50 Histórias do Lado Negro dos ícones pop – Parte 1

Conheça a sinistra música de Lavender Town de Pokemon, o lado negro do jogo Zelda, o episódio perdido de Chaves e mais histórias negras de ícones pop

Para comemorar a versão 5.0 do blog, nada melhor que uma lista de 50. Dessa vez o tema escolhido foi o “lado negro dos ícones pop”. Aos novatos, que desconhecem a formação da CreepyPasta, existe uma subdivisão, chamada “Lado Negro” que geralmente aborda depoimentos e histórias sinistras sobre ícones pop. São histórias assustadoras ou perturbadoras envolvendo os mais famosos personagens, seriados, games, entre outros com compõe nossa cultura pop atual. Em resumo, são lendas urbanas mais modernas, surgidas normalmente das creepy’s  que ganham força na Internet. Se você curte a creepypasta, vai gostar desse post.

Pela extensão, ele foi dividido em duas partes. A primeira você confere agora. Veja: 

50. Um Maluco no Pedaço

Essa é uma das histórias do Lado Negro de “Um Maluco no Pedaço”. Existem três versões obscuras sobre esse seriado e aparentemente,   todas originárias da creepy. Confira a primeira versão:

Alguém já ouviu falar do episódio perdido Fresh Prince? Eu costumava ser um amigo íntimo do filho de Andy Borowitz, e eu ia até sua casa pelo menos uma vez por semana. Eu era jovem na época e realmente não sabia sobre Fresh Prince, eu estava muito ocupado assistindo desenhos animados e provavelmente não teria entendido de qualquer maneira. Quando fiquei mais velho, o filho dele e eu saíamos, talvez uma vez por mês e raramente nos falavamos. No colegial, eu comecei a assistir a reprises de Nick e Nite. O show foi ótimo, e eu não podia acreditar que tinha sido tão próximo filho do criador todo esse tempo. Eu comecei a vê-lo mais e nunca perdi uma noite. Uma noite, eu notei que as mães eram atrizes diferentes, eu estava confuso sobre o porquê eles mudaram abruptamente as esposas. Será que eles acharam que ninguém ia perceber?

Meu último ano nós tivemos que fazer um grande projecto que nos obrigou a estar em um grupo; filho Andy Borowitz estava na minha classe. Nós agrupamos e decidimos nos reunir em sua casa em 6:00 para a pesquisa. Antes de ir para sua casa, cheguei em casa e liguei o meu DVR, eu tinha algumas Fresh Prince lá e decidi assistir a um antes de ir à sua casa. Foi um dos mais novos, onde tiveram a nova mãe. Como eu estava olhando, eu percebi que eu poderia muito bem perguntar Andy o porque da mudança.

Eu fui a casa dele e começamos a trabalhar, mas depois de algumas horas de investigação frustrante, fizemos uma pausa. Eu fui para o banheiro e o seu pai na cozinha, então achei que seria o melhor momento para perguntar sobre isso.

“Oi sr. Borowitz, como vai você?”
“Oh, eu estou bem. Como está o projeto?”
“Estamos dando um tempo agora.”

Houve algum silêncio constrangedor e, finalmente, eu deixo escapar o que eu estou querendo dizer a tanto tempo.

“Ei, eu estava assistindo The Fresh Prince no outro dia … Porque substituiram a mãe por outra?”

“Bem, o contrato da atriz original foi para cima e ela não queria mais fazer isso, então nós colocamos alguém para substituí-la.”
“Bem, eu só acho que é confuso para os espectadores. Por que não ter um divórcio, não poderia ter inventado alguma coisa, ou até mesmo matá-la?”

Ele se levantou, congelado, como se tivesse visto um fantasma ou um corpo muito danificado.

“O que você sabe?” Ele perguntou.
“O quê?”
“O que você sabe filho da puta?”
Eu olhei fixamente para ele. Tentei me mover, mas estava com muito medo.

“Eu. .. Eu. .. Eu não sei o que você está falando, senhor.”
“Mentira. Quem te disse?”

Por esta altura, eu estava realmente ficando com medo e estava procurando alguma coisa que eu poderia usar como arma para o caso.

“Honestamente, eu não sei o que você está falando!”
Ele me olhou nos olhos por cerca de dois minutos, eu não pisquei.
“Venha ao meu escritório.”

Ele saiu e meu coração batia rapido, eu estava coberto de suor e sentia uma merda completa. Corri para o banheiro e joguei água no meu rosto, tentando recuperar a compostura, mas eu estava muito assustado. Eu lentamente entrei em seu escritório, eu poderia ouvir alguns papéis voando e algo arranhando uma caixa. Eu rastejei pra dentro “Sente-se”, disse-me ele. Eu não queria irritá-lo, então eu fiz exatamente isso e sentei-me.

Ele estava remexendo uma velha caixa marrom, mas não foi marcado e não tinha nenhuma marca nele. Finalmente, ele encontrou o que estava procurando: uma fita. A fita tinha uma etiqueta com algo escrito com marcador permanente, mas eu não conseguia entender porque ela era suja e desgastada.

Ele jogou sobre a mesa e sentou-se, massageando o lado de sua cabeça … então, ele olhou diretamente para mim.

“Em 93, quando Janet disse que não queria continuar com o show mais longo, ela surgiu com algumas idéias de como continuar com o show. Havia três ideias:. Ela se mudar para New Jersey, onde ela conseguiu um emprego de professora em Princeton, deixando a família para trás em Bel Air. A segunda foi a de simplesmente encontrar um substituto, como fizeram em outras series. A terceira idéia … “

Ele fez uma pausa, olhando como se ele estivesse pronto para vomitar. Seu rosto tornou-se extremamente pálido e seus olhos pareciam profundamente triste, ele quase começou a chorar.

“Desculpe-me. (Limpa a garganta). A terceira idéia era acabar com o show e matá-la completamente. Filmamos três e decidiu colocá-los todos de uma votação no final.”

“As duas primeiras foram escritas e filmadas dentro do tempo bom. Fizemos isso para o chão de edição e todos eram bons de ir. No entanto, o terceiro tiro foi o mais difícil. Muitos dos membros da tripulação não queria nenhuma parte dela. Os que nunca fizeram ficar totalmente recuperada a partir do que viram. A atmosfera estava tensa durante as filmagens e ninguém sorriu para todos. Normalmente, entre os takes, os atores conversam entre si, mas durante esta sessão e que iria se sentar ou ficar com os braços cruzados, olhando para o chão, até que era sua hora de subir e atirar “.

Até agora, sua voz estava embargada e os lábio superior não conseguia parar de tremer. Ele me deu a fita e me disse para tirar a porra, e para não voltar ou ele iria chamar a polícia.

Eu rapidamente peguei a fita, as minhas coisas e fui para casa.

Quando cheguei em casa já era 11:00. Minha família estava dormindo, e que haviam deixado um pouco de comida no microondas para mim. Eu não sinto vontade de comer. Eu só queria ver a fita.

Eu fui para meu quarto e coloquei a fita no meu DVD/VCR player que ganhei de natal, pausei, fechei a porta. Quando voltei, me joguei na cama e apertei “play” com o controle remoto. Nos primeiros 5 minutos era apenas uma tela negra. Finalmente, a câmera focaliza e você a sala de estar da mansão. O Tio Phil estava sentado, assistindo TV e Carlton estava decendo das escadas. Os dois começaram a falar sobre os planos para a universidade de Carlton, mas você mal poderia ouvir o que eles estavam dizendo. O volume aumentava e diminuía naquela gravação, e não era algo divertido como é normalmente a série; eu tinha certeza que não era algo engraçado por causa das feições mortalmente sérias em seus rostos.

Depois de algum tempo, a família inteira estava na sala de estar, exceto pela mãe. O telefone toca e o Tio Phil atende. Imediatamente ele começa a soluçar. Nesse ponto você finalmente poderia ouvir sobre o que eles estavam falando. Tio Phil foi ao chão, chorando incontrolavelmente e gritando em uma dor agonizante. Os outros sentaram e seus rostos inexpressivos. Os gritos continuaram por alguns minutos até que Carlton pega o telefone e começa a falar com a pessoa na outra linha. Ele diz apenas “yeah” e “adeus”. Carlton saiu da cena e você poderia ouvir alguma coisa em latim seguido de um disparo de uma arma. Tio Phil ainda soluçava e gritava, mas o elenco olhava para o local onde Carlton havia saído. Vivian entrou em cena com uma espingarda na mão, também chorando e murmurando alguma coisa em latim. O elenco inteiro se dispersou e correu, menos o Tio Phil, que agora parecia ter convulsões. Vivian apontou a arma para a cabeça dele e atirou. Ela então caçou Carlton acima das escadas e atirou nas suas costas.

Ele gritou de dor, mas não estava morto. Hillary conseguiu fugir junto com Will, e correram para perto da casa dos vizinhos.

Eles bateram na porta, mas não houve resposta. Continuaram batendo e tocando a campainha com o mesmo resultado. Checaram a maçaneta e abriram a porta, entrando e olhando ao redor; a casa não tinha energia ou luz. Eles imediatamente ficaram apavorados e procuraram um telefone. A cena corta para outra um pouco embaçada, onde Vivian amarra Ashley. Ela está chorando, mas é abafada por uma mordaça. Vivian então arrasta Carlton e começa a cantar uma música velha. Ela estava com um estranho, bizarro sorriso e as lágrimas caindo de seu rosto. Carlton começou a fazer uma oração, mas Vivian rapidamente apontou a arma e o mandou parar. Ela virou para Ashley e puxou uma faca, lentamente andou ao redor, cantando…

“Ashley, querida!”
“Uma garota tão boazinha!”
“Uma garota tão bonitinha!”
“Minha garota favorita!”

Ela levantou a faca e desceu com tudo para o pescoço de Ashley, mas antes que a faca a atingisse, a cena ficou preta. Isso foi seguido por uns 10 minutos de aplausos, que viraram murmúrios e depois gritos. Os gritos ficaram mais altos e então a cena voltou para Will e Hillary encontrando corpos mortos no sofá; as paredes e o chão cobertos em sangue, mas sem sinal de Vivian. Hillary diz para Will que eles têm que sair, mas ele diz “Não, eu quero ficar”. Hillary começa a gritar com Will tentando convencê-lo, mas eventualmente desiste e corre para fora da casa. Não havia explicação do porquê de terem voltado para casa, tudo que você via era Hillary correndo desesperadamente. Novamente a cena fica preta por quase 1 minuto.

O show termina e os créditos aparecem. No fundo, uma foto de todos sentados no sofá: Tio Phil com a cabeça estourada, Carlton com uma enorme ferida no estômago e os órgãos à mostra, Ashley com a pele arrancada e Will com os membros despedaçados. Vivian estava no meio, sorrindo sentada coberta em sangue.

Depois que os créditos acabaram, a foto ficou lá por bons 13 segundos.

Eu pulei da cama e apertei “ejetar”. O VHS retornou, mas a fita ficou atolada dentro. Cortei e limpei a bagunça, comecei a examinar a fita e percebi que ainda havia muito filme do lado esquerdo. Com uma enorme dor no coração, joguei tudo no lixo.

Naquela noite, a figura do fim dos créditos assombraram meus sonhos, em vez de ver a família Banks sentada no sofá… era a minha própria, comigo no meio, sorrindo…

Fonte: http://medob.blogspot.com.br

49. Sonic


Sonic foi o game preferido de muita gente da geração Mega-Drive X Snes. Ele é o representante da Sega, e fez milhares de fãs pelo mundo. Ao longo de suas edições, Sonic vinha acompanhado de alguns companheiros. Essa História conta o lado sombrio, envolvendo Sonic e Tails (um dos companheiros do Sonic), veja….

Eu sou um clássico jogador de Sonic the Hedgehog. Já tive muitos dos consoles da Sega naqueles velhos tempos, mas desde que o Sonic mudou para o 3D, seus jogos se transformaram em lixo, incluindo aqueles ridículos jogos “Sonic Adventure” que todo mundo vive falando. Eu odeio quase TODOS os jogos modernos do Sonic. Parei de jogar seus jogos por um bom tempo, até que um dia eu encontrei meu antigo Master System, e que milagrosamente, estava funcionando perfeitamente quando testei a minha fita do jogo Shinobi. Porem, quando eu coloquei o meu Sonic the Hedgehog 2, infelizmente não funcionou.
ntão fui procurar este jogo em todas as lojas possíveis. Depois de horas de busca, finalmente achei o cartucho em uma loja que vendia jogos usados e por um preço muito barato. Muita sorte, não? Comprei o cartucho, e fui correndo para a minha casa para jogá-lo em meu velho Master.

Tudo estava perfeitamente normal; eu estava jogando e tendo muita diversão em minha viagem nostálgica. Na história deste jogo, Tails é seqüestrado e cabe a Sonic resgatá-lo do malvado Dr. Ivo Robotnik. Se você achar todas as Esmeraldas do Caos, você salvará Tails e obterá o final bom do jogo, mas se você chegar na fase “Scrambled Egg Act 3” sem elas, você simplesmente lutará contra Metal Sonic, e Tails será dado como morto, já que nos créditos, mostra o Sonic correndo por algumas planícies, até que ele pára no final e olha para o céu, e uma foto de Tails é vista, com a palavra “END” abaixo dela.

Este é a hora onde as coisas começaram a ficar mais estranhas. Eu zerei o jogo sem as Esmeraldas do Caos, porque estava com muita preguiça de procurá-las nas fases. Tudo estava normal, até chegar aos créditos…

Sonic estava aparentemente chorando, enquanto corria pelas planícies. Ele parecia muito triste, e havia lágrimas em seus olhos. Depois da imagem do Tails aparecer no céu, o jogo voltou à tela do logo da SEGA no inicio do jogo. Eu estava esperando pela a tela título aparecer, mas quando ela finalmente apareceu, fiquei… totalmente apavorado: Sonic e Tails estavam na tela de título, mas Tails estava completamente cinza, e havia buracos negros no lugar de seus olhos; ele parecia um zumbi.

Apertei Start e comecei o jogo mais uma vez, mas para a minha surpresa, na imagem que mostra Sonic e Tails, que normalmente aparece antes de começar alguma fase, Tails não estava lá; somente o Sonic estava dentro do carrinho minerador na foto da primeira fase. E quando o primeiro ato começou, Sonic mais uma vez estava chorando como nos créditos, mas a diferença era que eu conseguia controlá-lo normalmente.

Quando cheguei a um dos lugares onde originalmente havia a Esmeralda do Caos, não havia nada lá. Eu não tinha escolha a não ser terminar o nível sem ela. No terceiro ato da primeira fase, lá estava o primeiro chefe: um inseto robô, com pinças em sua cabeça. Nessa hora, eu não conseguia mais controlar o Sonic; ele simplesmente pulou no chefe, e para minha surpresa, foi cortado ao meio pelas suas pinças. Então, o jogo congelou em uma tela preta, e eu tive que reiniciá-lo.

Quando a tela de título apareceu novamente, Tails ainda estava cinza como um zumbi, mas o Sonic também estava diferente: ele não tinha expressão facial, seus olhos estavam completamente brancos e ele também não tinha boca. Naquele momento, eu sabia que aquilo era um jogo hackeado, mas eu comecei a jogá-lo novamente, mesmo assim. Logo após eu apertar o botão Start na tela de título, a tela cortou para um fundo preto, e na imagem que mostra antes da primeira fase, não havia mais ninguém, nem o Sonic nem o Tails.

Quando eu finalmente decidi desligar o jogo, a tela ficou completamente preta novamente, e um texto em vermelho sangue apareceu no meio, com a sigla “RIP”. Eu já tive o bastante desse jogo. Desliguei meu Master System e me livrei desta porra de cartucho. Eu nunca mais quero jogar nem sequer ouvir falar deste jogo.

48.  O Game do Rei Leão

Que Gamer “Old School” nunca jogou o game do Rei Leão? Era um clássico do Snes que posteriormente foi convertido para PC. Essa história fala sobre um sinistro aspecto do game no computador. É ler para crêr… ou não… leia:

“Existem diversas Creepypastas sobre videogames assombrados e coisas desse tipo por ai… Freqüentemente as lia, e sempre julgava tudo como histórias falsas e estúpidas, apesar de serem muito divertidas. Eu nunca esperava que algo semelhante acontecesse comigo. Parece que as piores coisas sempre tendem a acontecer com os mais desavisados, não é?

Bem, eu estava em um momento de decepção na minha vida. Eu havia ficado muito doente e fui forçado a abandonar a faculdade. Eu odiava ter meus sonhos colocados em espera, e estava sofrendo de um caso leve de depressão por causa disso. Mas ainda havia um conforto que só acontecera por estar de volta em minha casa, que me tranqüilizara um pouco. Mas ainda havia o tédio que eu tinha que lidar. Sem emprego, sem faculdade, e eu odeio dizer isso, mas, meus amigos, a maioria ainda na faculdade, fizeram com que cada dia se arrastasse lentamente. Os dias que passava vendo TV e filmes antigos na sala de estar me deram inspiração para encontrar uma maneira de aliviar meu tédio crescente. Minha biblioteca de VHS e DVD’s tinham diminuído para apenas meus filmes antigos desgastados da Disney, então decidi assistir a um dos meus filmes favoritos de todos os tempos: O Rei Leão. Os pequenos e coloridos filhotes de leão me fizeram lembrar de uma parte quase esquecida de meu passado: O velho jogo do Rei Leão para PC, The Lion King. Eu costumava jogar sempre quando criança. Minha mãe e eu passávamos horas tentando vencer aquele antigo jogo.

