Como funcionam os sonhos?

Quem não gosta de sonhar? Sonhar é uma das experiências mais incríveis do mundo e abre as portas para um mundo sem limites de imaginação. Quem nunca sofreu para acordar de um sonho gostoso para descobrir que tudo não passava de mera ilusão?

Os nossos sonhos combinam estímulos verbais, visuais e emocionais em histórias absurdas, mas muitas vezes divertidas. Às vezes podemos até mesmo resolver problemas durante o nosso sono. Não acredita? Muitos especialistas até discordam dos propósitos exatos dos nossos sonhos. Afinal, eles são impulsos cerebrais estritamente aleatórias ou são os nossos cérebros realmente trabalhando através de questões da nossa vida diária enquanto dormimos, como se fosse uma espécie de mecanismo de defesa? Devemos nos preocupar em interpretar os nossos sonhos? Muitos dizem que sim, que temos muito a aprender com nossos sonhos.

Neste artigo, vamos falar sobre as principais teorias do sonho, do ponto de vista de Freud até as hipóteses que afirmam que nós podemos controlá-los livremente. Nós vamos descobrir o que os cientistas dizem que está acontecendo em nossos cérebros quando sonhamos e por que temos dificuldade em lembrar essas histórias noturnas – às vezes bem malucas.

Controle do sonho?

Também vamos falar sobre como você pode tentar controlar seus sonhos – tanto o que você está sonhando, quanto o que você faz uma vez que você está “dentro” do sonho. Também vamos descobrir o que especialistas dizem sobre sonhos específicos e o que esses cenários significam. Sonhar que você está no trabalho totalmente sem roupa pode não significar nada do que você realmente acha que é!

Durante séculos, nós tentamos descobrir exatamente por que nossos cérebros brincam com esses espetáculos noturnos para nós. Civilizações antigas pensaram que os mundos de sonho eram mundos reais, físicos que eles poderiam entrar apenas a partir de seu estado de sono. Os investigadores continuam a atirar para todos os lados e levantando muitas teorias sobre o assunto. Essas teorias essencialmente se dividem em duas categorias:

  • A ideia de que os sonhos são apenas estímulos fisiológicos;
  • A ideia de que os sonhos são psicologicamente necessários.

Teorias fisiológicas são baseadas na ideia de que nós sonhamos para exercitar várias conexões neurais que alguns pesquisadores acreditam afetar certos tipos de aprendizagem. As teorias psicológicas, por outro lado, são baseadas na ideia de que os sonhos nos permitem classificar através de problemas, acontecimentos do dia ou coisas que estão exigindo muito da nossa atenção.

Alguns desses teóricos acreditam que os sonhos podem até ser proféticos. Muitos pesquisadores e cientistas também creem que o sonho talvez seja uma combinação das duas teorias. Nos próximos parágrafos, vamos dar uma olhada em algumas das principais teorias do sonho e que elas dizem sobre por que sonhamos.

Desejos reprimidos

O primeiro a propor uma teoria a respeito do sonho é Sigmund Freud. Indo para o campo psicológico, as teorias do Dr. Freud baseiam-se na ideia do desejo reprimido – os desejos que não podem ser expressados em um ambiente social.

Sonhos permitem que a mente inconsciente possa trabalhar com esses pensamentos e desejos inaceitáveis dentro da sociedade. Por essa razão, a teoria de Freud sobre os sonhos se concentra principalmente em desejos sexuais e simbolismo.

Por exemplo, qualquer objeto cilíndrico em um sonho representa um pênis, enquanto uma caverna ou um objeto fechado com uma abertura representa uma vagina. Portanto, ao sonhar com um trem entrando em um túnel, isso representaria a relação sexual.

De acordo com Freud, esse sonho indica um desejo reprimido para o sexo. Freud viveu durante a era vitoriana, que era sexualmente reprimida, o que de alguma forma explica o seu foco.

