café Terminus, pedir uma cerveja e um cigarro e acendeu a sua bomba. A carnificina que se seguiu matou uma pessoa e feriu 20 outras.

Henry foi atirado ao chão, enquanto tentava escapar. Henry havia agido na sua crença de que “não há burguês inocente.” Ele tinha a intenção de matar mais.

No seu julgamento, em abril de 1894, que terminou com a condenação à morte, Henry não escondeu a sua culpa. Ele em vez disso, usou o tribunal como um fórum de propaganda anarquista. Ele vociferou: “Nós, que distribuímos a morte, sabemos como levá-lo…(Anarquismo) é em revolta violenta contra a ordem estabelecida. Vai acabar por matá-lo.”

5- O Assassinato do Presidente Carnot


Mal o público francês recuperou do caso Emile Henry quando o próximo golpe anarquista atingiu a cidade de Lyon a 24 de junho de 1894. O presidente francês Sadi Carnot estava na cidade para uma exposição e uma multidão entusiasmada saudou-o. Carnot estava ansioso para ver e ser visto pela multidão exuberante e perguntou se o carro podia ficar aberto e acessível. Isso selou o seu destino.

O anarquista italiano, de 21 anos, Cesare Giovanni Santo, aproximou-se da carruagem levando um jornal enrolado. Pensando que Santo realizava uma petição para o Presidente, os guarda-costas permitiram-lhe aproximar-se do passo de carro. Santo surgiu. Com uma adaga escondida pelo jornal, esfaqueou Carnot profundo no abdómen, gritando: “Viva a Revolução! Viva a Anarquia!”

O Presidente afundou nas almofadas e Santo foi apreendido quando pulou da etapa. A polícia teve que cercá-lo para manter a multidão de linchamento dele. Carnot foi levado às pressas para a Prefeitura, onde morreu ao 12:45. Assim que a nacionalidade do assassino foi conhecida, começou a reação. Um restaurante italiano foi demitido na mesma noite e a polícia teve que cercar o Consulado Italiano para o proteger da fúria da máfia.

LEIA TAMBÉM  10 guerras que os Estados Unidos não precisariam ter participado

O assassinato marcou um divisor de águas na versão da guerra contra o terror do século 19. A Itália, para salvar a sua reputação manchada, propôs uma cooperação mundial contra o anarquismo. Na Conferência Anti-Anarquista Internacional em Roma a 24 de Novembro de 1898, 21 estados participantes rejeitaram o anarquismo como uma filosofia política legítima.

Ao contrário dos seus companheiros, Santo encolheu e tremeu diante da guilhotina no dia da execução. Ele teve de ser arrastado por assistentes do carrasco, chorando “Eu não vou! Eu não vou!”

4- O Ataque Corpus Christi


No final dos anos 19 e início do século 20, Barcelona poderia muito bem ser rival do século 21 de Bagdá em termos de bomba e ainda ganhou o apelido de “Cidade de Bombas.”Um dos incidentes mais terríveis e os mais politicamente consequente, foi a tragédia de 07 de junho de 1896, Corpus Christi.

A tradicional procissão da Sagrada Hóstia liderada pelo bispo, o capitão-mor e outros dignitários estava a caminho de Santa Maria del Mar, quando uma bomba foi lançada de uma janela top-história. Em vez de bater a igreja e as autoridades governamentais como pretendido, matou sete cidadãos da classe trabalhadora e um soldado. O homem-bomba nunca foi identificado.

Infelizmente para Barcelona, o seu capitão-mor era o cruel Valeriano Weyler, que imediatamente desencadeou a força policial recém-formada da brigada social sobre os suspeitos do costume. Prisões em massa de anarquistas e anticlericais varreram a cidade e os prisioneiros foram novamente jogados em Montjuich e torturados. Mortes por abusos e execuções foram montadas.

Um anarquista italiano chamado Michel Angiolillo decidiu já era o suficiente. Ele viajou para Santa Agueda, onde primeiro-ministro espanhol Antonio Canovas del Castillo foi relaxante no spa. Angiolillo disparou três tiros à queima-roupa. Canovas morreu com as palavras ” Viva Espanha “em seus lábios.