A cachoeira de memórias me levou para meu quarto antigo, onde o velho computador ainda se encontrava na mesa em um canto. Eu estava tão orgulhoso quando comprei aquele computador, que quando tinha 11 anos, economizei o suficiente de minha mesada para comprá-lo eu mesmo. Foi emocionante ver a tela de início e ouvir o som antigo de inicialização do Windows XP. O enorme e velho Compaq Presario ligou novamente, e então eu cliquei no botão Iniciar para procurar pelos meus jogos antigos. Infelizmente, a pasta do jogo estava vazia. Decepcionado, perguntei para minha mãe o que havia acontecido com todos os nossos jogos. Ela parecia um pouco triste, provavelmente vendo a insatisfação em meus olhos. Ela me disse que desde que eu havia comprado um novo notebook, mais ou menos um mês atrás, meu pai estava pensando em vender o computador antigo. Ele tinha removido todos os jogos e alguns documentos antigos. Ela então sugeriu que eu perguntasse ao meu pai se ele havia guardado algum deles.

Mais tarde naquela noite meu pai voltou de seu emprego na fábrica, cansado e desgastado. Ele capotou no sofá e fez o que sempre fazia para relaxar: pesquisar coisas em seu laptop. Então eu me aproximei e perguntei o que havia acontecido com minhas memórias da infância. Ele lamentou ao dizer que achava que eu não me preocuparia mais com tudo aquilo, e que havia excluído. Eu estava claramente triste com isso, e tinha ficado ainda mais ansioso para jogar meu jogo favorito de infância. Odiando ver sua filhinha (filhinha de 19 anos) chateada, ele disse que iria entrar na internet e tentar fazer o download do máximo de jogos que conseguisse encontrar, por meio de sites de freeware e etc.

Felizmente, meu pai conseguiu encontrar e baixar de o jogo The Lion King, por coincidência meu favorito. Primeiro de tudo, este jogo não é como os jogos mais modernos da Disney. Ele não é um centro de atividades infantis ou um jogo de história infantil. Era de história, sim, mas era um jogo de ação. A essência era que você começava jogando como o Simba Jovem, enquanto derrotava vilões e animais mais inocentes e fáceis, como camaleões, porcos-espinhos, sapos, aranhas, abutres e os vilões mais difíceis: hienas. Simba podia derrotar esses adversários simplesmente pulando em cima deles (exceto pelos porcos-espinhos. Você tinha que rosnar para fazê-los virar de ponta cabeça, e depois pular em cima deles). Já o Simba Adulto era estranhamente mais violento. Ele podia arranhar, cortar, avançar, e virar seus inimigos, alguns deles até mesmo mostrando pequenas quantidades de sangue pixelados que voam deles a cada batida. Nada sangrento, e você nunca via os ferimentos dos inimigos, mas quando eu tinha quatro anos, aquilo parecia ser uma grande carnificina.

Na manhã seguinte, eu estava contente em ter a casa toda só pra mim, para poder jogar aquele clássico novamente. Meu pai estava no trabalho e minha mãe havia viajado para Lexington, Kentucky para ajudar minha avó de quase 80 anos de idade. Era em momentos como este que eu agradecia por não ter irmãos. Peguei um pacote de de M&M’s e um pouco de chá doce, e voltei para meu quarto. Meu pai tinha transferido o jogo para o computador antigo na noite anterior, mas não tinha testado para ver se funcionava ou não. Rezei para que funcionasse, e cliquei no aplicativo. Para minha alegria, ele funcionou, e eu assisti a pequena introdução do game; uma imagem da Pedra do Rei com Rafiki erguendo o bebê Simba. Apertei Enter para iniciar o jogo. A tela escureceu, e Timão apareceu dizendo as velhas palavras que sempre diz no começo do jogo: “It starts”.

Consegui passar pelas fases coloridas do jogo com facilidade. Lembrava de todos os truques, bônus e itens secretos. Tudo correu bem, e eu estava me divertindo bastante, assim como costumava ser quando era criança. Depois de um bom tempo, cheguei no último nível: A batalha final entre Simba e Scar na Pedra do Rei. Cheguei até a metade da fase, lutando contra Scar duas das três vezes e matando hiena após hiena. Eu estava tendo um jogo quase perfeito, até que cometi um erro. Eu julguei mal um salto e errei a plataforma que estava tentando acertar, o que resultou em Simba caindo no meio da escuridão do abismo. Não era a primeira vez que eu havia morrido, mas por alguma razão, foi a partir daí que as coisas começaram a dar errado. Ao invés da tela simplesmente desvanecer para preto e me mandar de volta ao começo da fase, como normalmente faria, a tela começou a piscar em cores aleatórias, principalmente em vermelho, preto e roxo, e um barulho que não estava no jogo. Eu deveria saber, pois joguei-o centenas de vezes, e memorizei cada parte. O barulho era do filme. Era da famosa cena da Debandada de Gnus, onde Mufasa caia para sua morte, e onde Simba grita “NÃO!”. Então de repente, houve um som tão alto e irreconhecível que eu pulei de susto e desliguei minhas caixas de som.

Pensei que aquilo poderia ser somente uma versão modificada do jogo, que alguém pensara que iria tornar o jogo melhor adicionando clipes de som direto do filme, daí liguei novamente minhas caixas de som. Mas, então, ao invés de retornar à fase onde eu estava, o jogo reiniciou por completo. Isso me irritou bastante, já que eu havia chegado tão longe, e que em nenhuma das outras vezes que eu havia morrido acontecera isso. Mas então, a tela de início mudou. Ao invés da alegre tela de introdução que eu me lembrava da minha infância (ou de algumas horas atrás, nesse caso), aparecera uma tela escura, embaçada e estranhamente colorida; vermelho, preto e azul. Aquilo quase se parecia com uma foto noturna da tela original. Mas eu imaginei que era apenas uma pequena falha no jogo, e com isso, apertei Start de qualquer maneira. Ao invés do Timão dizendo suas palavras de sempre, havia um enorme texto, escrito em vermelho e piscando em frente ao fundo negro. Quando parei pra ler, reconheci a frase na mesma hora: “As fronteiras que separam a vida da morte são as melhores no sombrio e vago. Quem dirá onde o termina, e onde começa o outro?”. Era uma citação de meu autor favorito, Edgar Allan Poe. Eu estava um pouco feliz em ver uma de minhas frases favoritas no jogo, mas não tinha como não me sentir um pouco insegura também. Por que aquilo estava em um jogo da Disney? E eu tinha certeza absoluta de que aquilo não pertencia ali. Mas de qualquer maneira, continuei jogando.


A primeira fase estava toda errada. Primeiro de tudo, eu não tinha nenhuma vida, quando deveria ter oito. Segundo, o céu estava escuro. O primeiro nível era geralmente alegre e ensolarada. Mas o pior de tudo, era o Jovem Simba… Ele estava deitado em uma posição que não era normal, meio corcunda e cabisbaixo. Ele também parecia estar tremendo. Isto definitivamente não era normal! Eu tentei movê-lo com as teclas de seta, e ele foi lentamente estendendo as patas e se arrastando pelo chão, deixando um rastro vermelho atrás dele, como uma lesma deixando um rastro de gosma. A progressão foi lenta, mas o clima de outono nítido do lado de fora havia me deixado muito animada para o Dia das Bruxas, então decidi continuar jogando esta nova versão macabra de meu jogo favorito. Quando eu precisava para pular para uma plataforma superior, o filhote de leão saltava quase normalmente, exceto que a cada vez que ele encostava-se ao solo, ele fazia o mesmo som que normalmente faz quando é atingido por um inimigo, como se o salto estivesse machucando-o ainda mais. No final do nível, a hiena também estava um pouco diferente. Seus olhos brilhavam em vermelho, e parecia que ele havia sido arranhado varias vezes, pelas marcas em sua pele. Eu o derrotei com apenas dois saltos, e ele desabou no chão da maneira normal, para minha surpresa. Enquanto a tela mudava para preto, eu imaginava e me perguntava o que me aguardava nas próximas fases.

A segunda fase, “Can’t Wait To Be King”, também estava diferente. Tanto o céu como a água estavam com tonalidades bem fortes de vermelho, além de a fase no geral estar muito menos colorida do que o normal. Não havia musica desta vez, somente os choros desagradáveis de Simba sempre que pulava. Ele ainda estava da mesma maneira da primeira fase, encolhido e se arrastando lentamente pelo nível. Me arrastei um pouco, até chegar no rinoceronte. Pulei na cabeça dele, e o rinoceronte me impulsionou em direção as arvores, direto para os braços dos macacos. Esta é a parte onde Simba normalmente salta na cabeça das girafas, para chegar ao outro lado do rio. Mas havia um problema… As girafas haviam sido decapitadas. Havia somente um osso saindo de seu pescoço, tudo incrivelmente e detalhadamente repugnante. Eu pensei: “Caramba, quem modificou este jogo deve ter um lado mais macabro do que o meu!”. Mas eu me perguntava como o Jovem Simba conseguiria atravessar o rio vermelho sem a ajuda das girafas. Mas, para minha surpresa, eu consegui saltar de girafa em girafa, como se suas cabeças ainda estivessem lá. Só que pareciam estar mais escorregadias do que o normal, por alguma razão, e com isso, precisei pular cada vez mais rápido para não cair na água. Mais tarde, na parte onde você monta do avestruz, ele também havia sido decapitado, e suas pernas estavam muito mais magras do que o normal, e ele também corria de uma forma um pouco estranha, como se estivesse tropeçando a cada passo. O resto da fase era basicamente a mesma coisa, com o quebra-cabeça dos macacos e tudo mais. Simba foi se rastejando através de toda essa loucura, até finalmente terminar a fase. O barulho extremamente alto de antes voltou, e algo completamente inesperado apareceu na tela: O rosto de Mufasa. Tirando os olhos totalmente negros, ele parecia normal. Então, de repente, ele abriu a boca e disse com uma voz fria: “Scar é inocente, eu sou o culpado”.

O que isso queria dizer?! Será que este jogo macabro estava tentando me dizer que Mufasa havia se soltado do penhasco de propósito ou algo assim? Não sei por quê, mas eu estava perturbada com esse pensamento. “Não seja idiota”, pensei, “Não deixe que um jogo estúpido te deixe perturbada e chateada com leões de desenhos animados!”. Apesar do nervosismo que eu estava experimentando, continuei a jogar e fui para a fase do Cemitério de Elefantes. Nesta fase, Simba estava surpreendentemente normal novamente! Graças a Deus! Levantando-se da maneira como deveria. Hmmm… Talvez o hacker havia se cansado e decidiu deixar este nível sem modificações. Infelizmente, meus pensamentos estavam errados. O cemitério de elefantes estava estranhamente desprovido de vida. Nenhuma hiena veio me atacar, como deveriam. Eu só pensei nisso como uma maneira fácil de sair de lá, e comecei a correr. Enquanto corria, aquele mesmo barulho alto e irreconhecível saiu novamente saiu de minhas caixas de som, desta vez ainda mais alto, tanto que as caixas chegaram a tremer com a intensidade do “grito”. Isso me assustou muito, e então eu imediatamente abaixei o volume, mas não cheguei a desligá-lo, porque estava com medo de perder algo interessante De qualquer forma, reparei que tinha uma coisa nova para me preocupar: O chão estava desmoronando lentamente sob os pés de Simba. Eu tinha que continuar correndo através do cemitério desolado para não cair na escuridão desconhecida abaixo de mim. Quando cheguei na área onde normalmente lutava com o ultimo grupo de hienas, o jogo ficou em câmera lenta, e uma voz fria, a mesma voz de Mufasa que eu tinha ouvido antes, disse a seguinte frase: “A morte é cruel para os justos e os injustos.” Ele repetiu isso até eu chegar ao final da fase, onde Scar me observava de uma pedra mais alta.

Depois disso, sai de meu quarto e fui pegar uma garrafa de refrigerante para beber. As coisas estavam começando a ficar intensas de verdade, e eu estava em choque com toda a situação. Eu estava sozinha em casa, à noite, jogando uma versão macabra e doentia de meu jogo de infância favorito e não fazia idéia donde aquilo iria chegar. Mas por alguma razão, eu queria continuar, queria ver com meus próprios olhos o quão longe o hacker havia chegado com tudo aquilo. Pensei: “É apenas um jogo hackeado, certo? Não há nada demais nisso”. Então, juntando minhas energias, voltei para meu quarto. A tela ainda estava preta. Por um momento achei que o jogo tinha travado, mas para minha surpresa, quando sentei na cadeira, o jogo prosseguiu com a próxima fase! Foi como se o jogo tivesse parado por conta própria, como se soubesse que eu havia saído da sala. Talvez eu tivesse apertado a tecla Enter ao sair, sem perceber, mas não tinha certeza.  De qualquer maneira, decidi continuar de vez, e então fui para a quarta fase do jogo, “Stampede”, e me preparei para ver o que me aguardava.

Mas, para minha surpresa, tudo estava normal neste nível! O céu estava azul, e o desfiladeiro rochoso estava bronze luminoso, assim como eu me lembrava. Metade de mim ficou agradecida, e a outra metade, a metade mais obscura que eu escondia da maioria das pessoas, estava entediada. Foi só no final da fase que as coisas alteraram. Depois que Simba escapou dos gnus, a tela cortou abruptamente para preto e, em seguida, começou a passar uma cena do filme… Bem, mais ou menos. Foi a cena em que Mufasa escalava as pedras para poder salvar Simba da debandada. Mas, então, algo diferente aconteceu. Foi mostrada uma cena onde Simba observa seu pai, lutando para chegar até o topo da montanha rochosa. Essa cena não estava no filme, só que a animação, em termos de qualidade, era quase tão boa quanto a do filme real. Simba estava chorando, como se soubesse que seu pai não conseguiria. Ele então parou de repente, e virou o rosto em direção à tela. Seus olhos estavam vazios, sem emoção, enquanto olhavam para mim. Então ele se levantou, e caminhou para frente. O ângulo da câmera mudou para mostrar um ponto de vista acima dele, e daí conseguimos ver para onde ele estava caminhando: A borda da montanha. O penhasco. O que era isso?! Eu só consegui assistir com horror, enquanto ele caia do penhasco, direto para a debandada abaixo.

Em seguida, a tela cortou para o rosto de Mufasa, ainda agarrado na beirada do precipício. Ele viu tudo. Ele viu Simba cair para sua morte. Seus olhos se encheram de lágrimas e ele olhou para seu irmão, Scar, sorrindo para ele. “O que você vai fazer, irmão?”, Scar perguntou ameaçadoramente. Seus olhos brilhando em um vermelho estranho e suas unhas pra fora, “O que você tem para viver?”

“Nada”, respondeu Mufasa, e em seguida, virou seu rosto para a tela: “Ninguém tem.” Então ele se soltou da beirada e caiu no precipício. Em seguida, a tela mostra Scar, rindo histericamente, seu rosto lentamente se transformando em um crânio hediondo em forma espectral, parecendo uma espécie de fantasma de leão, enquanto a tela desvanecera para preto em volta do crânio. Então, ele sussurra: “Isso conta pra você também”. Em seguida, ele riu e desapareceu.

Nesse momento, eu fiquei totalmente aterrorizada. Parecia que estava vivendo um pesadelo! Que mente doentia pensaria em algo daquele tipo?! Me virei por um momento para tomar um fôlego, e quando olhei de volta para a tela, notei que o “fantasma” havia sumido. Ao invés disso, o jogo havia avançado para a próxima fase, “Simba’s Exile”. Tudo parecia muito normal, até mesmo a musica do jogo original estava tocando. Mais uma vez, a curiosidade levou a melhor de mim, e eu tirei aquele clipe do filme de minha cabeça por um momento para conseguir focar no jogo. Então eu continuei. Eu fui estúpida, eu sei disso agora, mas era dificil eu ficar assustada facilmente com coisas desse tipo. Eu era do tipo que procurava por coisas assustadoras por prazer. Amava tudo isso. Então, eu continuei jogando o jogo com uma atitude cautelosa, mas ainda assim curiosa. Eu apenas esperava para algo estranho acontecer. Não esperava por isso como antes, mas era como assistir a um vídeo de pegadinha na internet, e esperar pelo susto no final. A fase era perfeitamente normal. “Quem modificou este jogo definitivamente tinha um senso de humor”, pensei cautelosamente, “colocando você em uma falsa sensação de segurança, e em seguida, assustando-o de uma forma totalmente inesperada.”