LEIA TAMBÉM  9 Curiosidades sobre Jeff Bezos, o fundador da Amazon.com, maior loja virtual do mundo

Freud & Carl Jung

Carl Jung, outro estudioso contemporâneo de Freud, estudou junto com o psicólogo, mas logo decidiu criar suas próprias ideias que diferiam das de seu colega na medida em que ia em outra direção. Ele concordou com a origem psicológica dos sonhos, mas ao invés de dizer que os sonhos se originam a partir de nossas necessidades mais básicas e desejos reprimidos, ele concluiu que os sonhos nos permitem refletir sobre o nosso eu e até resolver nossos problemas, ou pensar através dessas questões durante o sono.

Mais recentemente, por volta de 1973, os pesquisadores Allan Hobson e Robert McCarley estabeleceram uma outra teoria que jogou fora as velhas ideias psicanalíticas. Sua pesquisa sobre o que estava acontecendo no cérebro durante o sono lhes deu a ideia de que os sonhos eram simplesmente o resultado de impulsos elétricos aleatórios que puxaram as imagens a partir de vestígios de experiência armazenados na memória.

Eles levantaram a hipótese de que essas imagens não formam as histórias que nos lembramos em nossos sonhos. Em vez disso, nossa mente fica de vigília na tentativa de fazer sentido para as imagens, criando as histórias sem nos darmos conta – simplesmente porque o cérebro quer fazer que tudo faça sentido no que experimentamos.

Embora essa teoria, conhecida como a hipótese de ativação-síntese, tenha criado uma grande fenda no meio de pesquisa sobre o sonho por causa de seu salto das teorias aceitas, ele tem resistido ao teste do tempo e ainda é uma das teorias sobre o sonho mais proeminentes.

Vamos dar uma olhada um pouco mais profunda no que realmente acontece no cérebro quando sonhamos.

O sonho e o cérebro

Quando dormimos, passamos por cinco fases do sono. O primeiro estágio é um sono muito leve a partir do qual é bem fácil acordar. A segunda etapa vai de um sono um pouco mais profundo, e os estágios três e quatro representam os nossos sonos mais profundos. Nossa atividade cerebral ao longo destes estágios está gradualmente diminuindo para que, através do sono profundo, nós não sintamos nada além das ondas cerebrais delta – as ondas mais lentas do cérebro. Cerca de 90 minutos depois de nos deitarmos, depois do quarto estágio do sono, começamos o sono REM.

O sono REM (Movimento Rápido dos Olhos, na sigla em inglês) foi descoberto em 1953 por pesquisadores da Universidade de Chicago Eugene Aserinsky. O autor da descoberta foi um estudante graduado em fisiologia, Nathaniel Kleitman, Ph.D. e presidente do departamento de Fisiologia. O sono REM é caracterizado principalmente pelos movimentos dos olhos e é o quinto estágio do sono.

Durante o sono REM, várias alterações fisiológicas também acontecem. A frequência cardíaca e a respiração se aceleram, a pressão sanguínea aumenta, e há dificuldade para regular a temperatura do corpo, bem como a nossa atividade cerebral aumenta para o mesmo nível (alfa) como durante a vigília, ou mesmo para níveis mais elevados. O resto do corpo, no entanto, fica essencialmente paralisado até deixar o sono REM.

Essa paralisia é causada pela libertação de glicina, um aminoácido, a partir do tronco cerebral para os moto neurônios (neurônios que conduzem impulsos para fora do cérebro ou da medula espinal). Já que o sono REM é a fase em que a maioria dos sonhos acontece, essa paralisia poderia ser a maneira da natureza se certificar de que não agiríamos conforme os nossos sonhos. Caso contrário, se você estivesse dormindo ao lado de alguém que estivesse sonhando sobre jogar bola, você poderia muito bem estar chutado repetidamente a outra pessoa enquanto você dorme.

