Os 10 piores furacões da história

Aqui no Brasil somos muito abençoados. Não temos terremotos, maremotos, tsunamis, tornados, vulcões, furacões… aqui só o brasileiro é o suficiente para fazer com que os outros brasileiros tremam de medo – mas esse é um papo para outro artigo aqui do Ah Duvido.

Porém, em outras partes do globo, é normal que essas catástrofes naturais assolem a população de alguns países. Não é raro vermos notícias de desastres acontecendo na América do Norte, na Europa, na Ásia ou na Oceania. Até mesmo aqui na América do Sul, mas do outro lado do continente, alguns terremotos já assustaram o povo por lá.

Dentro desse contexto, resolvemos trazer um conteúdo cheio de curiosidades e ciência. A seguir, você vai conferir uma lista com os 10 piores furacões da história, verdadeiros monstros da natureza que deixaram rastros realmente assustadores por onde passaram. Mas, antes disso, que tal entendermos rapidamente o que é um furacão?

O que é um furacão?

Os furacões são tempestades grandes e muito turbulentas. Eles podem produzir ventos de até 119 quilômetros por hora ou mais, dependendo de sua intensidade e localização. Isso é mais rápido do que uma chita, o animal mais rápido em terra. Os ventos de um furacão podem danificar edifícios e arrancar árvores com facilidade.

Os furacões se formam sobre águas oceânicas quentes. Às vezes eles atacam a terra, causando grandes estragos. Quando um furacão atinge a terra, empurra uma parede de água do oceano a terra. Esta parede de água é chamada de onda de tempestade. A chuva forte e a tempestade de um furacão podem causar inundações em áreas próximas às águas.

Uma vez que um furacão se forma, meteorologistas prever seu caminho. Eles também preveem o quão forte será. Estas informações ajudam as pessoas a se preparar para a tempestade. Existem cinco tipos ou categorias de furacões. A escala de categorias é chamada “Escala de Furacão Saffir-Simpson”. As categorias são baseadas na velocidade do vento:

  • Categoria 1: Vento 119-153 km/h – mais rápido do que uma chita
  • Categoria 2: Ventos 154-177 km/h – mais rápido do que a bola de baseball mais rápida já arremessada
  • Categoria 3: Ventos 178-208 km/h – velocidade do saque de muitos tenistas profissionais
  • Categoria 4: Vento 209-251 km/h – mais rápido do que a montanha-russa mais rápida do mundo
  • Categoria 5: Vento mais de 252 km/h – velocidade de alguns trens de alta velocidade

As partes de um furacão

Olho: o olho é o “furo” no centro da tempestade. Os ventos são leves nessa área. Os céus são parcialmente nebulosos e, às vezes, até claros.

Parede dos olhos: a parede do olho é um anel de trovoadas. Essas tempestades se espalham pelo olho. A parede é onde os ventos são mais fortes e a chuva é mais pesada.

Bandas de chuva: bandas de nuvens e chuva estão distantes da parede de um olho de furacão. Essas bandas se estendem por centenas de quilômetros. Eles contêm trovoadas e às vezes até tornados.

Os 10 furacões mais destruidores da história

Agora que já sabemos o que é um furacão, está na hora de conferirmos a lista das 10 catástrofes naturais desse tipo que mais deixaram destruição e mortos pelo caminho.

10. Andrew

Este poderoso furacão da categoria 5 atingiu o sul da Flórida, principalmente a região sul de Miami, em agosto de 1992. A temporada de tempestade começou em silêncio nesse ano com atividade mínima – o furacão Andrew foi originalmente considerado uma formação “fraca” quando se desenvolveu no Oceano Atlântico – , mas terminou bem mais intensa do que os cientistas esperavam.

No momento em que atingiu as Bahamas, esta primeira tempestade da tinha ventos que chicotaram a mais de 257 km/h. Na Flórida, o furacão Andrew destruiu dezenas de casas. As tempestades transformaram as ruas em vias navegáveis ​​e matou 15 pessoas.

LEIA TAMBÉM  Como e por que doar o seu corpo para a ciência?

Com um dano estimado em US$ 26,5 bilhões (aproximadamente R$ 87 bilhões em conversão direta), Andrew foi o furacão mais caro na história dos EUA há mais de uma década. Um impacto positivo foi que o “Código de Construção do Sul da Flórida” foi totalmente renovado e agora todas as casas novas precisa ter persianas ou vidro resistente a impacto.