Eu sabia que estava chegando, mas eu ainda pulei de susto quando isso aconteceu. A fase terminou normalmente, com as hienas observando Simba fugir por entre os espinhos, e gritando: “Se você voltar, te matamos!”. Mas então finalmente aconteceu. Algo estranho. A fase “Hakuna Matata” começou, mas Simba não conseguia se mover. Era como se o jogo tivesse travado, exceto que ele ainda estava se mexendo… Não andando pelo paraíso, mas balançando a cabeça, cada vez mais rápido, como se estivesse tentando tirar os pensamentos ruins de sua cabeça. Então, de repente, ele olhou pra frente e desmaiou, sem explicação. Simplesmente caiu na grama, como ele normalmente faz quando você morre no jogo original. Em seguida, a imagem se distorceu e desvaneceu para preto, e abruptamente avançou diretamente para a próxima fase, ignorando completamente “Hakuna Matata”. Parecia apropriado que um jogo tão macabro como este pulasse a fase mais feliz e animada do jogo inteiro.

Então agora Simba havia virado um adulto. Este era o nível representando sua viagem à noite para ver Rafiki, e o fantasma de seu pai nas nuvens. Quando adulto, ele obtivera seus novos poderes de arranhar e cortar. Lembra que mencionei antes sobre a breve violência que normalmente tinha nas fases do Simba Adulto? Bem, isso era muito, muito pior. Quando Simba atacou e matou um leopardo, o leopardo fora literalmente rasgado em pedaços, e seu corpo fora deixado assim, jogado em pedaços empilhados uns em cima dos outros. Cada vez que ele matava algum animal, era sempre desta mesma maneira, impiedosamente violento. Eu deveria saber que algo assim iria acontecer. Então, depois de alguns encontros com Rafiki e ao chegar ao final da fase, onde Simba fica na beira do rio e Mufasa aparece no céu, Simba começou a tremer desesperadamente. Não aleatoriamente, mas em um padrão. O rosto de Mufasa aparece no céu, e em seguida ele se abaixa e abre sua boca, e Simba anda em direção a ela, eventualmente entrando e desaparecendo. Rafiki, em seguida, aparece do meio das folhas, olha para a tela e sussurra: “O Ciclo da Vida é uma mentira. Todos morrem, todos deixam de existir. Sua hora está próxima”. Isso arrepiou os pelos de minha nuca. Não sabia mais o que fazer, então só fiquei olhando para a tela, esperando aquele pesadelo terminar. Por alguma razão, o jogo pulou dois níveis inteiros, e eu fui direto pra ultima fase: “Pride Rock”. Já esperando para algo estranho acontecer, segui em frente, e ao invés de lutar com Scar pela primeira vez, ele apenas seguiu correndo por uma fase vazia; não havia hienas, nem fogo, nem Scar, nada. Foi assim durante toda a fase, até ele chegar ao topo da Pedra do Rei, na parte onde Simba e Scar supostamente teriam sua batalha final. Mesmo esperando por algo estranho, fiquei extremamente chocada ao ver o que me esperava no topo… Mufasa?! Ele nem tinha um modelo de personagem no jogo! Parecia com uma versão modificada do modelo de Simba, mas mesmo assim, que diabos eu estava assistindo?!

Pensei por um segundo se deveria lutar com ele. Afinal, ele era o pai de Simba. Mas enquanto pensava, Mufasa pulou pra cima de Simba e começou a mordê-lo e espancá-lo, violentamente, deixando o corpo de Simba completamente ferrado, arranhado e um pouco ensangüentado.  Movi Simba em direção ao seu pai, e ele mancava lentamente, parecido com o Simba nas primeiras fases. A batalha foi extremamente intensa; Mufasa e Simba arrebentando pedaço por pedaço um do outro. Após cerca de dez minutos de luta, eu perdi o controle dos dois. Nada do que eu fazia afetava a luta. Eles estavam lutando por conta própria agora. Depois de alguns segundos, Simba pulou em direção ao seu pai, fazendo com que os dois caíssem para fora do penhasco da Pedra do Rei, e direto para sua morte. Então a tela piscou várias vezes, o grito voltou mais uma vez, e a tela mudou para mostrar uma imagem dos corpos mutilados de Mufasa e Simba, deitados um em cima do outro sobre uma pilha de rochas, mortos. Em seguida, a tela mudou novamente, desta vez para mostrar novamente a caveira do Scar. Sua voz ameaçadora volta: “O mal vive nas profundezas de todas as almas boas. Você não pode escapar dele. Você não pode lutar contra ele. Desista, antes que ele acabe de vez com você”. De repente, sem explicação, a tela e o computador desligam. Por mais que eu tentasse, não conseguia ligar o computador novamente, e até hoje, ele simplesmente não funciona. Depois desses acontecimentos, toda noite, eu vejo essas imagens. Eu ouço essas palavras. “Desista, antes que ele acabe de vez com você”.

Às vezes, no meio da noite, eu olho para o computador e vejo aquela caveira na tela. Sinto como se houvesse algo em minha casa. Ele está aqui. Minha mãe e meu pai não conseguem senti-lo. Suas inocências não foram tiradas deles da maneira que a minha fora. É por isso que estou escrevendo este texto. Meus sonhos viraram pesadelos. Minhas memórias doces se transformaram em traumatizantes. Não tenho mais nada para mim, então acho que seguirei o conselho de Scar. Estas são minhas últimas palavras, e me sinto obrigado a perguntar: “O que você vai fazer? O que você tem para viver?”. “

Fonte: http://creepypastabrazil.blogspot.com.br/

47. Bob Esponja e a Red Mist

Essa você já viu por aqui. Trata-se do “Lado Negro do Bob Esponja”, a famosa e sinistra fita Red Mist. Só uma pequena observação que não foi feita no post “15 vídeos pertubadores que fizeram sucesso na Internet”: Segundo o forum BrChan, as cenas descritas na história aparecem em 2 frames. Isso significa que elas são subliminares já que são imperceptíveis a sua consciência. Para quem tem programas de edição de vídeo e quiser testar essa suposição, faça e depois nos diga se é verdade.

Talvez tenha sido feito por um fã, mas aqui está o episódio completo da Creepypasta do Bob Esponja… A famosa e temível Red Mist….
Red Mist é uma fita contendo um episódio inédito de Bob Esponja Calça Quadrada. Como a há muito tempo perdida e agora descoberta recentemente fita contendo o “Suicide Mouse” (postado aqui), Red Mist foi criada por um animador escocês, agora preso, que queria apresentar a fita como o primeiro episódio da quarta temporada, apresentando a morte de Lula Molusco.

Red Mist começa com o Lula Molusco se preparando para praticar com a clarineta em sua casa enquanto Bob Esponja e Patrick brincam do lado do fora. Lula Molusco coloca a boca na clarineta e só consegue tocar uma nota antes de ser interrompido por alguém batendo em sua porta. Ele desce as escadas e abre a porta, encontrando um vendedor ambulante.

O vendedor, um peixe escocês gigante, pergunta se ele poderia ter um momento com Lula Molusco. Mas este diz que não está interessado e bate a porta na cara do vendendor, andando de volta para seu quarto. O vendedor bate à porta mais uma vez, e Lula Molusco abre a porta irritado. O vendedor, parecendo bem triste, diz à Lula Molusco que “a névoa vermelha está vindo” e vai embora, deixando um Lula Molusco confuso para trás. Ele volta para seu quarto e volta a praticar com a clarineta.

Depois de tocar algumas notas bem erradas, Bob Esponja e Patrick começam a rir do lado de fora, interrompendo Lula Molusco mais uma vez. Ele olha pela janela e grita com os dois, dizendo que ele precisa praticar para um concerto que teria. Bob Esponja e Patrick se desculpam com lágrimas nos olhos e vão para suas casas. Lula Molusco, incerto de si mesmo, volta a praticar com sua clarineta mais uma vez, agora sem ser interrompido.
A cena então vai se “apagando” em vermelho e permanece assim por doze segundos.

Talvez por causa de um erro, a mesma cena repete mais uma vez, o que provavelmente deve ser comum em edições básicas de animação. Entretanto, dessa vez, os olhos dos personagens foram substituídos por novos, mais realísticos e com pupilas vermelhas. Obviamente nada mais real que CGI ou animação. Não há mais áudio nessa cena, tirando alguns “cliques” ocasionais.

Depois da repetição da cena anterior, uma nova começa, com os mesmos olhos vermelhos nos personagens. Agora todos estão no teatro, onde Lula Molusco está tocando sua clarineta. Os quadros da animação “pulam” a cada quatro segundos, mas o som permanece sincronizado. Depois de uma apresentação ruim da música que ele mesmo intitulou “Red Mist”, Bob Esponja e Patrick são vistos na platéia vaiando Lula Molusco, muito incomum da parte deles.

A cena se afasta, revelando que o vendedor escocês está ao lado deles, também vaiando, enquanto Lula Molusco vai embora cobrindo a cabeça com seus tentáculos. O que há de estranho é que a cena realmente o mostra voltando para casa, sem nada acontecer ao fundo, e permanece desse modo por três minutos e cinquenta segundos antes de ser abuptamente cortada para uma tela em vermelho por mais outros vinte segundos, bem quando ele volta pra sua casa.

Uma nova cena começa, com os olhos de desenho de volta. Lula Molusco está sentado em uma cadeira, em seu quarto, com um olhar perdido em seu rosto que dura trinta segundos exatos, antes de ele começar a soluçar levemente. Novamente, o áudio está ausente por quase toda a cena, até que os soluços começam. Um leve zoom no rosto de Lula Molusco também começa, apenas perceptível se você olha os quadros da cena lado a lado. O som dele soluçando começa de repente, bem alto e severo, enquanto a tela treme um pouco. A risada do vendedor também pode ser ouvida ao fundo.

Depois de outros trinta segundos, a tela embaça e se torce violentamente. Um único frame pisca na tela. Pausando exatamente sobre o frame, o espectador pode ver uma foto real de um garoto de seis anos morto, caído na floresta apenas com roupas de baixo, cujo rosto econtra-se deformado, com um olho arrancado e o estômago aberto, com as entranhas caíndo ao seu lado.
Ao lado, a sombra do fotógrafo pode ser claramente vista, juntamente com parte da mão dele aparecendo do lado direito da cena.

Depois que essa foto aparece, a cena volta para Lula Molusco soluçando, muito mais alto do que antes, e o que parece ser sangue escorre de seus olhos ao invés de lágrimas. O riso do vendedor pode ser ouvido ainda. O som de vento na floresta também pode ser ouvido em som alto, com o som de galhos sendo quebrados e de um menino gritando. Depois de vinte segundos, outro quadro aparece, agora com uma menina de oito anos morta, caída de barriga pra baixo em uma poça de sangue, na mesma floresta da foto do menino. Suas costas estão abertas e suas entranhas empilhadas sobre ela. A foto do fotógrafo também é visível.

A cena retorna para Lula Molusco, agora com os mesmos olhos vermelhos e realistas de antes, completamente em silêncio e não mais soluçando. O som da floresta também não pode mais ser ouvido.
Três segundos mais tarde os soluços voltam, agora muito mais alto e com o som da floresta de volta. Os gritos de um menino e uma menina podem ser ouvidos misturados com a música “Amazing Grace” (link) tocada com clarineta e gaita de Foles. Enquanto isso, sete quadros podem ser vistos em preto e branco, mostrando o menino da primeira fotografia. A mão do fotógrafo pode ser vista durante a passagem dos quadros, pegando as entranhas do menino, com seu único olho restante fitando a mão do homem, e até pisca uma vez.

Corta para Lula Molusco mais uma vez, agora encarando o espectador enquanto a voz do vendedor grita “FAÇA” e “a névoa vermelha está vindo” ao fundo repetidamente. Depois de quarenta segundos, a câmera rapidamente se afasta para revelar que Lula Molusco está segurando uma arma realista, parecendo que havia sido “Photoshopada” na cena. Lula Molusco ergue o cano da arma para sua boca e atira. Sangue espirra de sua cabeça e a tela corta para estática (O famoso “chiado”).

Em 7 de Novembro de 2004, depois que os storyboards da animação foram finalizados em Fife, Escócia, a fita foi entregue para os animadores e editores de som na Paramout Studios, em Hollywood, Califórnia, no meio da noite. A fita foi levada para sala de edição onde foi assistida pelos animadores e editores já citados, e mais dois residentes de dezesseis anos. A fita, que deveria ser uma edição básica do episódio “Medo de Hambúrger de Siri”, começou com o título “Red Mist”. Achando que era brincadeira, os animadores continuaram à assistir, descobrindo que a fita havia sido modificada com algum tipo de brincadeira maldosa.

Como resultado, três animadores (Barry O’Neill, Grant Kirkland Jr. e Alyssa Simpson) foram mandados para o hospital, um editor se aposentou (Fernando de la Peña) e um residente (Jackie McMullen) cometeu suicídio. A fita foi enviada para a polícia, que determinou que a animação havia sido criada por Andrew Skinner, um animador de Fife, Escócia. Ele foi acusado por nove assassinatos, incluindo o das duas crianças que aparecem na fita. O mais estranho, é que ao analisar os dados na VHS, a polícia descobriu que a última edição da fita havia sido feita exatamente vinte e quatro segundos antes de ser assistida pela equipe de Bob Esponja.

Uma cópia da fita foi feita (antes da polícia confiscar a original) por Chaz Agnew, escritor deste artigo e o único residente que sobreviveu àquela noite. Agnew fez várias tentativas de distribuir as cópias da fita de Skinner e espera poder lançá-las em site de leilão online em breve.

O episódio abaixo mostra parte do episódio. Não pode ser assistida por crianças ou pessoas sensíveis.

46. Chaves from Hell

Chaves, sem sombra de dúvidas, é um dos seriados mais famosos da América Latina. Aqui no Brasil é exibido no SBT há tempos e já encantou várias gerações. O Seriado possui um charme incomum, com personagens marcantes e divertido, que fizeram e fazem crianças e adultos diversos países cair na gargalhada. Entretanto, há aqueles que questionem a “inocência” por detrás desse humor inofensivo. Veja essa história que diz que “Chaves” não é aquilo que parece ser. Com toda certeza vai parecer conto de crente fanático, todavia não deixa de ser interessante:

“Sartre escreveu em sua famosa peça “Entre Quatro Paredes”, de 1945, que “o inferno são os outros”. Não existe uma definição universalmente aceita sobre o conceito de in­ferno na tradição teológica oci­dental.

Segundo o historiador Jean Delumeau, no livro “Entrevistas Sobre o Fim dos Tempos”, o catolicismo tradicional, apoiando-se em Santo Agostinho, apregoava a “existência de um lugar de sofrimento eterno para aqueles que tiverem praticado um mal considerável nessa vida e dele jamais se tenha arrependido”. Essa noção, um tanto incongruente com a imagem de um

Deus misericordioso, não prosperou fora do imaginário po­pular, sendo substituída pela so­lução do Purgatório, desenvolvida no século II, sobretudo, por Orígenas. Nin­guém mais estaria condenado para sempre, embora, excetuando-se os santos, todos tivessem que passar por um período variável de purificação, com a garantia da salvação ao final.

Santo Irineu discordava. Para ele, “os pecadores confirmados, obstinados, se apartaram de Deus, também se apartaram da vida”.

Portanto, após o julgamento final, os condenados seriam simplesmente apagados da existência.

A polêmica continuou pelos séculos dos séculos, com novos debatedores:

Tomás de Aquino, Lutero, Joaquim de Fiore. Na literatura, Dante e Milton criaram visões poderosas do inferno. O trio de condenados de Sartre, os cenobitas sadosmasoquistas de Clive Barker e os pecadores amaldiçoados de Roberto Bolaños são recriações contemporâneas perturbadoras.

Sim, Roberto Bolaños. Não, não se trata do falecido ficcionista chileno Roberto Bolaño (1953–2003), autor do calhamaço “2666”. O Bolaños com S é um artista infinitamente superior. Refiro-me ao ator, escritor e diretor mexicano Roberto Gómez Bolaños, apelidado, num exagero quase perdoável, de Chespirito, ou “Pequeno Shakespeare” à mexicana. Ele é o criador de uma das mais sutis, brilhantes e temíveis representações do inferno em qualquer das artes: o seriado “Chaves”. Se, conforme ensinou Baudelaire, “a maior artimanha do demônio é convencer-nos de que ele não existe”, podemos concluir que esse mesmo demônio não iria apresentar seus domínios por meio de estereótipos: escuridão, chamas, tridentes,  lava. Em “Chaves”, verdadeiramente, “o inferno são os outros”.

Bolaños encheu sua criação de sinais que devem ser decodificados para  que se revele seu verdadeiro sentido de auto moralizante. O primeiro e mais importante é o título.

Originalmente, o seriado chama-se “El Chavo Del Ocho”, ou traduzindo do espanhol: “O Moleque do Oito”. Ninguém sabe o verdadeiro nome do protagonista, que nunca foi pronunciado. Cha­mam-no apenas de “Moleque”. O nome próprio Chaves é uma adaptação brasileira, uma corruptela da palavra “chavo”. É certo que um “chavo”, ou “moleque”, é quem faz molecagens; quem subverte a ordem do que seria moral e socialmente aceito como correto. Em livre interpretação, o “moleque” é um pecador. Portanto, o seriado trata de pecados. Não de pecados mortais, pois do contrário dificilmente seus personagens gerariam simpatia, mas, com certeza, de pecados capitais.