As quatro fases fora do sono REM são chamados de sono não-REM (NREM). Embora a maioria dos sonhos ocorram durante o sono REM, pesquisas mais recentes mostram que os sonhos também podem ocorrer durante qualquer outra das fases do sono. Tore A. Nielsen, Ph.D. do Laboratório do Sonho e Pesadelo em Montreal, refere-se a esses casos como “sonos REM dissimulados” fazendo uma ligação com o sono NREM. A maioria dos sonhos NREM, no entanto, não tem a intensidade dos sonhos REM.

LEIA TAMBÉM  Técnicas de tortura mais brutais da história

Ao longo da noite, passamos por estas cinco etapas várias vezes. Cada ciclo subsequente, no entanto, inclui mais do sono REM e menos sono profundo (fase três e quatro). Pela manhã, nós estamos experimentando quase todos estágios, especialmente o um, dois e cinco do sono (REM).

Sonhos fora da fase REM

Mas o que acontece se você não atingir o fase do sono REM? Originalmente, os pesquisadores pensavam que o sono REM não significava necessariamente sonhos. Eles teorizaram que os sonhos eram uma espécie de válvula de segurança que ajuda seu cérebro a desabafar o que você não poderia expressar durante o dia.

William Dement, pesquisador da Stanford University School of Medicine, fez um estudo em 1960 no qual os indivíduos foram acordados cada vez que entravam no sono REM. Suas descobertas incluíram distúrbios psicológicos leves, como ansiedade, irritabilidade e dificuldade de concentração. Ele também observou um aumento no apetite. Enquanto alguns estudos se apoiaram nessas ideias, mais e mais estudos consideraram o método impreciso.

Estudos adicionais tentaram fazer uma conexão entre a dificuldade em lembrar as coisas e falta de sono REM, mas esses estudos também têm sido refutados com mais pesquisas. Um empecilho indiscutível na teoria de perda de função de memória era um homem que tinha experimentado uma lesão cerebral que resultou em uma experiência de sono REM sem qualquer prejuízo. Ele até finalizou a faculdade de direito e não tinha problemas em sua vida do dia-a-dia.

As últimas pesquisas sobre o sono REM estão associadas com a aprendizagem. Os pesquisadores estão tentando determinar os efeitos que o sono REM e a falta de sono REM têm no aprendizado de certos tipos de habilidades – habilidades normalmente físicas ao invés de memorização. Essa conexão parece forte em alguns aspectos devido ao fato de que bebês e crianças experimentar muito mais sono REM do que os adultos, o que explicaria a necessidade de aprender vários novos mecanismos de movimentação.

Recordação do sono

Comenta-se que cinco minutos após o fim de um sonho, esquecemos 50% do conteúdo do sonho. Dez minutos mais tarde, nós esquecemos de 90% do seu conteúdo. Por que isso acontece? Afinal, nós não nos esquecemos as coisas do dia-a-dia tão rapidamente. O fato de que os sonhos são tão difíceis lembrar torna faz a sua importância parecer menor.

Freud teorizou que nos esquecemos de nossos sonhos porque eles contêm os nossos pensamentos e desejos reprimidos, e por isso não devemos querer nos lembrar deles de qualquer forma. Outros pontos de pesquisa apontam para o simples fato de que outras coisas acabam ficando no caminho, reforçando o “esquecimento”. Estamos com uma visão de futuro por natureza e, por isso, lembrar de algo quando acordamos é realmente difícil.

Strumpell, pesquisador contemporâneo de Freud, acreditava que várias coisas contribuem para o fato de não sermos capazes de lembrar dos sonhos. Por um lado, ele disse que muitas coisas são rapidamente esquecidas quando você acorda pela primeira vez, como sensações físicas e outras experiências sensoriais. Ele também considerou o fato de que muitas imagens do sonho não são muito intensas e, portanto, seria fácil esquecer delas.

