A consciência pode ir para outro universo após a morte, de acordo com teoria quântica

Um livro intitulado “Biocentrism: How Life and Consciousness Are the Keys to Understanding the Nature of the Universe“ (Biocentrismo: Como a Vida e a Consciência São as Chaves para a Compreensão da Natureza do Universo – [tradução livre do título – n3m3]) mexeu com a Internet, porque ele contém a noção de que a vida não acaba quando o corpo morre, e pode durar para sempre.  O autor dessa publicação, o cientista Dr. Robert Lanza, que foi votado pelo NY Times como sendo o 3º cientista mais importante ainda vivo, não tem dúvida de que isso seja possível.

A consciência pode ir para outro universo após a morte, de acordo com teoria quântica

Além do tempo e do espaço

Lanza é um especialista em medicina regenerativa e diretor científico da Companhia de Tecnologia Avançada da Célula.  Ele é conhecido também por sua extensa pesquisa com células tronco, e por vários experimentos de sucesso na clonagem de espécies de animais em extinção.

Mas há pouco tempo, o cientistas se envolveu com a física, a mecânica quântica e a astrofísica.  Esta mistura explosiva deu o nascimento à nova teoria do biocentrismo, a qual o professor tem pregado desde então.  O biocentrismo ensina que a vida e a consciência são fundamentais para o Universo.  É a consciência que cria o universo material e não o contrário.

Lanza aponta para a própria estrutura do Universo, e que as leis, forças e constantes do Universo parecem ser afinadas com a vida, implicando no fato da consciência existir antes da matéria.  Ele também alega que o espaço e tempo não são objetos ou coisas, mas sim ferramentas de nossa compreensão animal.  Lanza diz que carregamos o espaço e o tempo conosco “como tartarugas com cascos“, o que significa que quando o casco é deixado de lado (tempo e espaço), ainda existiremos.

A teoria implica que a morte da consciência simplesmente não existe.  Ela somente existe como pensamento, porque as pessoas se identificam com seus corpos.  Elas acreditam que o corpo irá perecer, mais cedo ou mais tarde, achando que assim sua consciência irá desaparecer também.  Se o corpo gera a consciência, então a consciência morre quando o corpo morre.  Mas se o corpo recebe a consciência da mesma forma que um receptor de TV a cabo recebe sinais, então o curso da consciência não acaba na hora da morte do veículo físico.  Na verdade, a consciência existe fora da limitação do tempo e do espaço.  Ela é capaz de estar em qualquer lugar: no corpo humano e fora dele.  Em outras palavras, ela não tem local, no mesmo sentido que objetos quânticos não possuem local.

LEIA TAMBÉM  Qual é o segredo da felicidade?

Lanza também acredita que universos múltiplos possam existir simultaneamente.  Num universo, o corpo pode estar morto.  E no outro ele continua a existir, absorvendo a consciência que migrou para esse universo.  Isto significa que uma pessoa morta, enquanto viaja através do mesmo túnel, não vai para o inferno ou céu, mas para um mundo similar àquele que ela uma vez habitou, contudo desta vez viva.  E assim por diante, indefinidamente.  É quase como um efeito pós-vida do tipo Matriosca (boneca russa) cósmica.

Mundos múltiplos

A teoria de Lanza, que infunde esperança mas é extremamente controversa, possui muitos defensores, não somente meros mortais que querem viver para sempre, mas também alguns cientistas bem conhecidos.  Estes são físicos e astrofísicos que tendem a concordar com a existência de mundos paralelos e que sugerem a possibilidade de universos múltiplos.  O multiverso é um, assim chamado, conceito científico, o qual eles defendem.  Eles acreditam que não exista nenhuma lei física que proíba a existência de mundos paralelos.

H.G. Well, o escritor de ficção científica, proclamou isto em 1895, na sua obra “The Door in the Wall” (A Porta na Parede).  E após 62 anos, esta ideia foi desenvolvida pelo Dr. Hugh Everett, em sua tese de graduação na Universidade Princeton.  Ela basicamente apresenta que, em qualquer dado momento, o Universo se divide em inúmeras ocorrência similares.  E no momento seguinte, estes universos ‘recém-nascidos’ se dividem de forma similar.  Em alguns destes mundos você pode estar presente: lendo este artigo em um universo, ou assistindo TV em outro.

Os fatores que disparam estes mundos que se multiplicam são as nossas ações, explicou Everett.  Se fizermos algumas escolhas, instantaneamente um universo se divide em dois, com diferentes versões de resultados.