Ao contrário do que muitos acreditam, o protagonista não mora em um barril, mas na casa número 8. Sendo órfão e morador de rua, foi recolhido por uma idosa, que jamais foi mostrada; e que talvez não exista. Se existir é a morte materializada, pois habita o 8. Basta deitar o numeral 8 que obtemos o símbolo do infinito. A morte é infinita, pois não há vida antes da vida e após a vida volta-se a condição anterior. A vida pode ser medida pelo tempo, o antes e o depois é, por definição, infinito. O nada infinito, a graça infinita ou a purgação infinita.

Essa vila do “8” nada mais é do que um pedaço do Inferno, especialmente preparado para receber seus hospedes, mortos e condenados no julgamento final. Uma variação cômica de “Entre Quatros Paredes”, onde duas mulheres e um homem (além de um mordomo… mas o comunista Sartre não considerou o representante da classe proletária um personagem pleno) são obrigados a se suportarem mutuamente pela eternidade, num ciclo infindável de acusações e violência. Não é difícil imaginar a cena:

Chiquinha chuta a canela de Quico e faz seu pai pensar que o menino foi o agressor, enervado Seu Madruga belisca Quico, que chama Dona Florinda, que acerta um tapa no vizinho gentalha, que descarrega a raiva no Moleque, que atinge o Seu Barriga quando ele chega para cobrar o aluguel. Enquanto isso, o professor Girafales, queimando de desejo, bebe café, com um buquê de rosas no colo, sem desconfiar a causa, motivo, razão ou circunstância de tanta repetição.

O cenário é um labirinto rizomático, sem centro, começo nem fim. Saindo da vila caem em uma rua estreita que leva a um pequeno parque, um  restaurante e uma apertada sala de aula.

As variações, como Acapulco, são exceções que confirmam a regra. O universo dos personagens se resume a esse espaço claustrofóbico, onde um ambiente leva a outro que leva a outro que leva a outro, indefinidamente.

Os pecados que cometeram em vida transparecem em suas características, medos e frustrações. Chaves, o Moleque, sempre faminto, cometia o pecado da gula. Glutão inveterado, sua preferência por sanduiche de presunto indica desprezo pelas leis de Deus, que proibiu o consumo de porco, esse animal sujo e de pé fendido. Inimigo de qualquer autoridade moral, apelidou seu professor de “Mestre Linguiça”, outra referência a malfadada iguaria suína.

Seu Madruga, que têm muito trabalho para continuar sem trabalhar, cometia o pecado da preguiça. Exigem redobrados esforços suas estratégias de fuga, para não pagar os indefectíveis 14 meses de aluguel. Que nunca se tornam 15 meses, denotando que a passagem do tempo está suspensa. Não é necessário lembrar que 7 + 7 é igual a 14 e que, na tradição crística, 70 x 07 simboliza o infinito. Da mesma forma que o 8, o símbolo de adição deitado torna-se o de multiplicação. Deus mora nos detalhes.

A ganância de Seu Barriga é óbvia. Quem mais cobraria o aluguel mensal praticamente todos os dias? Os golpes que o Moleque lhe aplica sempre que chega a vila faz parte de sua punição.

O fato de possuir como veículo uma Brasília amarela liga-o imediatamente ao país Brasil,  indicando que em vida deve ter se envolvido em escândalos de corrupção. Terry Gilliam não escolhe títulos ao acaso.

O pequeno marinheiro Quico, o menino mais rico da vila, é movido pela inveja. Sempre que vê um de seus pobres vizinhos se divertindo com um surrado brinquedo, cobiça aquela alegria simplória e vai buscar um dos seus, sempre maior e melhor, mas que nunca lhe dá satisfação.

O brinquedo do outro, mesmo sendo obviamente inferior, sempre lhe parece mais interessante. Um círculo vicioso de inveja, jamais saciada.

Chiquinha é marcada pela personalidade intolerante, raivosa. Imitando o Pateta, usava o automóvel como uma arma potencializadora de sua ira. Morrendo em uma briga de trânsito, na vila, tenta fazer o mesmo com o triciclo. Não foram poucas as vezes que atropelou pés e brinquedos. Mas a musa que canta a ira do poderoso Aquiles não se ocupa da ira insignificante de Francisquinha. Sendo a menor e fisicamente mais fraca da vila, só lhe resta chorar, chorar e chorar.

Dona Florinda e o Pro­fessor Girafales foram libertinos do porte do Marquês de Sade e Messalina (ou os próprios). Mestres na arte da luxúria, acabaram condenados a eternidade de abstinência sexual. Frigidae impotente, a mente almeja, mas o corpo não acompanha. Consomem infindáveis xícaras de café que, com propriedades estimulantes, alimentam ainda mais o fogo que não podem debelar. O professor Girafalesfuma em sala de aula não porque “El Chavo Del Ocho” foi gravado antes da praga politicamente correta, mas devido ao fato dele ser portador do célebre cacoete pós-coito de acender um cigarro, fazer um aro de fumaça no ar e perguntar “foi bom para você?”. Incapaz de cumprir a primeira parte do ritual erótico, involuntariamente reproduz a segunda. Não por acaso, a trilha sonoro de seus encontros é a mesma de “… E o Vento Levou”. A frase final do filme é “amanhã será outro dia”. Na vila, sempre haverá outro dia e outra xícara de café.

Dona Clotilde, a bruxa do 71, padecia de extrema vaidade. O gênio de Bolaños teve a sutileza de convidar uma ex-miss, a espanhola Angelines Fernández, para interpretar a personagem. Novamente o signo de uma condenação eterna aparece: 71 nada mais é do que 7+1=8. O animal de estimação de Dona Clotilde, significativamente chamado de Satanás, chama atenção para outro elemento importante. A presença de diversos demônios errantes na vila. Trata-se de uma besta transmorfa. Em alguns episódios satanás é um gato, em outros um cão. Diferente do paradoxo do  coelho-pato de Jastrow, Wittgenstein e Thomas Kuhn, que servia ao desenvolvimento da razão, o gato-cão é uma representação do misticismo, o cão em “pessoa”.

 Em 1589 o teólogo Peter Binsfeld, no livro “Binsfeld’s Classification of Demons”, estabeleceu que cada um dos sete pecados capitais possui um patrono infernal. Sintoma­tica­mente, Lúcifer, nome pelo qual muitos chamam satanás, gera a vaidade. Os outros são Asmodeu que gera a luxúria, Belzebu a gula, Mammon a ganância, Belphegor a preguiça, Azazel a ira e Leviatã a inveja. Não nos enganemos: eles rondam a vila. Aparecem circunstancialmente, para promover desordem, dor e tentação.

Se o gato-cão Lúcifer/Satanás ajuda a difundir o boato de que Dona Clotilde é uma bruxa, me parece óbvio que a bela menina Paty e sua tia Glória são Belzebu e Belphegor metamorfoseados em súcubos, demônio  sexuais femininos, prontos para atiçar outros apetites no Moleque e tirar Seu Madruga de seu estado de letargia. Por sua vez, o galã de novelas Hector Bonilla, que visitou a vila, nada mais é do que Asmodeu na forma de um íncubo, demônio sexual masculino, com a missão de tumultuar a relação do casal de libertinos castrados. Nhonho é Mammon, instigando o pai avaro a gastar. Popis é Azazel, esmerando-se em despertar a ira de Chiquinha com sua futilidade enervante. Godinez é Leviatã atiçando a inveja de Quico, com suas respostas tão certeiras quanto involuntárias ao Mestre Linguiça. Figuras de pouca relevância como Dona Neves, Seu Furtado, os jogadores de ioiô, os alunos anônimos na escola, os clientes do restaurante, o pessoal do parque e do festival da boa vizinhança, além de outros coadjuvantes, são entidades demoníacas menores, com a função de criar a ilusão de normalidade.

De fato, os frequentadores da vila parecem inscientes de sua condição. Os adultos por serem alto-centrados. As crianças por estarem duplamente amaldiçoados, regredidos a condição infantil, talvez como espelho da imaturidade emocional que os levaram a conduta pecadora.

Enquanto muitas pessoas sonham em possuir a experiência da maturidade em um corpo jovem, eles mantiveram o corpo que possuíam na hora da morte, mas quase sem nenhuma experiência. Essas são as sutilezas da burocracia infernal.

 O carteiro Jaiminho, em sua função de portador de mensagens, é o único representante do lado de cá. Um médium que tenta fazer contato comessa outra dimensão. Seu constante estado de fadiga é resultado do esforço sobre-humano necessário para cruzar as dimensões. Prova disso é a descrição que Jaiminho dá de sua terra natal, Tangamandápio. A despeitode existir de fato, sendo localizada a noroeste do Estado mexicano de Micho­acán, trata-se de uma alegoria. Se­gundo o carteiro, tudo em Tangamandápio é colossal. Seria maior do que Nova York e teria uma população de muitos milhões de habitantes. O que poderia ser tão grande?

Obviamente, ela não se refere a uma única localidade isolada, mas a todo o planeta; a  terra dos vivos. As cartas que transporta são psicografias e a bicicleta que nunca larga, apesar de não saber andar, nada mais é do que um totem, ao estilo de “A Origem”, necessário para que possa voltar para realidade.

Em “El Chavo Del Ocho”, Bolanõs, o Camus asteca, criou sua própria versão do mito de Sísifo. O Moleque e companhia estão condenados a empurrar inutilmente por uma ladeira íngreme essa imensa pedra chamada cotidiano, que sempre rola de volta, obrigando-os ao tormento do eterno retorno. A pedra de Quico é quadrada, não rola, desliza. É cômico, apesar de trágico.”

45. Episódio Perdido do Chaves, Um

A Creppypasta guarda muitas histórias desse amado seriado. A primeira que você viu no item anterior não surgiu na Creepypasta mas terminou por lá. Essa, por sua vez, é uma genuína creepy story! Conta a lenda de um episódio perdido de “El Chavo del Ocho”. Confira:

Você já viu aquele episódio em que o Chaves finge que foi atingido por um carro? Na época em que a TV Mexicana transmitia episódios inéditos da série, depois que esse episódio passou ocorreu uma pausa e a série só voltou 4 meses depois. Mas o que aconteceu durante esses 4 meses? Bolãnos aparentemente havia filmado o que deveria ser o episódio final de Chaves, e ele era mais ou menos como esse episódio supracitado.

O capítulo começa com a introdução característica da série, mas o som está antiquado. Quando a vila aparece, não tem ninguém no pátio. O portão se abre como se alguém fosse entrar, mas ninguém entra. E o episódio continua nisso por dois ou três minutos, apenas mostrando a vila vazia e o portão aberto até que finalmente Chaves aparece saindo da vila e sai caminhando pela rua.

Nesse momento, aparecem Kiko e Chiquinha na vila. Kiko pergunta então para Chiquinha aonde é que está o Chaves (O ator Carlos Villagrán, que interpreta Quico, faz essa cena usando a voz típica do personagem, entretanto as suas bochechas não estão “inchadas” como deveriam). Chiquinha responde que ele está na rua com catchup. No momento exato que ela diz “na rua”, ouve-se um rugido horrível que não aparece em mais nenhum outro episódio da série.

Após isso, aparece a cena do episódio que foi transmitido na TV e que provavelmente você conhece (a cena em que o Chaves finge estar morto cheio de Catchup) em que aparecem todos os moradores da vila chorando. O som é muito antiquado e os soluços parecem estar vindo de muito mais pessoas do que só aquelas que aparecem na cena. Nesse momento a cena é cortada para o que parece ser uma parada para os comerciais.

Então acontece uma mudança para outro cenário, com Dona Florinda, Seu Madruga, Professor Girafales, Kiko e Chiquinha em frente de um fundo preto. Na frente deles parece haver um caixão com o corpo do Chaves mas não dá pra enxerga-lo.

Os 5 personagens parecem estar totalmente horrorizados. Dona Florinda parece muito magra, e quando parece que ela está apenas atuando, a feição devastada dela é realçada quando a câmera foca a sua face por cerca de longos 5 minutos. Depois dessa cena incrivelmente longa, Kiko e Chiquinha dizem “Chavinho” em vozes de coração partido, de tristeza total. Quico não estava falando com sua voz típica, o que levanta questões se os atores Carlos Villagrán e Florinda Mesa (Dona Florinda) estavam mesmo atuando ou se o sentimento era real.

Depois disso, surge a imagem do corpo do Chaves. É nessa cena, mais do que qualquer outra, que são levantadas muitas questões como por exemplo o corpo de Chaves que está mais alto que o ator Roberto Gomes Bolaños. O terno de Chaves é muito pequeno, e pode-se ver também que ele é muito gordo e a cor da pele dele é muito escura. As duas pernas dele estão quebradas e sangrando. O Boné que cobre o rosto dele está coberto de sangue, e os braços dele estão emagrecidos comparados ao resto do corpo. O tronco dele parece estar excepcionalmente limpo, comparado aos membros que estão sujos e ensanguentados. Essa cena dura 5 minutos, até que começa a música final característica da série.”

 Houve um período de 4 meses entre o tempo que esse episódio foi filmado até quando Chesperito (apelido de Bolaños) juntou seu time, e há muitas controvérsias sobre quem teria “interpretado” o corpo de Chaves. Ficou claro que que não foi um bobo qualquer, e também não foi um figurante que teria aparecido mais alguma vez na série em outros episódios seguintes. Além disso, há algum tempo atrás, Bolaños disse que ele quis fazer algo que ninguém nunca teria visto antes na televisão.

Uma curiosidade é que Bolanõs queria que no último episódio de Chaves, o personagem se sacrificasse pra salvar uma criança de ser atropelada, mas ele decidiu não fazer isso por que sua filha disse que isso poderia fazer outras crianças quererem imitar o personagem…

44. Episódio Perdido do Chaves, Dois 

Essa é outra história que ficou bastante conhecida na Internet, que fala a respeito do termino do vínculo do Quico com o seriado e do suposto “real motivo” do fim de “El Chavo del Ocho”. Quem é fama, deve conferir, é muito sinistro, embora como uma boa creepy, carece de provas.

“No final de 1977, Carlos Villagrán, que desde o início da série interpretava o Quico no “Chaves”, deixa a série. Os motivos reais nunca foram oficialmente divulgados, e inúmeras hipóteses foram levantadas na tentativa de explicar sua saída. O que é certo, é que Villagrán e Roberto Gomes Bolaños, criador da série e intérprete do personagem-título, nunca mais retomaram a amizade que mantinham desde o início dos anos 70.

Em 1977, quando da saída de Villagrán, o jornal mexicano “El Universal” publicou uma matéria que explicava as razões da rusga entre Villagrán e Bolaños. Segundo o periódico, a saída do Quico deu-se por diferenças criativas. Durante as filmagens de um episódio piloto, que abriria a temporada de 1978 do programa, Villagrán teria considerado o conteúdo do programa como “repulsivo”, e deixado a equipe na seqüência. Contudo, o jornal não dizia qual era o conteúdo do episódio em questão.

Vilagran, até hoje, recusa-se a comentar esse assunto. Qualquer entrevista em que seja abordado esse imbróglio é imediatamente encerrada pela equipe de assessores de Villagrán.

Supostamente, o jornal teve acesso a uma cópia do roteiro do episódio em questão, mas não publicou nem mencionou nada acerca de seu conteúdo. Isso seria fruto de um acordo entre a diretoria do periódico com altos executivos da Televisa, que desembolsaram uma quantia substancial em dinheiro para evitar a publicação deste roteiro. É dito que cópias do tal roteiro sobreviveram, guardadas por funcionários do jornal.

O episódio piloto chegou a ser gravado, e mesmo editado, para posterior apresentação perante os executivos da Televisa. É dito que eles teriam ficado horrorizados com o conteúdo. Um diretor de programação, à época, teria dito que o programa era “absolutamente impróprio para crianças, e, na verdade, absolutamente impróprio para qualquer um”.

A gravação original deste episódio foi destruída pela Televisa. Contudo, uma cópia clandestina foi feita por um funcionário da emissora. Essa copia teria sido vendida para um colecionador argentino em 1996, numa transação que teria envolvido algo em torno de 4 mil dólares.

O depoimento a seguir é um compêndio de declarações de alguns funcionários da Televisa que, à época, foram submetidos à exibição do programa. Todos eles pediram para não ser identificados. Poucos chegaram a ver o episódio finalizado e editado, e alguns destes já vieram a falecer.

“A partir da temporada de 1974, o Chaves foi ganhando destaque na programação da Televisa, e conseguindo cada vez mais sucesso junto ao público. Bolaños, porém, artista inquieto que era, queria introduzir mudanças no programa. Poucos sabem, mas à época, Bolaños fazia planos de escrever roteiros de mistério e horror, e abandonar os humorísticos.

Durante a temporada de 1975, Bolaños tenta introduzir alguns desses elementos no ‘Chaves’. Neste ano, vai ao ar o célebre episódio em que Chaves, Quico e Chiquinha entram na casa de Dona Clotilde, e lá, descobrem que ela era, de fato, uma bruxa. Originalmente, o roteiro previa que a incursão deles à casa da bruxa realmente aconteceria, e a descoberta deles teria implicações em episódios futuros. Executivos da Televisa interviram, e impuseram o final que foi ao ar: tudo não passava de um delírio das crianças.

Ainda nesse ano, vai ao ar um episódio em que as travessuras e trapalhadas de Chaves fazem com que vários moradores da vila comam insetos embebidos em gasolina. O roteiro original previa um programa mais sombrio e grotesco, mas novamente foi alterado por diretores da Televisa.