Os liberais que assumiram conseguiram frear em Geral Weyler quando estava à beira de sufocar a revolta em Cuba. Com a sua demissão, a guerra irrompeu novamente, dando aos imperialistas nos Estados Unidos o pretexto para intervir. Tivesse vivido Canovas e não poderia ter sido uma guerra hispano-americana e a história de Cuba, Porto Rico e Filipinas teria sido muito diferente.

3- O Assassinato do Presidente McKinley


Leon Czolgosz, filho de imigrantes poloneses-russos, estava apaixonado com a doutrina anarquista. Em 1900, o seu entusiasmo cresceu quando o Rei Umberto da Itália foi assassinado pelo anarquista Gaetano Bresci. Czolgosz começou a frequentar discursos da revolucionária Emma Goldman, que falou da luta de classes e disse que era hora de agir contra o governo. Czolgosz decidiu que seria o único a fazer a escritura.

A 6 de setembro de 1901, Czolgosz ficou na fila na Exposição Pan-Americana em Buffalo, Nova Iorque, para apertar as mãos ao presidente William McKinley. A secretária do Presidente tinha que se preocupar com sua segurança e aconselhou McKinley que não valia a pena o risco para cumprimentar um pequeno número de pessoas. “Quem iria querer machucar-me” , perguntou McKinley, um tanto ingenuamente.

Quando Czolgosz se aproximou do Presidente, o agente do serviço secreto George Foster ficou a 150 centímetros (5 pés) de distância. Ele não viu nada incomum quando Czolgosz se aproximou de McKinley com um lenço na mão, o clima quente fazia com que muitos convidados usassem lenços para enxugar o suor. Mas o lenço de Czolgosz escondia uma arma e ele ergueu duas balas no peito de McKinley.

O Presidente cambaleou, sangrou e foi ajudado numa cadeira próxima. “Tenha cuidado em como vão dizer à minha esposa”, suplicou ele fracamente. Foster abordou o assassino, que se preparava para um terceiro tiro. “Não deixe que eles o magoem”, disse McKinley. Ele passou por uma cirurgia num hospital próximo e parecia estar a recuperar-se quando definiram que morreu, a 14 de setembro.

Czolgosz prontamente ganhou a propriedade do seu crime. “Eu matei o presidente McKinley, porque cumpri meu dever”, explicou ele, sem emoção. “Eu não acredito que um homem deva ter muito serviço e um outro homem deva ter nenhum.” Ele foi eletrocutado a 29 de outubro. Os guardas prisionais encharcaram o corpo com ácido sulfúrico para o tornar irreconhecível.

Depois do assassinato de McKinley, o Congresso dirigiu o Serviço Secreto para fazer da proteção do presidente o seu dever primário e permanente.

2- O Assassino do Estrondo do Casamento


31 de maio de 1906 era para ser um dia de conto de fadas para o rei espanhol Alfonso XIII e a sua noiva Victoria Eugenie “Ena” de Battenberg. Foi o dia em que se casaram em pompa no Real Mosteiro de San Jerónimo el Real, em Madrid. Mas, quando os recém-casados estavam no seu caminho de volta ao palácio, uma bomba voou para eles.

LEIA TAMBÉM  As 10 tentativas falhas de tirar a vida de Adolf Hitler

Uma medalha no peito de Alfonso bloqueou os estilhaços. O sangue de um guarda ferido salpicou o vestido de Ena, mas ela milagrosamente escapou ilesa também. Cerca de 25 pessoas morreram na explosão e cerca de 130 ficaram feridas, tornando este o mais sangrento ataque anarquista até aquele ponto.

O terrorista mais tarde foi identificado como Mateo Morral, que também pode ter sido responsável por um semelhante ataque ao rei Alfonso de um ano antes. Morral planeava detonar a bomba durante a própria cerimónia de casamento, mas não conseguiu entrar na igreja. Se tivesse sido capaz de fazê-lo, teria explodido metade da realeza da Europa no atendimento.

1- Os Bombardeios Galleanistas


Na noite de 2 de Junho de 1919, em quase ataques simultâneos, as bombas abalaram Nova Iorque, Boston, Pittsburgh, Cleveland, Patterson, Nova Jersey, Washington DC e Filadélfia. Os alvos incluíam um prefeito, um deputado estadual, três juízes, dois empresários, um policial e um padre católico.