Outra razão, e provavelmente a mais forte entre as teorias, é que nós tradicionalmente aprendemos a lembrar por meio da associação e da repetição. Como os sonhos são geralmente únicos e um tanto vagos, é lógico que lembrar deles pode ser difícil. Por exemplo: se alguém fala uma frase para você que não desperta um clique imediatamente com qualquer coisa na sua vivência, pode ser necessário que a pessoa tenha que repeti-lo fazer você se lembrar ou até mesmo entender. Como não podemos voltar para os nossos sonhos e experimentar a sensação novamente, detalhes que estão fora do nosso campo de experiência muitas vezes acabam escapando.

Como se lembrar dos seus sonhos

Há muitos recursos tanto na internet quanto impressos que lhe dão dicas sobre como melhorar a sua capacidade de se lembrar dos sonhos. Aqui estão alguns passos que podem ajudar:

  • Quando você for para a cama, diga a si mesmo que você vai lembrar de seus sonhos;
  • Defina o seu alarme para disparar a cada hora e meia para que você acorde cerca de duas durante o sono REM – momento em que é mais provável que você se lembre de seus sonhos;
  • Mantenha um bloco de anotação ao lado de sua cama;
  • Tente acordar lentamente para permanecer dentro do “sentimento” do seu último sonho.
LEIA TAMBÉM  9 maneiras de como influenciamos nosso cérebro

Controlando os sonhos

Há muita pesquisa sendo realizada com o objetivo de controlar os sonhos, particularmente nas áreas de sonhos lúcidos. O sonho lúcido é uma habilidade aprendida e acontece quando você está sonhando, mas ainda assim percebe que está sonhando, sendo capaz de controlar o que acontece em seu sonho – tudo isso enquanto você ainda está dormindo.

Ser capaz de controlar os sonhos seria muito legal, mas é uma habilidade difícil e que geralmente leva muito tempo de treinamento. Estima-se que menos de 100.000 pessoas nos Estados Unidos têm a capacidade de ter sonhos lúcidos, o que é bem pouco se considerarmos que toda a população norte-americana sonha em algum momento do dia.

Embora o sonho lúcido tenha sido mencionado ao longo da história, foi somente em 1959 que Johann Wolfgang Goethe desenvolveu uma técnica eficaz para induzir sonhos lúcidos. Em 1989, Paul Tholey, pesquisador alemão escreveu um artigo sobre uma técnica que ele estava estudando para induzir sonhos lúcidos, o que complementou ainda mais essa pesquisa.

Ela foi chamada de técnica de reflexão, e envolvia a prática de perguntar-se durante todo o dia se você estava acordado ou sonhando. Mais pesquisas indicaram a necessidade de praticar o reconhecimento de ocorrências estranhas, ou sonhar sinais. Isso seria um sinal de que “este é um sonho”, em vez de realidade.

Enquanto o sonho lúcido pode parecer apenas uma forma legal de entrar na “terra da fantasia”, ele também tem várias aplicações fora do entretenimento. De acordo com alguns pesquisadores, o sonho lúcido pode ajudar no desenvolvimento pessoal, aumentar a autoconfiança, superar pesadelos, melhorar a saúde mental (e talvez até física) e facilitar a resolução criativa de problemas. LaBerge, pesquisador da área, afirma:

“O sonho lúcido poderia fornecer às pessoas com deficiência e outras com problemas parecidos uma forma de alcançar seus sonhos impossíveis. Paralíticos poderiam andar de novo em seus sonhos, para não dizer a capacidade de dançar e até voar. Eles até poderiam experimentar fantasias eróticas que seriam impossíveis na vida real. Tal prática sensorial poderia facilitar a recuperação de acidente vascular cerebral”.

Assim, o sonho lúcido poderia funcionar como um “simulador de mundo”. Da mesma forma que um simulador de voo permite que as pessoas aprendem a voar em um ambiente seguro, o sonho lúcido poderia permitir que as pessoas aprendam a viver em qualquer mundo imaginável. Afinal, a experiência é melhor escolha entre os vários futuros possíveis.

Compartilhe