9. Hugo

A Flórida e a costa do Golfo do México muitas vezes ocupam uma posição de destaque na rota de furacões nos EUA, mas os habitantes costeiros ao norte também viram sua parte da destruição relacionada à tempestade. O furacão Hugo foi uma das tempestades mais destruidoras a atingir as Carolinas, causando 50 mortes e cerca de US$ 8 bilhões em danos nos EUA e no Caribe.

A tempestade Hugo foi classificada como um furacão da categoria 3 quando se aproximou de Charleston em Porto Rico no final de setembro de 1989, mas intensificou-se para uma tempestade de categoria 4 antes de aterrissar na ilha de Sullivan, com os ventos que se chegavam a 217 km/h.

Hugo foi a tempestade mais forte a atingir a costa leste ao norte da Flórida desde o furacão Hazel em 1954. A tempestade também se moveu rapidamente, com tufões de quase 48 km/h, causando danos significativos nas áreas do interior depois de passar ao norte de Charleston.

8. Sandy

Depois de atravessar a Jamaica, Cuba e o Haiti, a enorme tempestade de movimento lento se enfraqueceu em um ciclone pós-tropical antes de fazer o terremoto dos EUA em outubro de 2012. Mas isso foi forte o suficiente para causar estragos na cidade de Nova York e na costa de Jersey.

As ondas de tempestade de mais de 4 metros colocaram Manhattan sob as águas e deixaram os residentes em todo o município sem energia por dias. Enquanto isso, partes de Staten Island e algumas praias em Queens foram quase apagadas do mapa.

Sandy danificou cerca de 650 mil casas na região nordeste e matou 117 pessoas nos EUA, além de outras 69 pessoas no Canadá e no Caribe. Com estragos estimados no valor de US$ 65 bilhões, o furacão Sandy foi o segundo furacão mais caro da história dos EUA. O furacão também é conhecido como “Superstorm Sandy” porque, ao aproximar-se de Nova York, tinha as características de uma tempestade de inverno em vez de uma tropical.

7. Camille

Andrew é um dos únicos três furacões da Categoria 5 a atingir os EUA desde 1900. O outro foi Camille, uma tempestade destruidora que trouxe inundações pesadas e ventos de 320 km/h na Costa do Golfo e mais tarde na Virgínia.

Depois de se formar perto das Ilhas Cayman em agosto de 1969, a tempestade explodiu em Cuba em um nível de Categoria 3 e depois se intensificou no caminho para o Mississippi. O furacão enfraqueceu em uma tempestade tropical antes de chegar a Virgínia, mas Camille continuou a derramar mais de 20 centímetros cúbicos de chuva, bem como causar inundações praticamente instantâneas e deslizamentos de terra em uma região a apenas 192 quilômetros da capital do país.

A tempestade resultou em 256 mortes e mais de US$ 1,4 bilhão em danos. Camille desempenhou um papel importante no rastreamento de furacões na medida em que permitiu a criação do “Saffir-Simpson Hurricane Wind Scale”, que classifica tempestades das categorias 1 a 5 com base na velocidade do vento.

6. Gilbert

Há muitas maneiras de medir um furacão, seja pela velocidade do vento e chuva, ou através da quantidade de vidas perdidas e danos causados ​​em propriedades. Depois disso tudo, também precisamos considerar o tamanho total do furacão.

Com um diâmetro de 926 quilômetros, Gilbert foi um dos maiores furacões já observados na bacia do Atlântico. A tempestade originou-se perto das ilhas de Cabo Verde na costa oeste da África, local de nascimento de alguns dos piores furacões da história, incluindo Andrew.

LEIA TAMBÉM  Os 20 tipos de cânceres mais mortais

Depois de se tornar uma tempestade da Categoria 5 em setembro de 1988, Gilbert literalmente cobriu toda a ilha da Jamaica, destruindo cerca de 80% das casas da ilha. O furacão passou então para as Ilhas Cayman e o México, entre outras áreas, antes de enfraquecer e atravessar o Texas, manifestando-se em uma série de tornados.

A tempestade causou 318 mortes, incluindo 200 pessoas mortas em inundações no México e 28 que morreram quando um navio de carga cubano foi jogado em um barco de Camarões. Os danos relacionados a Gilbert foram estimados em cerca de US$ 5,5 bilhões.

