Você não ia querer passar pela mão desses cruéis enfermeiros

Enfermeiros Anjos da Morte

Os enfermeiros são profissionais essenciais para a promoção da saúde. Eles trabalham em hospitais, clinicas e até na casa dos pacientes para ajudar na recuperação deles. Porém, infelizmente há casos em que isso não acontece. Há histórias de enfermeiros que receberam o título de Anjo da Morte.

Em vez de ajudar os pacientes, esses profissionais simplesmente os matam. Alguns alegam ter motivos, enquanto outros se defendem dizendo que não cometeram tais crimes. Os enfermeiros a seguir são realmente assustadores e poderiam facilmente conquistar o título de Anjo da Morte em qualquer corte deste mundo. Será que ainda há muitos profissionais como esses espalhados pelo mundo?

Daniela Poggiali, o Anjo da Morte

Daniela Poggiali, o Anjo da Morte

A italiana Daniela Poggiali foi uma das poucas que recebeu oficialmente o título de Anjo da Morte. Ela simplesmente matava todos os pacientes que a incomodavam. Acredita-se que ela tenha levado a vida de nada menos que 98 pessoas. Todas inocentes e que perderam a vida por conta da crueldade desse Anjo da Morte.

Poggiali era tão perversa que até tirava selfie com os pacientes que matava. Ela fazia isso aplicando injeção de potássio, causando uma morte silenciosa e que deixa poucos sinais. Essa enfermeira foi presa em 2014 e condenada à prisão perpétua. Ainda com a condenação, jurou inocência antes de ser presa.

Orville Lynn Majors e as 130 mortes

Orville Lynn Majors e as 130 mortes

Orville Lynn Majors é outro enfermeiro que usava a injeção de potássio para eliminar pacientes. Especula-se que ele tenha matado ao menos 130 pessoas entre os anos 1993 e 1995. Ele trabalhava no hospital Vermillion Country e em determinada época o número de mortes aumentou muito.

Em dado momento, Majors foi suspenso, período em que o número de mortes se estabilizou. Após uma investigação, as autoridades encontraram cloreto de potássio na casa do assassino. Ele usava uma injeção para aplicar esse “veneno” nos pacientes. O enfermeiro foi condenado a 360 anos de prisão e surpreende por não ter sido um caso de sentença de morte.

LEIA TAMBÉM  Entenda o que é a Deep Web e quais são os riscos de acessá-la

Michael Swango matou pacientes e colegas

Michael Swango matou pacientes e colegas

Diferente dos outros enfermeiros da lista, Michael Swango não matou apenas pacientes. Esse Anjo da Morte também levou a vida de colegas de trabalho que o incomodavam ou suspeitavam de seus crimes. Acredita-se que ele tenha assassinado ao menos 60 pessoas, todas através de envenenamento.

Em 2000, Michael Swango foi condenado a três prisões perpetuas. A sentença só não foi a pena de morte porque o enfermeiro confessou ter praticado alguns de seus crimes. Caso contrário, seu fim teria sido o mesmo de seus pacientes.

Charles Cullen matou por “misericórdia”

Charles Cullen matou por “misericórdia”

Os Anjos da Morte dessa lista também têm cara de pau. Charles Cullen, um enfermeiro com 16 anos de experiência na profissão, matou pelo menos 300 pessoas durante o período em que trabalhou em hospitais. De acordo com seu relato, ele fazia isso como um ato de “misericórdia”, abreviando a vida de pessoas que estavam sofrendo.

É lógico que o júri não acreditou nessa baboseira. Charles Cullen foi condenado a 11 sentenças de prisão perpetua e surpreende mais uma vez por não ter ganhado a sentença máxima: a pena de morte. É lógico que na condenação desse enfermeiro não existe liberdade condicional.

Genene Jones, a assassina de crianças

Genene Jones, a assassina de crianças

A história de Genene Jones surpreende por conta da crueldade. Ela é uma enfermeira que atuou entre os anos de 1971 e 1984, matando cerca de 40 crianças durante esse período. Eis o que ela fazia: depois de injetar drogas na intenção de “quase matar” os juvenis, ela tentava ressuscitá-los na esperança de sair como heroína da história.

É lógico que a tática nem sempre dava certo. Por conta disso, dezenas de crianças perderam a vida e muitas outras sofreram horrores na mão desse Anjo da Morte. Em 1985, Genene Jones foi condenada a 100 anos de prisão, mas pode ganhar liberdade em 2018 por causa de uma lei no Texas que quer evitar a superlotação dos presidíos.

LEIA TAMBÉM  Entenda o que é a Deep Web e quais são os riscos de acessá-la

Kristen Gilbert, cuidadora de veteranos de guerra

Kristen Gilbert, cuidadora de veteranos de guerra

Kristen Gilbert trabalha em um hospital para veteranos de guerra. Assim que ela assumiu o posto de enfermeira, o número de mortes durante o período noturno começou a aumentar consideravelmente. Em 1996, ela foi afastada e tentou suicídio por conta da acusação de ter matado pacientes durante o período em que trabalhava no hospital.

Durante a estadia na prisão, confessou a um dos guardas que ela realmente tirou a vida de alguns pacientes. Kristen Gilbert foi condenada a prisão perpetua por quatro assassinatos e duas tentativas de homicídio A lista, na verdade, deve ser muito maior do que isso.

Efren Saldivar, o terapeuta respiratório

Efren Saldivar, o terapeuta respiratório

Embora não seja exatamente um enfermeiro, a história de Efren Saldivar merece destaque. O terapeuta respiratório pode ter matado mais de 50 pessoas durante os anos em que atuou em sua profissão. Teoricamente, ele deveria ajudar as pessoas a respirarem melhor, mas levava elas ao sufocamento e consequente morte.

Efren Saldivar foi descoberto por um colega de trabalho. O seu amigo queria pregar uma peça e acabou arrombando o seu armário. Lá, ele encontrou drogas e seringas que foram usadas pelo assassino. O colega denunciou Saldivar, que foi condenado a prisão perpetua.