Na década de 1980, Andrei Linde, um cientista do Instituto de física de Lebedev, desenvolveu a teoria dos universos múltiplos.  Ele agora leciona na Universidade Stanford.  Linde explicou: “O espaço consiste em muitas esferas que se inflam, as quais geram esferas similares, e essas, por sua vez, produzem esferas em números ainda maiores, e assim por diante até o infinito.  No Universo elas são espaçadas umas das outras. Elas não estão cientes da existência das outras.  Mas elas representam partes do mesmo universo físico.

O fato do nosso Universo não estar só é apoiado pelos dados recebidos do telescópio espacial Planck.  Usando estes dados, os cientistas criaram o mais preciso mapa do fundo de microondas, a assim chamada ‘radiação de fundo da relíquia cósmica’, que permanece deste o início do Universo.  Eles também descobriram que o Universo possui muitos recessos escuros, representados por alguns buracos e extensas brechas.

LEIA TAMBÉM  Como funcionam os sonhos?

A física teórica Laura Mersini-Houghton, da Universidade da Carolina do Norte, com seus colegas, argumentam: “As anomalias do fundo de microondas existem devido ao fato de que o nosso Universo é influenciado por outros universos que existem nas proximidades.  E os buracos e brechas são um resultado direto dos ataques dos universos vizinhos sobre nós.

Alma

Assim, há uma abundância de lugares, ou outros universos, aonde nossa alma poderia migrar após a morte, de acordo com a teoria do neo-biocentrismo.  Mas a alma existe?  Há uma teoria científica da consciência que poderia acomodar tal alegação?  De acordo com o Dr. Stuart Hameroff, uma experiência de ‘quase-morte’ acontece quando a informação quântica que habita o sistema nervoso deixa o corpo e dissipa no Universo.  Ao contrário das explicações materialistas sobre a consciência, o Dr. Hameroff oferece uma explicação alternativa da consciência, que pode talvez ser atraente, tanto para a mente científica racional, quanto para as intuições pessoais.

De acordo com Stuart e Sir Roger Penrose, este último um físico britânico, a consciência reside em microtúbulos de células cerebrais, os quais são locais primários de processamento quântico.  Na morte, esta informação é liberada pelo seu corpo, o que significa que a nossa consciência vai com ela.  Eles argumentam que a nossa experiência de consciência seja o resultado de efeitos quânticos da gravidade nestes microtúbulos; uma teoria que eles batizaram de ‘redução objetiva orquestrada’ (sigla em inglês: Orch-OR).

A consciência, ou pelo menos a proto-consciência, é teorizada por eles como sendo uma propriedade fundamental do Universo, presente até mesmo no primeiro momento do Universo durante o Big Bang.  “Em tal plano, a experiência proto-consciente é uma propriedade básica da realidade física, acessível a um processo quântico associado à atividade cerebral.

LEIA TAMBÉM  Como funcionam os sonhos?

Nossas almas, na verdade, são construídas do mesmo tecido do Universo – e podem ter existido desde o começo do tempo.  Nossos cérebros são somente receptores e amplificadores para a proto-consciência, a qual é intrínseca ao tecido espaço-tempo.  Assim, há realmente uma parte de nossa consciência que não é material e que sobreviverá a morte de nosso corpo físico?

O Dr. Hameroff declarou no documentário ‘Através do Buraco de Minhoca’, do Science Channel: “Digamos que o coração pare de bater, o corpo pare de fluir, os microtúbulos percam seu estado quântico.  A informação quântica dentro dos microtúbulos não é destruída, ela não pode ser destruída, ela somente se distribui e dissipa pelo Universo.”  Robert Lança adicionaria aqui que, não somente ela existe no Universo, mas que talvez também exista em outro universo.

Se o paciente for ressuscitado, reanimado, esta informação quântica pode voltar para dentro dos microtúbulos e o paciente dizer, “eu tive uma experiência de quase morte“.

Hameroff ainda diz: “Se o paciente não for reanimado e morrer, é possível que esta informação quântica possa existir fora do corpo, talvez indefinidamente como uma alma.

Esta afirmação sobre a consciência quântica explica coisas como as experiências de quase-morte, projeções astrais, experiência fora do corpo, e até mesmo a reincarnação, sem a necessidade de apelar para ideologias religiosas.  Em algum ponto, a energia de nossa consciência potencialmente se recicla para dentro de um corpo diferente, e enquanto isso ela existe fora do corpo físico em algum outro nível de realidade, possivelmente em outro universo.