Nos dois anos seguintes, Bolaños continuou a introduzir elementos sobrenaturais, de horror ou mistério, nos episódios do Chaves. Episódios como aquele em que as crianças assistem um filme de terror, e a ‘saga’ dos espíritos zombeteiros são frutos dessa influência de Bolaños.

No início de 1978, Bolaños decidiu mudar radicalmente o programa. O Chaves, a partir de então, seria um programa de comédia com elementos de horror, mirando um público mais adulto. Mal comparando, algo semelhante à série de filmes ‘Evil Dead’. Ele escreveu um episódio piloto nessa linha, que chegou a ser filmado e exibido aos executivos de programação da Televisa. A reação foi absolutamente negativa. Os executivos vetaram terminantemente a mudança de rumo proposta por Bolaños. Carlos Villagrán, o Quico, ficou tão horrorizado com o resultado final do episódio que deixou a série.”

A seguir, uma sinopse do conteúdo de tão controverso episódio. Essa sinopse foi escrita a partir de diversos depoimentos de funcionários da Televisa que chegaram a ver o programa finalizado e editado, ou que participaram da gravação, ou mesmo que tiveram acesso ao roteiro.

O episódio começa com Chaves brincando no pátio da vila, indo para lá e pra cá em um patinete. Quico sai de sua casa, vê Chaves brincando e faz expressão zangada. Vai até ele, e segura o guidom do patinete com as duas mãos. Segue-se um diálogo:

-Chaves, quem te deu permissão para mexer nos meus brinquedos?

-É que o patinete estava jogado ali no outro pátio e eu… eu…

Quico fica mais zangado:

-Eu coisa nenhuma Chaves, devolve aqui meu patinete.

Ato contínuo, Quico puxa o patinete bruscamente, derrubando o Chaves. Quico deixa o patinete no chão e ri escandalosamente. Chaves levanta, pega do patinete, empunha-o e avança sobre Quico.

-Agora você vai ver só uma coisa, Quico!

Quico corre e grita “Mamãe!”. Neste meio tempo, Seu Madruga sai de sua casa, e toma o patinete de Chaves, impedindo que ele acerte Quico. Dona Florinda vem para o pátio, apressadamente.

-Mamãe, ele queria me bater com o patinete!

Dona Florinda dá um tapa em Seu Madruga. Diz:

-Vamos tesouro. Não se junte com essa gentalha.

Volta para dentro. Quico aplica o tradicional “gentalha gentalha” em Seu Madruga, e também volta para sua casa.

Nesse momento, um primeiro plano de Seu Madruga revela que seu nariz está sangrando. Ele tenta estancar o sangramento, sob o olhar preocupado de Chaves, mas sem sucesso. Ambas as narinas deitam uma grande quantidade de sangue, até que Seu Madruga cai no chão do pátio.

Corta para Quico, Chiquinha e Chaves na escada da vila. A iluminação do cenário sugere ser noite. Os três choram muito. Em Chaves, cada personagem possui um modo característico de chorar, mas neste momento, não. Eles choram de forma comum, aos soluços. Esse plano dura aproximadamente 1 minuto.

Em seguida, chegam o Professor Girafales e Seu Barriga, acompanhados de 2 policiais. Eles dirigem-se à casa de Dona Florinda. O Professor bate na porta, ninguém atende. Ele chama:

-Dona Florinda, abra a porta por favor.

Não há resposta. O professor abre a porta, os policiais entram, e saem com Dona Florinda algemada. Seu rosto exibe uma imensa apatia enquanto os policiais a levam. Quico, ao ver sua mãe sendo levada, desespera-se: tenta atacar os policiais, mas é contido por Seu Barriga. Dona Florinda nem parece tomar conhecimento da situação, mantendo sempre a expressão apática e o olhar vazio. Quico, seguro por Seu Barriga, chora muito e balbucia “mamãe” algumas vezes. Depois que os policiais deixam a vila, levando Dona Florinda, Seu Barriga tenta consolar Quico, mas ele corre para casa.

Segue-se um diálogo entre Seu Barriga e Professor Girafales:

– Que tragédia horrível tivemos aqui, Senhor Barriga.

– É verdade professor. Eu devia ter previsto que isso acabaria acontecendo.

– Qual foi a causa da morte?

– Seu Madruga foi boxeador na juventude. Os socos que ele levava causaram um afundamento no crânio. O tapa que a Dona Florinda deu hoje causou um traumatismo bem nessa região. Ele teve uma hemorragia cerebral e não resistiu.

-Uma tragédia horrível, Senhor Barriga!

-Sim.

-Quem cuidará dos preparativos do funeral?

-Eu cuido de tudo Professor. Não se preocupe. O senhor vai ficar aqui com as crianças?

-Sim, naturalmente.

Seu Barriga deixa a vila. Professor Girafales entra na casa de Dona Florinda.

Chiquinha e Chaves continuam sentados na escada. Agora, pararam de chorar, apenas olham fixamente para o vazio.

Dona Clotilde sai de sua casa e vem em direção às crianças. Ela usa uma roupa diferente do que costumamos ver, uma espécie de roupão preto com vários símbolos bordados em vermelho e roxo.

Nesse momento, os depoimentos são contraditórios. Há quem afirme que Dona Clotilde traz consigo um livro semelhante à uma Bíblia. Outros dizem que a fita falha quando ela aparece, e só volta ao normal num momento mais avançado do episódio. Uma fonte descreve que Dona Clotilde vai até a escada e conversa, aos cochichos, com Chiquinha.

O que é consenso é o conteúdo que vem na seqüência. O pátio da vila está vazio, a iluminação é mais tênue do que na seqüência anterior, provavelmente sugerindo que a noite está mais avançada. Uma panorâmica pelo cenário mostra as escadas vazias, em seguida o centro do pátio, onde está desenhado um grande pentagrama vermelho; e em seguida Chiquinha sentada à porta de sua casa, abraçando os joelhos. Seus pulsos estão enfaixados, e as bandagens sujas de algo que parece ser sangue.

Então, começa a ventar no pátio. Ouvimos um estrondo, é a porta da frente se abrindo. Corta para um reaction shot de Chiquinha: seus olhos estão arregalados, sua boca entreaberta, uma expressão de puro horror. Ouvimos o som de algo pegajoso. Nunca é possível ver claramente o que ou quem entrou no pátio, mas planos breves, de no máximo 1 segundo, mostram uma figura magra, enrolada num pano branco, deixando atrás de si um rastro de uma substância pegajosa, aparentemente negra.

A figura aproxima-se. Novo reaction shot de Chiquinha: agora ela sorri.

A partir daí, os depoimentos novamente tornam-se contraditórios. Há quem afirme que a fita só apresentava estática depois dessa cena. Outros afirmam que não, mas não souberam dizer o que acontecia depois. Outros preferiram apenas não dizer nada.

O que é certo é que o episódio teve péssima recepção junto aos executivos da Televisa, e que Carlos Villagrán deixou o programa em seguida. Supostamente, uma cópia do episódio existe no acervo de um colecionador argentino, mas, procurado para este trabalho, ele negou veemente possuí-la, e pediu para não ter o nome divulgado.

Diz-se que Bolaños pretendia desdobrar os acontecimentos desse episódio ao longo daquela temporada do Chaves. Não se sabe exatamente o que ele tinha em mente, mas funcionários da Televisa que tiveram acesso à fragmentos do conteúdo, por meio de anotações que Bolaños fazia em seus cadernos; ou mesmo em conversas com o Chesperito, dizem tratar-se de um material absolutamente sombrio e perturbador, obviamente inadequado para um humorístico infantil.

O conteúdo desses fragmentos, porém, permanece desconhecido.”

43. O Coma de Ash, O Lado Negro de Pokemon 

Pokemon virou febre meses após sua estréia, “colhendo” milhares de fãs ao redor do planeta. Essa é uma das histórias alternativas e obscuras que apareceram na Internet depois do sucesso do anime. Lembra muito a história do Game “the whispered world” (quem já jogou e detonou o game vai saber do que eu estou falando, alias, cá entre nós, eita joguinho com “aspecto inocente” para ser tão obscuro). Veja:

“O acidente com a bicicleta (no primeiro episódio do anime) colocou Ash em coma. Dias mais tarde ele foi encontrado e foi levado as pressas ao hospital e tratado com fortes remédios, o que explica porque a Equipe Rocket tornou-se menos perigosa. Os remédios fizeram efeito e estabilizaram o seu coma, tornando os sonhos, antes assustadores, agora agradáveis, permitindo a ele viver as suas fantasias de mestre Pokémon.

Após os primeiros episódios, a série é o resultado do subconsciente de Ash realizando seus desejos, além de tentar escapar da realidade. Se Ash perceber que está em coma, ele iria acordar, mas sofreria dano cerebral, portanto ele tem de derrubar todas as suas barreiras mentais uma por uma ate que ele possa entender a si mesmo e escapar do coma (já que sua mente não vai deixá-lo escapar ate que ele aceite a si mesmo).

Mais evidencias vem do fato de que apesar das suas jornadas levarem-no a vastas distancias, ele nunca anda de bicicleta por ter desenvolvido uma fobia.

O coma e a fantasia também explicam porque ele não muda muito fisicamente. Também explica o socialismo mundial, pois ele imaginou um sistema de governo seguro que iria operar suavemente e manter o mundo ‘girando’, permitindo que as suas aventuras ocorram do jeito que ocorrem. Também explica como uma criança pode sair sozinha em um mudo cheio de perigosos e selvagens animais, e porque toda cidade tem a mesma policial e todo centro Pokémon tem a mesma enfermeira. Joy e Jenny ele conhecia de sua cidade, e elas agem como uma rede de segurança ou âncora, permitindo a ele se sentir seguro não importa onde ele vá. Joy e Jenny representam estabilidade. Os professores representam os ideais de Ash, e é por isso que Gary vira um professor. A fantasia também explica porque toda vez que ele entra uma nova região, praticamente ninguém ouviu falar dele, apesar de suas conquistas. Como poderia Paul, o rival da região de Sinnoh, não conhecer alguém que ficou pelo menos entre os 16 primeiros nas 3 ligas e aniquilou a Liga Laranja e a Batalha da Fronteira?

Continuando para os personagens próximos a ele, os parceiros de viagem de Ash são os aspectos de si que ele aprecia, mas não gosta de associar a si. Brock é a sexualidade reprimida de Ash. Ash entrou em coma ainda virgem e precisava de uma válvula de escape para suas crescentes frustrações sexuais; como ele nunca experimentou o sexo, Brock nunca deve conseguir também. Mas Brock não é só a projeção da sexualidade de Ash, ele também é uma projeção dos instintos paternais de Ash. Brock deixa seus irmãos para sair em uma jornada com Ash porque Ash não consegue lidar com tanta responsabilidade na sua idade. A permanência de Brock com a professora Ivy foi uma tentativa de suprimir sua sexualidade. Você pode perceber que James teve muito mais diálogos durante essa parte da série, além de ser muito mais sensível e emocional com seus Pokémon e revelando a maioria de seu passado. Ash não gostou muito disso, portanto Brock retorna horrorizado e recusa a falar sobre o assunto (o subconsciente de Ash estava reprimindo ele durante aquele tempo, então ao invés de um sentimento de medo, ele não sabe o que aconteceu). Mais evidencia de que Brock é a sexualidade de Ash é que ele retorna a série sempre que Ash descobre um novo aspecto feminino de si mesmo.

Misty é o primeiro desses aspectos que encontramos. Como ela é a primeira e porque ele é apenas um aspecto de Ash são explicações para o porque de Misty ser tão presente na série mas é, no fim das contas, inalcançável (porque ele praticamente não conhecia ela antes do coma). Como Misty é o seu primeiro interesse amoroso, mesmo que subconscientemente, ele precisava que ela crescesse mais. Ele achava que pessoas só poderiam haver relacionamentos após ficarem adultos. Na pratica, porem, ele descobre que não consegue lidar com isso (por não ter experiência no mundo real) e quer a Misty agressiva e arrogante que ele conheceu, portanto não deixando ela ficar com o Togepi. É notável nessa parte da história um abuso constante para com a sua sexualidade (Brock), e o eventual amansamento até que ela acaba ficando por trás dos panos. Como Ash era muito apegado a ela, isso foi traumatizante e após essa experiência, todos ao seu redor que ameace ficar mais maduro rapidamente acaba saindo e dando lugar a um substituto mais inocente.

Gary Carvalho é o que Ash deseja ser. Gary queria ser o melhor, conseguiu isso, e depois retornou a uma vida normal. Ash precisa que alguém seja bem sucedido em seu mundo ou então ele não poderá validá-lo e ele começará a questionar porque ele está onde está. É uma armadilha do subconsciente para evitar que ele fique ciente de sua situação. Sua mente deve ter concluído que o descobrimento do coma por Ash imediatamente o tiraria dele, causando dano cerebral, então ele pegou algo que Ash já gostava e com ele construiu um caminho seguro que o levaria para fora do coma. Porém, Ash é muito complacente para manter-se de pé e lutar para sair da sua situação, e, portanto, não pode escapar. Por isso ele continua encontrando Pokémons lendários. É a forma que a mente usa para mostrar a ele que ele pode fazer grandes coisas se ele tentar, e é uma forma de encorajá-lo a seguir adiante.

A Equipe Rocket são as qualidades de si mesmo que Ash acha ser negativas mas está vindo a aceitar. Jesse e James querem agradar Giovanni, o pai de Ash, e Jessie engana o submisso James em executar seus planos para conseguir isso. Meowth (Nota: a p***** do gato lá que fala, pra quem não sabe. Vulgo miau) especialmente quer agradar a ele porque ele lembra dos bons tempos com Giovanni. Isso coloca Meowth em uma categoria conhecida como a inocência (corrompida) de Ash. Isso é aparente porque Meowth pode falar. Na verdade, a motivo de Meowth poder falar é para que Ash possa eventualmente aceitar os aspectos da Equipe Rocket como partes de si mesmo.

Ash tem problemas com seu pai, então ele o colocou na liderança da organização do mal e o satanizou. Pode até haver uma Equipe Rocket (no mundo real) mas dificilmente o pai de Ash é o líder deles. Ash provavelmente acredita que a separação entre seus pais foi parcialmente culpa sua, mas também culpa parcialmente seu pai. A separação fez sua mãe sair da cidade e ir para Pallet e é a razão inicial para Ash sair em sua jornada: escapar do caos da sua casa. Mas toda a Equipe Rocket, incluindo Butch e Cassidy, simbolizam sua incapacidade de escapar das armações de seu pai.

James é a homossexualidade implícita (o que necessariamente não torna Ash homossexual) e ingenuidade, e Jesse é a vaidade e manipulação. Como Meowth tem potencial para se curar, e não quer ser do mal, isso novamente encaixa na teoria das personalidades conflitantes e ódio próprio. A Equipe Rocket se traveste (Nota: não no sentido de serem travestis, mas sempre nos planos deles quando eles usam disfarces, James se veste de mulher, e a Jesse se veste de homem) porque Ash está explorando sua sexualidade (uma faceta diferente da que Brock representa) e isso é um método que permite seu lado gay/vaidoso experimentar livremente. Quando ele percebeu que isso (travestismo) não era algo para ele, o seu lado livre parava de experimentar com isso.

Max veio com May. Ele representou o Ego e ela representou o Id com grandes ambições naquela sessão. (Nota: da uma googlada que você entende do que se trata. Só Freud explica, literalmente) Eles trabalharam durante um tempo, mas como Ash é um adolescente, sua sexualidade tinha que retornar. Ele continuou a se reinventar e eventualmente escreveu novos aspectos de si, mas sua mente lentamente trouxe os velhos de volta como um suporte para tornar a transição mais fácil.

Dawn é Ash dando a si mesmo uma chance para amar. Como ele já estabeleceu Misty como alguém que ele não vai a lugar nenhum, ele criou uma nova garota, uma que era mais parecida com ele, e menos violenta. Você pode notar que enquanto May e Misty não toleravam Brock, Dawn parece ignorá-lo.

Tracey, o criador, era um futuro possível para Ash que ele descartou. Esse futuro era um em que ele saia para trabalhar com o professor (a visão de Ash de um pai perfeito) quanto Tracey corrompeu a dinâmica que Ash tinha com suas outras possibilidades. Com a mente de Ash lutando contra o coma e Ash vendo essa pessoa como um companheiro, Tracey foi rapidamente substituído por um rival mais ameaçador.

Pikachu representa a humanidade de Ash, por isso que há os episódios em que eles se separam e Ash quer desesperadamente encontrá-lo, ao ponto de trabalhar junto com a Equipe Rocket (aspectos de si que ele normalmente não se associaria). A Equipe Rocket quer roubar o Pikachu e dá-lo a Giovanni. Jesse e James vão sempre se opor a Ash porque o mero pensar de que sua humanidade está nas mãos de seu pai assusta Ash. Porem, essa é a mesma razão que faz com que ele trabalhe com essas partes de si para evitar que sua humanidade seja perdida. Ash não conseguiu evoluir Pikachu porque isso significaria desafiar o conceito de quem ele era, o que o deixaria inconfortável enquanto ele ainda enfrenta seus problemas iniciais.

