Quais são as naves mais rápidas da História da ficção científica?

Quem costuma assistir a muitos filmes – especialmente os de ficção científica – deve conhecer várias naves que apareceram nessas e muitas outras produções. Estou falando de nomes como Enterprise, de Star Trek, Axiom, da animação Wall-E, Discovery One, de 2001: Uma Odisseia no Espaço e a Millennium Falcon, pertencente a franquia Star Wars.

Todas essas naves geralmente possuíam uma característica em comum: a capacidade de viajar a velocidades extremamente altas, muitas vezes maiores que a velocidade da luz. Isso posto, uma dúvida bastante pertinente pode ter surgido: afinal, qual dessas naves (e ainda considerando muitas outras) é a mais rápida de todas? Será que é possível realizar esse cálculo?

Para nossa sorte, o pessoal do blog FatWallet criou um infográfico muito legal mostrando exatamente essa resposta: quais são as naves mais rápidas da História da ficção científica. O pessoal do site escolheu suas invenções favoritas da televisão, cinema, video games e da própria realidade para comparar e especular.

Cálculo da velocidade

As naves da lista foram divididas em duas categorias distintas: aquelas de velocidade relativista – comparável à da luz – e os que vão além disso, ou seja, mais rápido que a luz (faster-than-light ou FTL). No caso da primeira seção, a unidade g foi utilizada, que é correspondente à aceleração devido à gravidade da Terra, que é igual a 9,8 m/s². Na segunda, a velocidade da luz no vácuo, medida em C, correspondente a 299.792.458 m/s.

A nave mais rápida da História

O resultado você pode conferir logo na imagem abaixo, mas vale uma explicação. A primeira parte da lista contempla as naves que são extremamente velozes, mas que poderiam ser “humanamente possíveis” (com exceção da a última nave da lista).

Porém, a segunda categoria da lista reúne aquelas naves que são “impossíveis”. A Tardis, por exemplo, o veículo de viagem no tempo de Dr. Who, é capaz de alcançar 10.000.000.000.000.000C, ou seja, infinitamente mais rápido que a velocidade da luz. Contudo, o Heart of Gold, a nave de “O Guia do Mochileiro das Galáxias” é movida por um Gerador de Improbabilidade Infinita e, portanto, tem um valor de C imensurável.

LEIA TAMBÉM  Peste bubônica e Antraz podem ressurgir com o degelo na Sibéria

Compartilhe