5. Furacão do Dia do Trabalhador na Flórida

Esta tempestade de categoria 5, considerada a mais forte a atingir os EUA no século XX, trouxe ventos de 320 km/h e chuvas de imersão para a parte superior e intermediária da Flórida, matando aproximadamente 400 pessoas durante o processo. Mais de metade dos mortos eram veteranos da Primeira Guerra Mundial que trabalhavam na construção de uma rodovia de Key West para Key Largo.

O dano nos Estados Unidos foi estimado em US$ 6 milhões. Esta tempestade é simplesmente conhecida como o “Furacão do Dia do Trabalho” porque a prática de nomear furacões ainda não havia começado em 1953.

A tempestade também atingiu a população bem antes dos avanços na tecnologia de rastreamento do tempo, incluindo o uso regular do radar Doppler, que consegue prever onde uma tempestade pode acabar, deixando os residentes em grande parte no escuro quando o furacão se aproximou. Muitas das vítimas esperaram ansiosamente um trem de evacuação que nunca chegou, mas foi lavado nos próximos trilhos do furacão.

4. Katrina

O furacão Katrina é muitas vezes encarado como um desastre causado pelo homem, em vez de natural, especialmente por aqueles que criticam problemas de infraestrutura para o combate dos danos causadas por esta tempestade que devastou Nova Orleans e outras partes da Costa do Golfo.

No dia 26 de agosto de 2005, o Katrina parecia um furacão que estava perdendo força, mas começou a se fortalecer rapidamente para os níveis de Categoria 5 em águas quentes no Golfo. Até 28 de agosto, foi emitida uma ordem de evacuação obrigatória para Nova Orleans. À medida que o furacão da categoria 3 atingiu a cidade, a água destruía os sistemas de diques, fazendo com que eles quebrassem e as ruas ficassem inundadas.

Eventualmente, 80% da cidade estava submersa. Katrina deixou residentes que não podiam escapar presas em suas casas com as águas que subiam ao redor deles. Quarenta por cento das mortes relacionadas ao furacão eram por causa de afogamento. A reação tardia do governo federal à situação levou a reivindicações de incompetência e até mesmo desrespeito deliberado para pessoas pobres e negras.

Ao todo, o furacão Katrina tirou 1.833 vidas e US$ 108 bilhões e é considerado o furacão mais caro na história dos EUA. A Agência Federal de Gerenciamento de Emergência chama isso de “desastre natural mais catastrófico na história dos EUA”. O furacão Katrina também deslocou 400 mil pessoas para áreas como Houston e Atlanta. Muitos nunca voltaram para Nova Orleans. Um sistema atualizado de diques foi concluído em 2013, mas os funcionários estão preocupados com o custo maciço de mantê-los com uma base de imposto encolhida.

3. Furacão Galveston de 1900

O Katrina foi terrível, mas não é a pior do que tempestade na Costa do Golfo. O furacão Galveston de 1900 levou cerca de 6.000 a 12.000 vidas, principalmente no Texas, em setembro de 1900 e é considerado o furacão mais mortal na história dos EUA.

A tempestade não se tornou um furacão até o oeste da Florida, onde ventos dirigiu-a direto para Galveston. Isso deu aos moradores e funcionários locais menos de quatro dias para se preparar. A tempestade da categoria 4 trouxe surtos de tempestade de 6 metros e inundações instantâneas e até chegava a Oklahoma e Kansas quando terminou com o Texas.

LEIA TAMBÉM  Estes famosos infectologistas garantem que sexo oral não transmite HIV. Por quê o governo não confirma ?

Mais de 3.600 casas, bem como uma série de estruturas consideradas “à prova de tempestade”, foram destruídas no furacão, cujo dano totalizou US$ 30 milhões. Anos depois, Galveston deu alguns passos incríveis para garantir que o dano não fosse repetido. A cidade construiu um muro de 5 km (mais tarde estendido para 10 milhas e 16 km) e elevou o nível de toda a cidade, em alguns lugares até 5 metros.

2. Mitch

Mitch talvez não tenha recebido tanta atenção nos EUA como Sandy e Katrina, mas a morte e a devastação causada pelo furacão excederam algumas das tempestades mais conhecidas da história. O furacão de movimento lento pareceu pausar uma vez que chegou a Honduras em outubro de 1998, derramando até 10 centímetros cúbicos de chuva por hora durante dois dias, causando deslizamentos de terra e inundações mortais ao longo do caminho.