O narrador é a manas superior de Ash (Nota: um conceito da teosofia. Google explica), recapitulando e explicando o progresso que ele fez e o que ele vai encarar pela frente, permitindo a si mesmo observações sobre qual a melhor forma de o acordar.

Os métodos da Equipe Rocket gradativamente ficam mais e mais engraçados/absurdos porque Ash é apenas uma criança imaginando essas coisas. Por isso todo mundo acredita nos disfarces da Equipe Rocket. Ele sabe que são eles (pelo menos no subconsciente), mas escolhe ignorar isso para que ele possa melhorar a si mesmo. De certa forma, o Ash que quer escapar está sabotando o Ash que quer ficar perdido em sua mente para que possa haver mais conflito, e possivelmente a eventual fuga. A fuga sendo conseqüência de finalmente aceitar quem ele é, pois, como mencionado anteriormente, a Equipe Rocket é a forma de Ash lidar com aspectos que ele se sente desconfortável de lidar sozinho.

Você pode lembrar que no início da seria existiam animais e referencias a animais. Por exemplo, o peixe no aquário do ginásio de Cerulean, ou que a Pokedex descreve Pikachu como similar a um rato. Esses animais não importam para a psique de Ash e portanto não vem muito a tona. Se Ash adorasse cachorros, tudo seria sobre diferentes raças de cães, e torneios de luta entre cães, mas enquanto a serie prossegue, você vê menos animais e mais Pokémons. Isso pode ser um sinal de que a mente de Ash está se deteriorando. Como ele está em coma, ele está esquecendo de alguns animais e máquinas e os substituindo por Pokémons. Isso pode explicar coisas como Pokémons elétricos funcionando como geradores de energia; esses são sinais de que a sua memória do mundo real está escapando cada vez mais conforme o tempo passa. O reino dos Pokémons será idealizado continuamente já que ele não tem estímulos do mundo real. A mente de Ash pode ou não estar deteriorando, mas ele está ficando cada vez mais acostumado as regras do seu mundo de mentira. Os Pokémons são as racionalizações para o funcionamento de sua fantasia. É a síndrome foi um mago quem fez. Se ele não sabe como que algo funciona, suam mente diz Pokémon.

Os Pokémons na equipe de Ash, porem, servem para mostrar os problemas e aspectos de si. Por exemplo, Charmander representa o seu ímpeto sexual (não sua sexualidade, como Brock). Inicialmente é uma coisa fácil de controlar, mas eventualmente se transforma em um inferno de chamas de desobediência pois Ash não entende sua sexualidade e portanto não tem como aliviar ela ou mantê-la em níveis normais. Bulbasaur (Nota: Bulbassauro) era sua recusa em mudar, refletida em quando ele decide não evoluir e quase ficou para trás ao menos que Ash batalhasse contra ele. Squirtle era sua vontade de seguir os outros, evidenciado pela gangue que ele andava, apesar de ele ser o chefe da gangue, eles eram vistos como um grupo, e o subconsciente de Ash apenas lhe deu o mais forte. Butterfree era sua esmagadora solidão, o que ele conseguiu resolver quando ele soltou o Pokémon para se juntar a um bando. Os seus Pokémons tipo Voador são sua imprudência, sempre disposto a sacrificar algo sem aviso para vencer. Quando Ash está trocando Pokémons, é uma tentativa de empurrar seus próprios problemas para outra pessoa; porem, ele percebe isso e normalmente troca de volta rapidamente.

Não só os Pokémons de Ash são manifestações de diferentes partes de si mesmo, os Pokémons de outros treinadores são também. Koffing e Ekans simbolizavam a vontade da Equipe Rocket de mudar, por isso eles evoluem. Quando a sua mente pode superar essa barreira e permitir a eles mudar uma vez, isso deu a ele a chance de realmente mudar.

Uma nota interessante é que Pupitar é uma racionalização: um Pokémon que um rival pegou antes de encontrar ele. Até Ash acharia estranho se todo mundo que ele encontrasse não tivesse nada dos lugares que essa pessoa visitou antes.

Outros treinadores são formas mais diretas dos seus problemas; são os que ele tem que ou aceitar ou simplesmente suprimir. Lideres de Ginásio são aspectos mais primários de sua personalidade, com cada Pokémon sendo mais forte que o ultimo, para mostrar um nível de habilidade que ele pode ter caso ele se dedique. Na verdade, ele está batalhando com uma parte dele que ele não gostaria de ter sob controle. Originalmente, Ash tinha as batalhas, que evoluíram em batalhas em equipe e concursos. A explicação para isso é que os problemas de Ash ficaram cada vez mais complexos. O fato que ele usa problemas que ele já dominou para vencer são sinais de que ele está ficando mais forte.

Ash solta seus Pokémons porque sua mente está forçando ele a se livrar deles. Assim que ele treina um time extremamente forte, um torneio chega, e após todas as lutas do torneio ele tem que ir a uma nova terra para novos desafios. Mas com um time extremamente forte, não haverão desafios, e não haverão formas de motivá-lo a ir além, então a parte de Ash que quer ficar em coma e continuar a jornada se livra de seus problemas solucionados ara que ele possa continuar e superar os não solucionados. Isso é essencialmente sua mente forçando ele a resolver seus problemas.

Os rivais de Ash e a Elite dos Quatro são a parte mais forte desse ciclo. Possuindo Pokémons praticamente imbatíveis, eles representam o que pode e o que não pode ser obtido. Os rivais de Ash são todos possíveis futuros que ele imagina para si (perceba que todos eles são mais velhos que ele). Isso iniciou com Gary, alguém que Ash conhecia da vida real e acabou virando quase um deus em sua mente, mas Gary progrediu e mudou para acomodar a visão de Ash de si próprio e seu maior desejo, eventualmente virando um professor após vencer a Elite dos Quatro. Com Gary aposentado, sua mente precisava de um novo rival para ele, daí o nascimento de Richie (a boa parte de sua rivalidade) e Paul.

Paul é a ultima tentativa da mente de Ash de tirá-lo do coma, para forçar Ash a entender que esse mundo perfeito não é a melhor opção ou caminho para acordar. Paul é a sombra de Ash, uma pessoa que quer sempre se esforçar cada vez mais, e a parte dele que vai fazer de tudo para escapar desse mundo do coma.

Mewtwo é uma nova forma de tratamento, feita com impulsos elétricos e uma maquina para tentar fazer Ash acordar, derrubando todas as suas barreiras mentais (os Pokémons do primeiro filme). Na mente de Ash, Mewtwo e seus clones eram (no mundo real) o tratamento para os sentinelas mentais que estavam protegendo Ash e mantendo-o em coma: os Pokémon do seu mundo. Os clones eram a oposição aos problemas que Ash achava ter solucionado, portanto cada um apareceu para Ash como a cópia exata da sua defesa. Os clones não jogavam pelas regras do mundo de Ash, eles não usavam nenhum golpe especial dos Pokémon; eles apenas derrotavam suas contrapartes através de força bruta. O tratamento estava funcionando.

Houveram efeitos colaterais. As descargas elétricas começaram a afetar o sistema nervoso de Ash, e se o tratamento continuasse, ele seria paralisado. Sua mente manifestou isso no mundo imaginário quando Ash foi petrificado. Se não fosse pelo fim do tratamento pela mãe de Ash (que sabia que seu filho não queria viver em um mundo que não poderia explorar), Ash poderia continuar petrificado para sempre. Depois disso, Ash precisava se recuperar dos danos causados pela terapia. Para reduzir o perigo que a consciência de Ash sentia disso, seu subconsciente começou a diminuir o efeito da eletricidade em seu mundo, o que explica porque os ataques elétricos de Pikachu, antes destacados pela sua potência pela Equipe Rocket, não tem mais nenhum efeito em Ash, além de ser motivo de piadas.

Como podemos ver, Ash pode muito bem ter ficado aprisionado nesse mundo para sempre. Mas como todo sonho, como tudo, existe um início e um fim. Na sala do hospital, vemos Delia, entristecida, falando com um doutor com uma expressão sinistra no rosto. Ele diz que o plano de saúde acabou, e o garoto não teve mudança na atividade cerebral em sete anos. Diz também que o choque do desligamento das máquinas tem uma pequena chance de fazê-lo acordar. Ela concorda, em lágrimas.

De volta ao mundo de Ash, ele finalmente derrotou a Elite dos Quatro, e um por um, as pessoas ao redor dele começaram a desaparecer. Eventualmente, tudo está preto. Pikachu corre até ele, brilhando cada vez mais na escuridão. Finalmente, ele alcança Ash e os dois se abraçam uma ultima vez.

De volta a sala do hospital, seus sinais vitais diminuindo, Ash murmura suas ultimas palavras.

Eu… quero ser… o melhor…

Ele vai morrer, sem nunca realizar o seu sonho, exceto o fracasso em seus sonhos. Quando ele voltou a realidade, ele percebeu toda a mentira que aquilo era, percebeu que era tudo imaginação. Sabendo que seus esforços, ambições e amigos eram nada, ele desistiu.

Enquanto ele fala sua ultima frase, ele abre um pouco seus olhos e vê a silhueta de sua mãe, seu rosto coberto pelas suas mãos que limpam as lágrimas. Eles olham um nos olhos do outro, e uma ultima descoberta lhe vem a tona antes de ele perder toda sua força.

Ele vê que sua mãe sempre teve a esperança de que ele iria recuperar-se todo esse tempo. Ele a vê e percebe que a esperança dela foi quebrada ao perceber que ele viveu mais que seu único filho. Ele morre sabendo que ele é amado, mas isso significa que a pessoa mais próximo e mais real para ele está completamente arrasada.”

42. A Verdade de Rugrats e o Episódio Perdido

Essa teoria ficou bem conhecida na Internet. Trata-se do real significado do desenho “Rugrats”, da Nick, que em português era intitulado “Os Anjinhos”.

A teoria diz que os bebês Rugrats não existem e eles são produtos da imaginação da Angélica porque a mãe dela a ignora e o relacionamento dela com o pai é superficial e parasita.

Na verdade, Chuckie morreu junto com a mãe dele, por isso Chaz é tão nervoso. Tommy era um natimorto (feto que morreu dentro do útero ou durante o parto), o que levou Stu a sentar no porão para fazer brinquedos para seu filho que nunca teve a chance de viver, e os DeVille tiveram um aborto. Angélica não conseguia decidir se a criança não-nascida seria um menino ou uma menina, então ela simplesmente inventou o mesmo personagem em sua cabeça duas vezes, com diferentes gêneros.

Por isso o nome do desenho no Brasil é Os Anjinhos, pois crianças mortas ‘viram anjos’. Quem assistiu o desenho, segundo os teóricos, poderam lembrar de detalhes que levam à essa conclusão. Na realidade, a Nick, assim como a Disney, tem um senso mórbido desde dos primeiros desenhos produzidos pelo canal. Muita gente condena o canal, pois ele tem classificação livre, contudo apresenta sempre programas de duplo sentido que exploram conteúdo bizarro e adulto. Os produtores da Nick negam tudo, dizem que casos como o do Rugrats e do “Cry, Baby, Cry” são somente interpretações errôneas do telespectadores. Será?

Dizem que existe um episódio perdido de Rugrats, que nunca foi ao ar pela TV pois foi censurado pela emissora. Este episódio contaria a verdade sobre os Rugrats. Uma história perturbadora…. confira:

Chuckie’s Mom

Você se lembra dos Rugrats, aquele desenho infantil da Nickelodeon? Bom, uma coisa que você provavelmente não sabia, é que o criador do show, Gabor Csupo, inicialmente havia planejado uma versão de Rugrats chamado “Rugrascals”, para ser reprisado a noite, com humor muito mais adulto.

ontudo, já que todos os canais principais acharam o piloto (Primeiro episódio) do programa muito perturbador, eles se recusaram a transmitir o show, e como resultado, ninguém nem chegou a ouvir falar sobre isso. No entanto, uma estação em Wellington, Nova Zelândia, se enganou e reprisou o desenho no período da manhã, achando que era apenas um episódio normal de Rugrats. O episódio piloto (E único) do programa se chamava “Chuckie’s Mom (A mãe de Chuckie)”.

A introdução começou normalmente, porem no final, quando Tommy joga o leite na tela, o efeito sonoro era muito mais alto do que o normal, e o leite simplesmente permaneceu lá por cerca de 10 segundos. Então o nome do episódio apareceu no meio da tela. Tudo começou como um episódio normal, com os bebês brincando e conversando no cercadinho. Eles começaram a falar sobre suas mães, quando de repente, Chuckie teve um flashback.

No flashback, Chuckie estava no hospital ao lado de sua mãe na cama, que estava morrendo de uma doença desconhecida. Ela cantava “Você é meu sol, o meu único raio de sol” para Chuckie com uma voz muito fraca, como se ela estivesse prestes a morrer, mas quando ela cantou a segunda estrofe da canção, ela começou a tocar ao contrário. Uma foto de Chuckie apareceu na tela, em frente de uma filmagem ao vivo de uma galinha sendo decapitada, o que de acordo com algumas pessoas, serve para representar a morte. De repente, Chuckie se vira e grita, e quando olha para sua mãe, o rosto dela tinha um boca real de um homem colado nela, dizendo: “Não se preocupe Chucky, é hora de eu seguir em frente”, com uma voz de homem.

Um monte de clipes aleatórios em live action foram mostrados, que representavam a morte, como uma vaca andando em uma caixa com a palavra “abatedouro” cruelmente desenhado ao lado, imagens do motim de Los Angeles, desenhos e outras imagens reais de um homem sofrendo de AIDS, e em seguida, morrendo. Você pode ouvir Chuckie gritando o tempo todo. Uma foto da mãe do Chuckie aparece novamente, desta vez com um bico de galinha colados em sua boca, dizendo: “Você não se lembra onde tudo começou?” O episódio então corta para cenas reais de ultra-sonografias de um parto. Cerca de 1 minuto depois dessas cenas, você ouve mãe do Chuckie dizer “Você não é um garotinho de sorte, Chuckie?”, e então um feto de manequim apareceu.

Neste momento, você vê Chuckie sair do flashback, tendo uma convulsão. Tommy, Phil e Lil estavam chorando, e um médico tentava acalmá-lo, dizendo: “Chuckie? Chuckie? Você pode me ouvir?” com uma voz severa. Eventualmente, depois de tossir e vomitar bastante sangue, Chuckie volta aos seus sentidos. Vemos então o episódio do ponto de vista do Chuckie, vendo Tommy, Phil, Lil e o médico com bicos de galinhas reais em seus rostos, cacarejando. Uma foto de uma criança muito parecido com Chuckie aparece gritando, e a câmera dá um zoom em seu rosto.

Após isso, os créditos normais apareceram, seguidos de 15 minutos de estática, já que o canal não tinha mais nada para passar. Surpreendentemente, embora o episódio tenha sido assistido por muitas crianças, apenas um adulto que estava assistindo (Eu) tem falado sobre isso até agora. Fiquei muito confuso, ao descobrir que as taxas de suicídio de crianças haviam aumentado drasticamente na Nova Zelândia naquele ano.

41. Silent Hill foi baseado em um diário

Seu pior pesadelo pode ter sido real! Sim, acredite, essa é uma das “lendas” que rodam a Internet e que deixa muita gente de cabelo em pé.

A história diz que a Konami, em busca de um game para combater a série Resident Evil, saiu a procura de um bom enredo para concretizar o seu jogo. Centenas de enredos chegaram ao escritório da produtora, porém, nenhum agradou o produtor Keiichiro Toyama, que na sua ansia de derrotar a série da Capcom, iniciou uma saga pesquisando histórias de terror do mundo todo. Terminou por encontrar uma lenda de uma cidade dos EUA, chamada Centralia.

Toyama, instigado, resolveu investigar mais essa sinistra história e enviou representantes da Konami dos EUA visitar as cidades vizinhas à Centralia, com objetivo de desmembrar esses impressionantes e assustadores relatos que ocorreram naquele lugar. A investigação rendeu muitos frutos, entre eles, um diário, comprado pela bagatela de 10 mil doláres de um dos moradores do distrito de Ashland, J. S. Manson, um comerciante que confessou ser de um parente desaparecido, morador de Centralia em 1960. O diário era um caderno de capa-dura de couro, bastante velho e desgastado, com as letras “H. Manson” marcados no canto inferior direito da capa.

O diário, segundo um dos membros da Equipe de Toyama, (que preferiu ficar no anonimato para evitar um possível processo), relatava histórias terríveis e assustadoras que atormentaram toda a equipe de produção do game, até mesmo, os mais incrédulos. Um pouco diferente da protagonizada por Harry no primeiro game, o diário expõe as preocupações de um pai com sua filha menor frente aos acontecimentos sinistro que estavam ocorrendo na cidade. O diário ia de encontro com as lendas locais que a equipe da Konami recolheu junto aos moradores das cidades que rodeiam Centralia.

