CIA: conheça o processo seletivo para se tornar um agente secreto

A vida de um agente da CIA

Todo mundo provavelmente já ouviu falar sobre a CIA. Ou pelo menos da história de algum agente da CIA. A Central Intelligence Agency, ou Agência Central de Inteligência, é uma das organizações mais importantes e respeitadas dos Estados Unidos. Ela é a responsável por formar agentes secretos e espiões. Aqueles mesmos personagens que inspiraram tantos filmes, séries e documentários contando a vida e os mistérios dessa jornada.

A gente já sabe o que é preciso para se tornar um agente do FBI. Agora chegou a hora de descobrirmos quais são os pré-requisitos e desafios para fazer parte da CIA. Será que você tem o que é preciso para se tornar um agente secreto, um espião, e contribuir para combater crimes, como o terrorismo, tráfico internacional de pessoas, cartéis, organizações criminosas e muito mais? Vamos descobrir em instantes!

Os pré-requisitos para se tornar um agente da CIA

Os pré-requisitos para se tornar um agente da CIA

Assim como acontece no caso do FBI, existe uma série de pré-requisitos que devem ser atendidos antes de se aplicar a uma vaga de agente da CIA. Só esse primeiro filtro é o suficiente para excluir boa parte da população. Inclusive nós, brasileiros. Afinal, uma das exigências e ser um cidadão norte-americano, o que significa ter nascido nos Estados Unidos ou conseguir uma repatriação.

Confira outros pré-requisitos importantes, que podem variar de acordo com o cargo pretendido:

  • Possuir mais de 18 anos completos;
  • Ser um cidadão estadunidense;
  • Possuir curso superior completo (o Bachelor’s Degree) com GPA mínimo (espécie de nota geral) de 3.0;
  • Fluência em idiomas estrangeiros (russo, árabe, chinês, etc.);
  • Histórico de vivência no exterior;
  • Sensibilidade a outras culturas;
  • Passado limpo de investigações;
  • Condições psicológicas e médicas adequadas.
LEIA TAMBÉM  Como funcionam os sonhos?

Esses são basicamente os pré-requisitos para fazer parte da CIA. Porém, mesmo que você atenda a todos esses pontos, não significa que você automaticamente conseguirá integrar a Agência Central de Inteligência. Ainda há um longo caminho para aqueles que querem se tornar espiões e embarcar em missões secretas.

O processo seletivo da CIA

Depois de atender aos pré-requisitos e se candidatar para a CIA através de um formulário online, chega uma das partes mais difíceis dessa jornada: o processo seletivo. Isso acontece porque a Central de Inteligência não realiza apenas provas para avaliar os candidatos. Por se tratar de uma organização que atua nas “sombras”, ela precisa se resguardar de pessoas que possam estar fazendo o mesmo papel, mas para outra entidade.

É por isso que durante o processo seletivo os candidatos precisam abrir toda a sua vida para os investigadores. Nada será deixado de lado durante esse procedimento. A Central de Inteligência investiga toda a sua família, incluindo irmãos, pais, primos, avós, tios, cunhados e até mesmo os amigos. Tudo isso para descobrir possíveis ligações suspeitas e que podem comprometer o ingresso do candidato como um agente da CIA.

Porém, engana-se que o processo limita-se a isso. Os investigadores realmente vão fundo na vida da pessoa, descobrindo até mesmo os medos e traumas da infância. De acordo com ex-agentes da CIA, o processo chega a ser extremamente exaustivo para os candidatos, que precisam enfrentar situações realmente constrangedoras e conflitantes para serem aprovadas. É óbvio que a pessoa precisa ter um passado “limpo” para seguir adiante no processo seletivo. Se alguma suspeita for encontrada, ela imediatamente é desqualificada, correndo o risco de ainda fazer parte de alguma investigação como sendo suspeita por alguma coisa que possa estar escondendo.

LEIA TAMBÉM  Qual é o segredo da felicidade?

O treinamento de um agente da CIA

O treinamento para se tornar um agente da CIA

Ex-agentes da CIA também relatam que o treinamento para fazer parte da organização não é nada fácil. Aqui, porém, há diversas diferenças dependendo do cargo que você pretende assumir. Se o candidato que se aplicou ao processo seletivo foi selecionado, ele já poderia ser considerado um vencedor. Mas muitos ainda desistem diante dos inúmeros testes que enfrentarão durante a academia de agentes.

A própria CIA não revela detalhes importantes sobre o treinamento. Nesse ponto, precisamos confiar nos relatos de ex-agentes e pessoas que desistiram do processo. Para cargos de analistas, os candidatos afirmam que não há muitas exigências físicas, mas os lados emocional e intelectual acabam sendo extremamente cobrados. Já aqueles que visam se tornar agentes secretos e espiões precisam se tornar proficientes em diversas artes.

Não basta apenas dominar as artes marciais. Esses agentes precisam ainda aprender habilidades como o disfarce, capacidade de atuar nas sombras e enganar pessoas, negociações, além do aprendizado constante de idiomas estrangeiros. Essa última característica é bastante apreciada pela CIA. Afinal, diversas missões da agência são realizadas em países estrangeiros. Muitos deles nem possuem o inglês como uma das opções de comunicação.

A vida de um agente da CIA

A vida e o cotidiano de um agente da CIA

Se o processo seletivo e o treinamento não foram suficientes para fazer os agentes da CIA desistirem dessa vida, é o cotidiano que tem essa capacidade. Isso acontece porque a vida de um agente secreto ou um espião é extremamente desgastante. Você já imaginou ter que viver uma vida dupla, negando a si mesmo durante 24 horas por dia e enganando pessoas, fazendo-as acreditar que você não é quem você realmente é? Essa é a vida de diversos agentes da CIA que atuam mundo afora.

LEIA TAMBÉM  Como funcionam os sonhos?

Esse também é o motivo pelo qual existem tantos ex-agentes dessa organização. Diferente do que é mostrado em diversos filmes, a vida dessas pessoas não é glamorosa ou mesmo cheia de ação. Embora possa ser perigoso em diversos aspectos, o cotidiano pode ficar resumido a um escritório fechado e uma vida dupla e monótona de investigação.  Alguns ex-agentes chegam a enlouquecer em alguns casos.

É por isso que os agentes da CIA que permanecem ou amam o que fazem são tão prestigiados. Porém, nenhum deles nega que é preciso se dedicar 100% para a sua atividade. Esqueça a vida social. Esqueça a diversão, hobbies ou entretenimento. É preciso se entregar completamente com o objetivo de ajudar o país a prosperar e sobreviver diante de tantas calamidades. E não são todos que estão dispostos a fazer isso pelos Estados Unidos. E você, ainda tem vontade de ser o novo James Bond?