Com cerca de 11 mil pessoas mortas (e milhares mais desaparecidas), Mitch é o segundo furacão mais mortal e o pior a atingir o Hemisfério Ocidental em mais de 200 anos. A tempestade causou mais de US$ 5 bilhões de despesas para Honduras, onde grande parte das infraestruturas e culturas do país foram completamente destruídas. A Nicarágua também foi devastada por Mitch, perdendo 2.000 pessoas com os estragos.

1. O Grande Furacão de 1780

Os Estados Unidos eram apenas um brilho nos olhos do então presidente George Washington quando o Grande Furacão de 1780 explodiu no Caribe, matando aproximadamente 22 mil pessoas. Entre os mortos, havia soldados britânicos e americanos que haviam encaminhado navios de guerra espalhados por toda a região como parte da Guerra Revolucionária.

Embora não haja muitos dados registrados sobre a velocidade ou precipitação do furacão, o que sabemos é que a tempestade bombardeou várias ilhas do Caribe, incluindo Barbados, Martinica e Santa Lúcia em seis dias no mês de outubro. Um observador local escreveu que o furacão destruía a casca das árvores, o que fez com que alguns especulassem que os ventos deveriam ter chego a 320 km/h. Esta tempestade é considerada o furacão mais mortal de todos os tempos.

Como os furacões recebem seus nomes?

Acredite ou não, mas pode haver mais de um furacão de cada vez. Esta é uma das razões pelas quais os furacões são nomeados. Os nomes tornam mais fácil acompanhar e falar sobre as tempestades. Uma tempestade recebe um nome se se tornar uma tempestade tropical.

Esse nome permanece com a tempestade se continuar e vir a se tornar um furacão. Todos os anos, as tempestades tropicais são nomeadas em ordem alfabética. Os nomes provêm de uma lista de nomes para esse ano específico. Existem seis listas de nomes. As listas são reutilizadas a cada seis anos. Se uma tempestade causar muitos danos, seu nome às vezes é retirado da lista. Ele é então substituído por um novo nome que começa com a mesma letra.

Confira a lista dos nomes para os próximos anos:

2017

  • Arlene
  • Bret
  • Cindy
  • Don
  • Emily
  • Franklin
  • Gert
  • Harvey
  • Irma
  • Jose
  • Katia
  • Lee
  • Maria
  • Nate
  • Ophelia
  • Philippe
  • Rina
  • Sean
  • Tammy
  • Vince
  • Whitney

2018

  • Alberto
  • Beryl
  • Chris
  • Debby
  • Ernesto
  • Florence
  • Gordon
  • Helene
  • Isaac
  • Joyce
  • Kirk
  • Leslie
  • Michael
  • Nadine
  • Oscar
  • Patty
  • Rafael
  • Sara
  • Tony
  • Valerie
  • William

2019

  • Andrea
  • Barry
  • Chantal
  • Dorian
  • Erin
  • Fernand
  • Gabrielle
  • Humberto
  • Imelda
  • Jerry
  • Karen
  • Lorenzo
  • Melissa
  • Nestor
  • Olga
  • Pablo
  • Rebekah
  • Sebastien
  • Tanya
  • Van
  • Wendy

2020

  • Arthur
  • Bertha
  • Cristobal
  • Dolly
  • Edouard
  • Fay
  • Gonzalo
  • Hanna
  • Isaias
  • Josephine
  • Kyle
  • Laura
  • Marco
  • Nana
  • Omar
  • Paulette
  • Rene
  • Sally
  • Teddy
  • Vicky
  • Wilfred

2021

  • Ana
  • Bill
  • Claudette
  • Danny
  • Elsa
  • Fred
  • Grace
  • Henri
  • Ida
  • Julian
  • Kate
  • Larry
  • Mindy
  • Nicholas
  • Odette
  • Peter
  • Rose
  • Sam
  • Teresa
  • Victor
  • Wanda

2022

  • Alex
  • Bonnie
  • Colin
  • Danielle
  • Earl
  • Fiona
  • Gaston
  • Hermine
  • Ian
  • Julia
  • Karl
  • Lisa
  • Martin
  • Nicole
  • Owen
  • Paula
  • Richard
  • Shary
  • Tobias
  • Virginie
  • Walter
  • Jean Waterloo

    Muito bom o post! Mas coloquem fonte nos posts, faz falta uma referencia