De acordo com o Anônimo, ex-membro da Konami, o diário tinha mais de 354 páginas datadas. Mais de 132 delas eram apenas “acontecimentos rotineiros” que Manson registrava. O diário é continuação de um outro diário ao qual eles não tiveram acesso. Tudo  muito tranqüilo, até que algo de bizarro começa a acontecer na cidade e então os elementos tão marcantes visto no Game começam a aparecer nas palavras de Manson . O mais assustador, talvez, seja o escurecimento repentino que ocorria na cidade e o que acontecia a seguir. Manson, conta desesperado em uma das páginas que, em certo dia de Agosto de 1960 (17 ou 18 de agosto), a cidade simplesmente ficou completamente as escuras, 11 e 45 da manhã. O Sol sumiu e os moradores não sabiam o que havia ocasionado tal fenômeno. Manson era uma pessoa muito religiosa e temeu o pior. Percebe-se em seu relato que o mesmo pensava que se tratava do “fim dos tempos”. Agarrou sua filha e correu para dentro de casa, permanecendo quase todo dia e noite dentro de um pequeno santuário construído em uma das salas da sua casa. De lá, disse que ouviu gritos o tempo todo e um grande temor pela sua vida e de sua filha. Quando a luz do Sol surgiu novamente, Manson narra que saiu as ruas para verificar o que ocorrera. Enfim, descobriu que muitas pessoas, entre eles vizinhos e parentes simplesmente desapareceram.

As autoridades locais tentaram abafar o caso, apesar da insistência de populares querendo explicações lógicas para o evento. Depois disso, tal fenômeno começou a ocorrer com certa freqüência, sendo que Manson sempre tomava as mesmas medidas: ao inicio do escurecer, resgatava sua filha menor e corria para dentro do pequeno santuário, ficando lá até a luz do Sol brilhar do lado de fora.

Manson fala, dias após o inicio desses eventos, que irá se mudar, que não suporta mais aquilo e que as pessoas estão desesperadas e o número de desaparecidos estava crescendo, enquanto as autoridades lutam para que a história seja restringida ao olhar do público da Pensilvania. Manson suspeita de magia negra, conspira contra o xerife, contra o prefeito e todos que desconfia.

Uma das partes mais assustadoras do diário, a penultima página, é o relato de Manson sobre algo incomum que ocorreu durante a repetição do evento sombrio. Quando começou a escurecer, 21 de Abril de 1961, por volta das 10 e 32 da manhã, Manson faz o mesmo procedimento: corre e pega sua filha que está no quintal de casa nos braços e se esconde no pequeno santuário. Atordoado, Manson diz que rezava quando escutou a voz de um primo, na porta da sua casa, grunhido, parecendo um pedido para abri-la. Seu primo havia desaparecido em um desses macabros acontecimentos meses atrás e Manson fica na dúvida se abre ou não a porta. Resolve então espiar pelo vão da porta do santuário. A sua porta parece receber golpes do “tal primo”, tamanho era o tremor que apresentava. Manson, preocupado imaginando que não é o seu primo que está na porta, decidi sair do Santuário e dar uma espiadinha pela janela da sala. Foi o seu erro! No lado de fora estava o seu primo, no entanto, não da forma como o conhecia. Ele era uma criatura completamente retorcida, parecia estar amarrado com uma espécie de metal que perfurava e atravessava diferentes regiões do seu corpo. Totalmente dilacerado, a figura se debatia e golpeava com o tronco a porta da sua casa. E o pior: não estava só! Na rua, em frente em sua casa,  haviam outras criaturas. Na esquina, corpos empalados queimavam ainda vivos. O cenário apresentado era um “inferno” versão Centralia. Manson ficou tão assustado que desmaiou de imediato. Acordou com sua filha beslicando o seu rosto. Manson escreve a sua ultima página dizendo que está muito doente, que há algo estranho, que não consegue esquecer o que viu e que teme não consiga salvar a sua filha desse fim…. e aparentemente não conseguiu, já que de Manson e sua filha, nada mais se sabe além da ultima página do diário.

Segundo o autor da acusação Anônimo, o diário ainda existe e está sob o poder de Toyama. O autor também fala sobre a supertição de Toyama com o diário que virou uma espécie de amuleto da sorte para o produtor.

O interessante é que não é a primeira vez que vimos isso aqui no Ah Duvido (lembra do Dark Day e da Lenda de Croatoan?).

40. Assassins Creed, ficção?

Outro jogo muito citado nesses fóruns de “lendas” da Internet e é apontado como “real” é o Assassin’s  Creed. Dizem que o game é, na realidade, parte de um plano maior, uma espécie de aviso aos jovens. É uma teoria completamente conspiratória, veja:

Para todo mal, existe o bem. Assim deve ser o equilíbrio e mesmo que, as vezes, parece que o mal prevalece, sempre haverá pessoas com o propósito de lutar pelo bem. Nosso mundo é controlado, embora muitos duvidem, por uma Organização, a qual tem um unico propósito: explorar os humanos. O público acha que essa Organização, essa sociedade secreta, é os chamados “Iluminattis”. Bem, isso não é verdade.  Os Illuminatis são apenas outra peça de uma grande engrenagem que forma a Organização, assim como são os maçons e a Nobreza Negra. Essa Organização controla quase tudo! Os bancos, as emissoras de TV, a política, enfim, tudo que tem poder e influencia sobre o povo seria controlado por eles.Foi desse controle exagerado que a idéia do Game AC surgiu.

Os video games sempre foram visto por todos como uma “mídia de entretenimento voltada para crianças”, algo sem significado real ou influencia. Por isso, não chamaram a atenção da Organização a principio. Mal sabiam eles que mais tarde se tornaria uma das principais fatias do universo do entretenimento. Quando isso ocorreu, era tarde: A Organização não tinha controle sob boa parte desse mercado. Esse fato deu liberdade para criação de inúmeros games que seriam “avisos” para os players. Tal como o jogo de tabuleiro INWO, que optou por um mídia sem controle para divulgar sua mensagem, visto que se tentasse isso em uma emissora de Tv ou qualquer outra mídia controlada não conseguiriam, a sociedade Anti-Organização (quando digo Organização é apenas um nome para se referir ao conjunto de pessoas, melhor dizendo, famílias, que se uniram para controlar o mundo … ninguém sabe qual é o nome da “Organização”) decidiram investir na Industria de Games para disseminar suas mensagens.

Assassin’s Creed seria uma história baseada em fatos ocorridos nas datas estipuladas no jogo. Boa parte do que ocorreu, realmente aconteceu daquela forma. Seria um resumo da História do Controle sob a nossa raça.

Quem jogou a saga sabe que os “artefatos” procurado pelos templários são “tecnologia avançada” e não “objetos mágicos”. Isso fica claro com o final do segundo game, quando Enzio entra na “The Vault”, aonde acreditavam que morava o próprio “deus” e encontra Minerva diz que “eles criaram o humano como sua imagem e semelhança” e que não são “deuses”(todavia não fala nada sobre ser de outro planeta, o que leva à duas hipoteses: A- Sim, de fato eles são extraterrestre que chegaram muito antes de habitarmos o planeta. B – Eles são humanos de um futuro distante que viajaram no tempo para um passado remoto, criando um loop temporal.

Enfim, independente do que eles sejam, Minerva deixa implícito, assim como alguns trechos do game, que criaram os humanos para serem seus escravos. Mas isso não deu muito certo depois que Adão e Eva roubaram a “Maça”, artefato que continha o conhecimento. Eles se rebelaram e fugiram do “Eden”.  Teve inicio à uma guerra de gigantescas proporções! Eles tinham mais tecnologia, armas, poder de fogo…. mas os humanos eram infinitamente mais numerosos. Durante a guerra, o sistema planetário entre em um estágio aonde o Sol entrou em um período de intensas tempestades solares, uma atividade gigantesca e caotica. Eles não perceberam isso e quando ficaram conscientes, tiveram que “fugir” daqui! Porém, nem todos fugiram e nem todos os humanos morreram e o confronto continuou.

Essa história vai de encontro com uma da “teoria da conspiração” muito famosa que diz que o Homem é o resultado de uma experiência genética. Segundo a Teoria, há muito tempo, os seres que se intitularam “Senhores” dessa Terra ( o qual ninguém sabe a origem), presenciaram um colapso de sua civilização quando os minérios necessários para fazer a manutenção e colocar a sua funcionamento sua tecnologia começou a faltar. O recurso mineral era extremamente importante e sem eles, essa civilização avançada    começou uma decadente e tortuosa caminhada ao seu fim. Antes que isso acontecesse, alguém teve a brilhante idéia de resolver o problema adotando “mão de obra” escrava para extração dos minérios, já que a tecnologia dependia do minério para funcionar e usar minério que está em falta para extrair mais minério que está em ACABANDO é uma idéia bastante imbecil. Criaram o homem, uma criatura que era mistura de um primata com o DNA desses seres. Os humanos seriam seus escravos e por um longo período foi assim, até que eles precisaram inserir inteligência nos humanos e esses conscientes e em maior número, se rebelaram contra os seus criadores, tendo inicio a guerra da qual Minerva fala quando fala com Enzio.

Essa história de seres “supremos” usarem humanos como escravos é bem antiga, nem se sabe ao certo quem a criou, sabemos apenas que é anterior a Idade Média e que na época esses seres eram tidos como “deuses”. A Ubisoft quando foi criar a história de Assassins Creed fez uma colcha de retalhos entre relatos antigos dos chamados  Hashishin’s, integrantes da “Ordem dos Assassinos” que realmente existiram no século XI  e o livro Link, o qual o autor John L. Beiswenger, que acusou a Ubisoft de plagiou, sendo que o próprio havia se baseado em uma tecnologia “piloto” de recobrar memória dos antepassados através da “memória hereditária ( que segundo os estudiosos está apenas no papel por se tratar de uma teoria sem embasamento) para escrever sua ficção.

Claro que o game não ficou de idêntico a realidade, no entanto, muito do que está aí foi mesmo parte de nossa História e a questão é saber o que é real e o que não é! Estudando isso que os teóricos da Conspiração chegaram a conclusão que o próprio game é na verdade uma transmissão de informações para uma pessoa ou um grupo de pessoa em específico. Seria como se alguém quisesse te enviar uma mensagem a longa distância mas não sabe quem você é, não pode usar os meios de comunicações convencionais e muito menos, falar abertamente sobre em alguma mídia que atinge as massas, fazendo do game a “maneira perfeita” de transmissão de informação.


39. Number Stations do FallOut 

Fallout virou uma das séries do mundo dos games mais aclamadas dos últimos tempos. No Game você joga com um sobrevivente da nossa raça que vive em um mundo pós-apocalíptico que tem que enfrentar os muitos problemas inerentes de um Mundo Destruído e caotico. Já falamos várias e várias vezes do game aqui no blog. Agora vamos falar sobre a Creepy de Fallout, que diz que o jogo guarda mensagens secretas sobre acontecimentos futuros…. e parece que alguns ele já acertou. E agora, manolo? Só conferindo:

Fallout 3 (Jogo) contém várias estações de rádio dentro do jogo. A estação mais importante é a Galaxy News Radio (N/T:Radio de Notícas Galaxy – GNR). Muitos jogadores “maldosos” sabem que você pode matar o Three-Dog (N/T: O locutor) e ele será substituído pela técnica Margaret. Ela não tem uma personalidade carismática e tem muito pouco a dizer, parecendo que ela não gosta de seu novo trabalho.

Ela também nunca aparece pessoalmente, e portanto não pode ser morta. Assim que Three-Dog estiver morto, você estará preso à Margaret.

O que a maioria dos jogadores não sabe, entretanto, é que sob certas circunstâncias, a GNR pode se transformar em uma “estação de números”. Uma estação de números é uma estação que transmite uma mensagem desconhecida em código. Muitas dessas existem na vida real e há hipóteses de que elas fazem parte de uma rede de controle nuclear. Cheque no Wikipedia para mais informações sobre estas redes, já que elas são relacionadas com o mundo real.

Bom, mas de volta a Fallout 3…
Ninguém tem certeza absoluta das instruções que devem ser seguidas para poder ouvir a estação de números em Fallout 3. Parece que você precisa matar o Three-Dog, porque ninguém conseguiu até agora ouvir a estação de números com ele ainda vivo. Também parece que você precisa pular a missão “Galaxy News Radio”, onde você ajuda a aumentar o sinal para que a estação possa ser ouvida além da área de DC. Isso é fácil de fazer usando um verificador de palavras ou simplesmente usando o FalloutWiki para olhar aonde você deve ir para avançar na história. Finalmente, você definitivamente precisa escolher destruir Raven Rock (N/T: Pedra do Corvo). Este é o gatilho para transformar a GNR em uma estação de números e ela permanecerá assim pelo resto do jogo.

Entretanto, é grande número de jogadores que fez esses três passos e continuou a ouvir a GNR normal, então provavelmente devem ter outros requerimentos que os leitores precisam descobrir.

Se você for sortudo o suficiente e ter conseguido fazer tudo certo, logo após ter destruído a Raven Rock, você receberá a mensagem “Sinal de rádio perdido”, e alguns segundos mais tarde, “Sinal de rádio encontrado”. Você não pode, no entando, ouvir a GNR apenas porque você ainda não aumentou o sinal e a saída de Raven Rock é fora do alcançe da rádio. Por sorte, Raven Rock é situada nas montanhas e perto de um dos poucos lugares fora de DC onde você pode ir alto o suficiente para pegar o sinal. Até agora, os locais confirmados para ouvir a rede de números da GNR são:

1. Dentro das imediações de DC, obviamente. Essa é para a GNR normal durante o jogo.

2. No topo da roda-gigante que fica naquela ilha caipira. Eu não me lembro do nome agora.

3. No topo de algumas antenas de comunicação via satélite, que você pode escalar na área noroeste do mapa.

4. No telhado da Tenpenny Tower (N/T: Torre Tenpenny), apesar de que está dentro da área de sinal da rádio normal.

5. No ponto mais alto da ponte quebrada perto de Arefu. Novamente, esta também funciona com a rádio normal.

6. Em alguns dos pontos mais altos das montanhas na área perto de Raven Rock. Esta é, obviamente, a tantativa mais fácil de ouvir a estação de números.

Quando você sintonizar, você vai ouvir uma velha voz familiar; é o Three-Dog, embora você o tenha matado anteriormente. Você vai perceber rapidamente que ele não parece estar “na personagem”, então eu acredito que na verdade não é exatamente o Three-Dog, e sim seu dublador, Erik Dellums. Ele lê uma série de números em uma voz monótona e depressiva, sempre recitando uma lista de dígitos únicos, de nove a doze caracteres, por exemplo “nove-três-sete-nove-um-sete-dois-zero-três-quatro”. Ele nunca usa números com mais de um dígito, como “onze” ou “quarenta”. Estes números são seguidos por um segmento variante de código Morse. A música “I Don’t Want to Set the World on Fire” (N/T: “Eu Não Quero Colocar Fogo no Mundo”, de The Ink Spots, e é a abertura do primeiro Fallout) toca logo em seguida. Todas as outras músicas parecem estar inativas na estação de números.

O código Morse foi a parte mais fácil de descobrir do mistério, já que o código é fácil de encontrar e muitos sabem de cor. Rapidamente nós conseguimos uma lista com um grande número de mensagens em inglês. Algumas pareciam totalmente mundanas e até mesmo engraçadas, como “Lavei o carro hoje, talvez chinês no jantar”, ou “Você assistiu meu vídeo no Youtube? Eu me filmei chutando as bolas de vagabundos”.

Você deve estar dizendo, “Mas espere, o Youtube não existe no universo de Fallout”, e você está certo. Mas até onde pudemos perceber, todas as mensagens parecem estar baseadas na nossa realidade, em algum lugar próximo dos dias atuais.

Algumas mensagens, porém, são um tanto quanto sinistras, como “A Rainha morreu hoje. O mundo lamenta, em dias como o de hoje, todos nós somos britânicos.”, ou “Eu não acredito que eles conseguiram. Nada mais resta. O som. Eu não aguento mais o som. Eu tenho uma pistola no sótão.”

Só recentemente, um jogador no wikiforums postou uma mensagem que trouxe uma luz ao significado das mensagens. Ele estava lendo um tópico que havia coletado todas as imagens conhecidas, traduzidas do Morse para o inglês, e ele viu a linha “um-dois-zero-cinco-cinco-dois-oito-dois-zero-um-zero. Do que você está falando? Sentiremos sua falta.”. Ele percebeu que era referente a morte recente de Gary Coleman, e ele notou rapidamente que os números eram a data e a hora da morte. (N/T: Gary Coleman, ator, morreu em 28/05/2010 (05/28/2010, em data “americana”), às 12:05am). Ele imediatamente leu todas as mensagens e tentou buscar mais exemplos dessa aparente “profecia” dita por um jogo que tem mais de um ano de idade. A próxima mensagem que ele leu o chocou, e o fez alistar outras pessoas para decifrarem os códigos. A mensagem era “nove-quatro-cinco-quatro-dois-zero-dois-zero-um-zero. Acidente no golfo, muitos mortos. Derramamento de óleo aparentemente evitado.”. Ele percebeu que esta era a explosão da BP (N/T: British Petroleum. O acidente começou em 20/04/2010 e terminou em 15/07/2010) e a avaliação errada do primeiro dia, que dizia que o poço não estava vazando.