Fonte: Spirit Science and Metaphysics | Tradução: Ótis Mundo

  • danilo

    o problema dessa teoria e explicar a alma em pessoas com alzeimere outro exemplo vc le uma coisa mil vezes e esquece , pq?
    hd é o cerebro nosso sistema operacional(alma) esta no hd , se o hd quebra já era a alma ou se á badsector(perda de memoria ou esquecer de algo importate esquecemos quem somos)

    • tony silva

      isso não é consciência, é memória!

  • Anderson

    Cara amo esse site, de uns anos pra ca venho procurando respostas sobre o universo na filosofia, diariamente se passa varias situações por minha cabeça e essa foi uma delas, acredito que todo o universo e multiversos sejam apenas uma consciência unica, e ao sair de nossos corpos podemos criar outros universos é uma teoria minha que chamo de Deuses infinitos, muito obrigado por essa informação e continue esse ótimo trabalho.

    • Obrigado @anderson… sua participação é sempre bem vinda!

    • Eric Antiquera

      manooooo eu tenho a mesma teoria ! nao sabia que tinha outra pessoa que pensasse a mesma coisa doida que eu kkkkkk

  • Otávio

    Muito cuidado com a divulgação desse tipo de informação, acredito que uma das coisas mais difíceis da esfera de vida humana é encarar a nossa finitude, mas divulgar algo do tipo como se fosse ciência é algo muito errado. Isso não é ciência, pois como podemos ver, não está sujeita ao método científico: como submeter tais hipóteses (não teorias) a teste? Qual metodologia? Cuidado com pseudociência pessoal…

    • francisco

      Inevitavelmente tenho que entrar na esfera religiosa. Tenho formação em Humanas e sei muito bem como tratam o tema Deus e alma. Quero lembrar que são campos do conhecimento meramente subjetivos.
      Por mais que sejam bem construídas e racionalmente elaboradas as linhas de pensamento destas áreas, mas não podem ser a ultima palavra. Outras linhas do conhecimento tem mais fundamento para negar ou afirmar alguma coisa sobre este tema.
      Mediunidade é um tema polêmico e meche com a ciência, pode até negá-lo e me parece o fará até os fins dos tempos. O conhecimento humano teima em se apoiar no materialismo. Não abre espaço a outras possibilidades, pelo contrário, busca sufocar toda pesquisador que se arrisque a caminhar neste terreno.
      Existem pesquisas sérias feitas pelos maiores centros acadêmicos europeus e norte americanos durante o século XIX. Infelizmente o materialismo histórico buscou sufocar estes trabalhos.
      Para quem intende um pouco de espiritualismo é bom salientar que a energia que envolve fenômenos ditos mediúnicos é diferente e mais complexa de ser experimentada. Nem por isto os fenômenos são fraudes. Em Goiás temos um exemplo claro, o médium João de deus.
      Já atraiu pesquisas de médicos que não conseguiram desmerecer ou apontar fraudes. É apenas um exemplo, que duvida vá a Abadiana em Goiás e o desmascare. Explique como não ocorre infecções em suas cirurgias, suas curas etc.
      Sem fazer apologia ao espiritismo, digo que a concepção de universo trabalhada por Kardec ao estudar este fenômenos. Mostra isto, multi universos e a perpetualidade da consciência.
      Sei que reencarnação é polêmico, mas existem pesquisas sérias sobre este tema.
      Para materialistas fundamentalista que não abre espaço a possibilidade de Deus preferindo em acreditar em um nada criador e autor da evolução dos seres e da própria natureza, não tem como debater.
      Fica apenas o respeito.

      • allan tarso

        Realmente quem conhece um pouco sobre espiritismo ( kardecista ) sabe que isso não é teoria e que realmente existem universos paralelos, conciencia fora do corpo, reencarnação, e etc…. nem precisa estudar a vida toda e inventar essas teorias malucas desses cientistar ai… se duvida do q eu falo, busque conhecer um pouco mais sobre espiritismo, alias a unica filisofia religiosa que anda de mãos dadas com a ciencia.

  • terraqueo

    Bastante legal o texto como exercício de ficção científica. Na verdade misturou vários conceitos que realmente existem na alta ciência mas apenas em formas de conjecturas . De qualquer modo aquilo em que tentamos nos apegar ou seja…nosso senso de EU…essa identidade com nome e experiência própria….é apenas um amontoado de memorias…como um programa de software..tenham certeza….VOCES não sobreviverão como egos….talvez como consciência como parte de algo de um todo quantico energético e tal mas…como é difícil encarar nossa insignificância

  • ronaldo kb

    pq o sere humano nao aceita q a morte e o FIM???? ficam inventando bobnagens, aceitem que doi menos