O alvo mais proeminente era o Procurador Geral dos EUA, Mitchell Palmer, que havia acabado de subir por volta das 23:15 quando uma forte explosão destruiu o andar de baixo da sua casa. Palmer e a sua família escaparam ilesos, mas a explosão foi tão forte que quebrou as janelas da casa vizinha, de Franklin D. Roosevelt, o secretário adjunto da Marinha. O futuro presidente correu para o local do atentado e descobriu o corpo de um anarquista morto, mais tarde identificado como Carlo Valdinoci. O seu dispositivo tinha saído prematuramente, matando-o. Tal como acontece com o resto das bombas, nenhuma feriu as suas vítimas pretendidas, embora outras duas pessoas morressem. Mas a natureza dos ataques traumatizou o público americano.

Neste clima de terrorismo, os trabalhistas surgiram em conflitos de 1919, Red Scare. Não amenizaram a paranóia pública que a Rússia bolchevique tinha acabado de fazer dois anos antes. A propaganda esquerdista desencadeou-se sobre o povo: “Terá de haver derramamento de sangue… lá terá que ser assassinato… nós vamos destruir para livrar o mundo das suas instituições tirânicas.”

O Departamento de Justiça contribuiu para o pânico de que os atentados foram parte de uma vasta conspiração para derrubar o governo dos EUA. A Procuradoria Geral Palmer assumiu o comando dos ataques subsequentes, prisões e deportações de vários anarquistas, socialistas e comunistas. Graves violações de liberdades civis, no entanto, levaram a uma forte reação contra Palmer. Palmer previu 1 de maio de 1920 como o início da revolução. Quando o dia se passou sem incidentes, Palmer foi desacreditada e caiu do poder.

+ O Bombardeio de Wall Street


Ao meio-dia de 16 de setembro de 1920, um vagão parou em frente dos escritórios de Wall Street de JP Morgan & Co., a firma bancária mais poderosa do mundo. A sua carga infernal consistia de dinamite com pesos de janela de guilhotina de estilhaços. O motorista fugiu e, segundos depois, uma forte explosão destruiu a parte baixa de Manhattan.

Janelas foram quebradas. As pessoas foram levantadas a partir da rua, incluindo um jovem corretor chamado Joseph P. Kennedy. Num prenúncio sinistro de um ataque futuro 81 anos depois, na mesma área, a primeira guerra mundial veterana pensou que as bombas vieram de aviões que rugem pelos céus. Uma nuvem verde-amarela em forma de cogumelo de fumaça e chamas subiram 30 metros (100 pés) sobre os mais movimentados distrito financeiros da América. As pessoas de Ashen fugiram do caos que eventualmente matou 39 pessoas e feriu centenas mais, o mais mortífero ataque terrorista em solo americano até ao atentado de Oklahoma City, em 1995. A bomba de JP Morgan perdeu o homem, que estava de férias, mas feriu o seu filho Junius e matou o seu chefe funcionário na sua mesa. O resto dos mortos eram almas infelizes apanhadas no lugar errado e na hora errada, mensageiros, balconistas, estenógrafos e corretores. A cabeça decepada de uma mulher foi descoberta presa à parede de concreto de um edifício, com o chapéu. Havia corpos mutilados espalhados pelo chão. Uma das vítimas, queimadas e seminua, tentou levantar-se e caiu morta de volta na sarjeta.

Ninguém reivindicou a responsabilidade pelo ataque e ninguém seria trazido para responder pela atrocidade. Mas o dedo da suspeita virou-se para os anarquistas, que haviam assediado os Morgans com cartas-bomba. A mensagem foi encontrada numa caixa de correio nas proximidades, que dizia: “Libertem os prisioneiros políticos. Ou vão ter a certeza da morte para todos vocês. Lutadores anarquistas norte-americanos.” É, talvez, a que se refere aos anarquistas Sacco e Vanzetti, indiciados no dia anterior por roubo e assassinato.

Entre os suspeitos tomados para interrogatório foram os bem conhecidos anarquistas Carlo Tresca e o campeão de ténis excêntrico Edward Fischer. Fischer supostamente previu o atentado aos seus amigos, mas acabou por ser simplesmente desequilibrado mentalmente e foi enviado para o Hospital Bellevue.