A partir daí, todos os números foram transcritos como datas e horários. Todos os horários foram colocados no jogo em formato militar, e assim permanecem neste documento. Nós logo descobrimos que a maioria das datas eram de antes do jogo ter sido lançado, algumas estranhamente eram do passado, “22:16 Abril 18, 1865. Ele está morto e a culpa provavelmente cairá sobre aquele ator, Booth. É melhor que Johnson não me coloque fora do pagamento.”. Esta vertente desperta uma nova dúvida sobre a versão oficial do assassinato de Lincoln.

Assim que a comunidade começou a colocar várias interpretações das mensagens, os moderadores do site imediatamente baniram todos que haviam postado e lido o post. Toda referência à estação de números foi removida do FalloutWiki, e um software de filtragem foi colocado no site para impedir a re-postagem de qualquer outra informação relevante. Algumas pessoas, no entanto, ainda trocam emails hoje e lentamente terminam as traduções das mensagens restantes e colocam as datas nas existentes.

“Nem acredito que pegaram ele, isso vai feder!” 23:32, 2 maio de 2011

“A Rainha morreu hoje. O mundo lamenta, em dias como este, todos nós somos britânicos” 4:02, 19 de Março, 2014.

“Você assistiu meu vídeo no Youtube? Eu me filmei chutando as bolas de vagabundos” 4:16, 24 de Dezembro, 2022.

“Eu não acredito que a Britney ganhou um Oscar!” 21:33, 27 de Fevereiro, 2023.

“Eu não acredito que eles finalmente conseguiram. Nada mais resta. Eles foram avisados, mas continuaram a violar os limites da ciência. O som. Eu não aguento mais o som. E a luz, meu Deus! O Universo está lentamente se torcendo ao nosso redor. Eu não vou esperar pela morte. Eu tenho uma pistola no sótão.” Esta é a única mensagem que não é seguida por números.

Talvez seja interessante destacar que a última data de algumas mensagens é 1:27, 6 de Julho, 2027.

Nos fóruns, várias teorias sobre as mensagens surgiram. Uma das mais interessantes é uma das teorias que dizem que as mensagens foram propositalmente inseridas pela Bethesda para transmitir essa mensagem à uma pessoa em específico, ou um conjunto de pessoas em específico, que teriam como objetivo, alterar os pontos negativos para impedir que o último ponto acontecesse! Outra teoria muito legal fala que Fallout é uma visão de um futuro alternativo, que já aconteceu e que foi impedido por causa de mensagens enviadas ao passado e que por algum motivo estranho, dessa vez, as mensagens tiveram que ser entregues com a visão desse futuro à essa pessoa/grupo que é responsável que o fim alcance a humanidade.

Independente do que realmente signifique essas mensagens e seus propósitos, elas continuam a surgir mais e mais na Internet, de forma mais intensa na DeepWeb por não haver restrições. Algumas são mais sinistras que as originais dos primeiros tópicos dos fóruns que descobriram as mensagens ocultas. Se são verdade, só tempo dirá.

38. O suposto final da Caverna do Dragão – Requiem

Quem nunca? Pois é, se você é da era dos 90, brasileiro e nunca assistiu um episódio sequer do desenho “Caverna do Dragão” ( quase tão repetido quanto Chaves), a pergunta que fica é: Afinal, o que é que você andou fazendo na década de 90? O desenho é muito interessante e tem uma história envolvente. Ele só tem um probleminha…. a série nunca teve um final e isso significa que os coitados nunca voltaram para casa. Bem, ou pelo menos era para ser assim até que a Internet chegou detonando uma bomba, revelando o final da caverna do Dragão. Como sempre, uma história com selo da creepy, confira:

Diz a lenda que a Caverna do Dragão era escrito por um grupo de jogadores de RPG e que depois de cada jogo, eles escreviam sua aventura e a transformavam em roteiro de desenho, para vender para a produtora.

Como todo jogo de RPG tem um final, o desenho também teve. Mas esse final nunca foi ao ar. Você sabe por que? Porque a produtora não comprou o último capítulo da Caverna do Dragão! A produtora negou-se a comprar o final por ele ser, no mínimo, cruel. Dê uma olhada no esboço:

Na última aventura deles, Tiamat conta a verdade e depois eles a comprovam. O dragão conta que nunca mais eles voltarão para a Terra.

Nunca, porque quando eles estavam descendo naquele carrinho da montanha russa, eles não entraram em outra dimensão. O carrinho caiu… e eles morreram. Eles não vão voltar porque eles estão mortos. E lá é o inferno!

Como nenhum deles era bonzinho na vida real, eles foram parar no inferno, depois que morreram na queda do carrinho e o demônio resolveu brincar com eles.

Cruel e sádico, o demônio às vezes aparecia de Vingador e às vezes de Mestre dos Magos! Os dois na verdade eram a mesma pessoa: o Demônio, sádico, jogando e brincando com os novos moradores de seu império!

O Dragão na verdade é um anjo que vai até o inferno com a missão de tentar fazer com que eles descubram a verdade e que, depois de tantas tentativas, acaba por revelá-la.

O demônio tinha um capeta que o auxiliava neste trabalho. Alguém que sempre os impedia de voltar (ou seja, de descobrir que não havia como voltar): a pequena unicórnio Uni. Ela na verdade, era um enviado do demônio que os acompanhava todo tempo para atrapalhá-los e brincar com seus sentimentos.

Nunca mais eles voltarão e viverão para sempre naquele inferno. Essa é a verdade revelada oficialmente pelo Mestre desse jogo de Dungeons e Dragons.

No final dos anos 90, circulou na Internet um rumor de que o último episódio da série teria sido vetado por sua assombrosa revelação: na verdade, as personagens do desenho já estariam mortas desde o primeiro episódio, devido a um terrível acidente no carrinho de montanha russa no qual embarcaram. Os meninos teriam sido mandados ao Inferno, sendo o Mestre dos Magos e o Vingador as duas faces de um mesmo ser demoníaco, capaz de oferecer esperança e temor em um processo de crescente agonia psicológica. O boato ainda afirma que o dócil unicórnio Uni seria um agente espião, eventualmente responsável por impedir os meninos de regressar ao seu mundo.

Conhecido como “Requiem”, o episódio que nunca foi gravado acabou atormentando muita gente. A série, a principio, destinado para crianças e adolescentes demonstrou uma complexidade tremenda e um assustador lado oculto nesse episódio. Tamanho foi o desgosto em lê-lo que a produtora condenou o roteiro de Michael Reaves. A censura culminou na ausência de um fim para série, pois Reaves era dono de parte dos direitos e sem o seu final, a série não teria final algum. Ninguém sabe se isso é bom ou ruim, pois terminou por deixar aberta a possibilidade dos “cavaleiros” saírem bem daquele mundo alternativo. Vai dizer que não seria decepcionante assistir ao final aonde os personagens recebem a notícia que estão mortos e no Inferno?!

37. O Lado Negro de Minecraft – O terrível Herobrine 

Minecraft virou febre no mundo de games! O game é simples mas muito atraente. E nesse universo existe diversos elementos sinistro, todavia, nenhum é mais terrível que encontrar Herobrine. Se você encontrou e a sua versão não era um MOD, então, a única coisa que posso dizer é que FUDEU! Herobrine te escolheu…. quero ver você dormir agora malandro, depois de encontrar o Herobrine no jogo comum, sem os mods. E você vai entender o porquê, lendo a lenda abaixo:

Herobrine. Você já o viu em Minecraft? Talvez não, mas pode ter certeza, se você jogou Minecraft, ele já viu o você! O mais terrível erro do mundo dos games andou assustando muitos players do game que não sabem explicar, primeiro, o que é Herobrine, e segundo, porque ele só aparece para alguns players.

Essa entidade parece vigiar alguns jogares de perto. Seus olhos vazios, observam da escuridão dos blocos de Minecraft. Depois das suas centenas de aparições no MineCraft Alpha, os usuarios do Game começaram a questionar quem era Herobrine. A primeira suspeita veio de uma história sombria que dizia que Notch, o criador do game, tinha um irmão que morreu com o mesmo nome. Notch negou ter tido um irmão e a história caiu em descrença. Foi aí que uma versão mais sinistra sobre Herobrine surgiu. Ele seria um erro! Sim, um erro…. mas não um simples erro, ele era uma espécie de “Neo na Matrix”, uma anomalia inerente do Game do Minecraft, que ganhou consciência. E agora ele quer sair de lá…. e está tentando descobrir como e quem sabe, você veja a saída dele de lá!

Dizem que mesmo os criadores não sabem que é ele. Reza a lenda que quando ele começou a aparecer, os criadores fizeram uma atualização no Game apenas para removê-lo de lá….. e não adiantou. Ele se comportava como um player, parecia um player mas não era um: ele era parte do jogo. A partir daí as suspeitas de que um erro havia criado um ser com inteligência dentro do mundo de Minecraft se espalharam. Falam que é devido o algoritmo usado, o formato da programação diferenciada de Minecraft que o gerou.

No fim, a entidade fez tanto sucesso que Minecraft ganhou um MOD chamado Herobrine. Existe uma variante da lenda que diz que para encontrar Herobrine nas primeiras versões de Minecraft era necessário jogar mais de 200 horas sem morrer e então ele aparecia. E cá entre nós, ele nunca foi muito amigo dos gamers, pode ter certeza que a quando ele surgisse não era para entregar flores.

36. A Cena da Serra do Filme de Bruce Lee

Bruce Lee foi um dos maiores ícones pop da geração passada. Fez dezenas de filmes, maior parte foram sucessos. Dentre esses filmes, o longa “The Big Boss” causou grande polêmica por causa de algumas, entre elas, a cena da Serra. A lenda que se criou em torno dela você confere aqui:

Em 1971, o filme chinês de artes marciais, “The BigBoss (O Dragão Chinês, no Brasil)”, foi lançado e fez com que o famosolutador de artes marciais, Bruce Lee, se tornasse uma estrela internacional.Ele atuaria em mais filmes clássicos, como: “Fist of Fury”, “Wayof the Dragon”, “Enter the Dragon”, e seu projeto inacabado,”Game of Death”. Todos estes filmes foram clássicos sucessosinfluentes. No entanto, “O Dragão Chinês” é mais notável por suascenas deletadas. Desde seu lançamento, o filme foi muito cortado e alterado.Havia cerca de 14 ou mais cenas que foram cortadas da versão final. Algumasdessas cenas foram cortadas devido à produção, limite de tempo ou qualquer outromotivo, e outras cenas foram cortadas devido à violência e à censura. Até osdias de hoje, a versão original sem cortes de “O Dragão Chinês” aindanão foi lançado, e varias pessoas ainda estão à procura da versão sem cortes,especialmente por causa de uma cena infame em particular que foi cortada: acena da “Serra na Cabeça”.

Esta cena ocorre durante uma cena de luta no meio do filme, onde o personagem de Bruce Lee pega uma serra gigante do chão, balança-apor cima de sua cabeça, e crava-a na cabeça de um bandido. As pessoas têm procuradoesta cena em particular, e a única evidência visível são fotos tiradas duranteas filmagens dessa cena e o corte óbvio da cena no filme. Há rumores confirmandoque um jornalista que escreveu um livro sobre Bruce Lee possui a versãooriginal sem cortes do filme. No entanto, ele afirmou que não iria mostrar aopúblico, a menos que receba uma grande recompensa em troca. Mas a verdadeirarazão pela qual ele não quer mostrá-lo a qualquer outra pessoa é por causa doque viu enquanto assistia ao filme e a essa cena em particular.

Em uma entrevista particular, o jornalista afirmou que elepresenciou algo tão assustador e inesperado que quase o assustou até a morte.Isto é o que ele viu: O filme desenrola-se em sua forma original, com a trilhasonora mandarim original e as cenas deletadas deixadas intactas. A qualidade éruim devido à sua idade e as poeiras e partículas que ficaram presas no rolo dafita, mas o filme ainda é visível. Após a cena onde os amigos de Bruce Lee sãoatacados em sua casa, as coisas começam a ficar realmente estranhas… Brucevai para a fábrica de gelo onde trabalha para ver o que está armazenado dentrodos blocos de gelo. Ele entra no quarto escuro com uma lanterna e encontra umpicador de gelo. Depois de esculpir pequenos pedaços de gelo, ele encontrasaquinhos de cocaína e heroína que foram escondidas pelos bandidos. Em seguida,ele caminha lentamente e aponta a lanterna em direção aos outros pedaços de gelo.Ele então encontra os corpos de seus amigos que foram mortos pouco tempo atrás.O último corpo que ele encontra foi cortado do filme na versão final, mas podeser visto nesta versão.

Assim que a tela mostra o último cadáver, a música começa acair em um tom baixo por alguns segundos e a imagem torna-se um poucodistorcida. Em seguida, a cena corta para o grupo de bandidos que confrontam Bruce. A imagem e o som voltam ao normal. Depois da conversa entre Bruce e ofilho do chefe, a cena da luta começa. Depois de alguns minutos de luta, osbandidos andam lentamente em direção a Bruce enquanto ele recua em direção aparede. De repente, Bruce pisa em uma serra e quando tudo para de uma vez, ele apega. Depois de chutar dois caras pra longe, podemos vê-lo balançar a serra porcima de sua cabeça na próxima cena. Mas alguma coisa não está certa… A imagemfica em preto e branco, mas o som continua intacto. E então vemos a imagem semcortes onde Bruce crava a serra na cabeça do cara. A partir deste momento aimagem não é mais em preto e branco, mas em cores negativas. O som aindapermanece intacto. As imagens mostradas parecem que foram grosseiramente juntadas.Então a tela corta para outra cena onde Bruce solta sua serra e o bandido ficatremendo e gritando, enquanto cai no chão com a serra ainda em sua cabeça. Aimagem volta ao preto e branco novamente, e quando o bandido grita, o som é maisalto do que o normal. Então a cena volta pro Bruce, agora dando um Chute Roundhouseno bastão de outro bandido, quebrando o bastão no meio. A imagem e o som voltamao normal, e vemos Bruce chutar a cara em direção a parede. Então o filme párapor aí e nós somos deixados com uma tela branca. Depois de alguns minutos, atela branca ainda está lá, mas podemos ouvir duas vozes estranhas. Parece queeles estão tendo uma conversa em chinês. O mais estranho é que suas conversas estavamlegendadas em pequenas letras brancas na parte inferior da tela (o que eramuito suspeito, já que não havia legendadas em nenhuma outra parte do filme).

As legendas mostradas são essas:

Diretor – “Será que devemos deixar isso no filme?”

Editor – “Não sei, eu não acho que cabe a nós.”

Diretor – “O que você quer dizer? Eu não me importo seeles censurarem isto!”

Editor – “Tudo bem, vamos ver o que podemos fazerdaqui.”

Diretor – “Espere, o que você está fazendo?”

Editor – “Estou tentando colocar essa cena no filme”

(O som e legendas cortam, e uma música começa a tocar por cercade 5 segundos. A música então para de repente e ouvimos as vozes de novo. Destavez, ouvimos uma terceira voz).

Desconhecido – “O que está acontecendo?!”

Diretor – “Eu não sei, ele está ferrando com tudo!”

Editor – “Não, não estou! Alguma coisa está errada comessa máquina!”

Diretor – “Pare, seu idiota!”

Desconhecido – “Calma!”

(Nós ouvimos alguns barulhos de batidas. O barulho começa ase tornar irreconhecível. Em seguida, o som para de novo e ficamos sem som poralguns minutos).

Então a terceira voz desconhecida diz: “Esta parte serácortada da versão final ou não?”. Em seguida, o som volta, mas destavez é um barulho de estática muito alta. O filme volta ao normal, mas desta vezsão somente clipes aleatórios do filme sendo tocados um atrás do outro. O somvolta ao normal por alguns segundos, mas depois ele começa a tocar rápido e aocontrario aleatoriamente. A música tocada no titulo principal pode ser ouvidoem seguida, mas é muito mais alto do que o áudio confuso que fica tocando aofundo. Então de repente, varias imagens distorcidas de cadáveres, ossos eserras enferrujadas começam a piscar rapidamente na tela. A música para e mudapara o grito de um bandido, que soa exatamente com o cara que levou a serra nacabeça. Este som continua a repetir até que o grito vai ficando cada vez maisagudo. Este prolonga-se por mais alguns segundos até que tudo pára de repente,e ficamos com uma tela preta. Depois de dez segundos, o filme volta ao normal.A cena volta na parte onde Bruce pisa na serra no chão e prossegue normalmente,mas as imagens sem cortes da serra na cabeça do cara não estão mais lá. Então ofilme continua normalmente, até finalmente terminar.

Então aparentemente é por isso que o jornalista que afirma ter a versão sem cortes do filme não quer exibi-lo ao público. Ou isso ou elequer ficar com o filme por causa de seu grande valor financeiro, mas obviamenteeste não é o caso aqui.

35. A sinistra música de Lavender Town de Pokemon

Quando “Pokémon” foi lançado no Japão, houve um estranho fenômeno entre crianças de 7 à 12 anos, particularmente naqueles  que usavam fones de ouvido para ouvir os efeitos sonoros do jogo. O aumento de sangramentos nasais, irritabilidade , insônia, dependência ao jogo (assim fazendo-os jogar por horas e horas a fio), além de chorar a ponto de vomitar quando lhe eram retirado o jogo.

Cerca de 70 % desses casos terminou em suicídio.

Em quase todos os casos dos sintomas acima, apesar dos jogadores terem excedido o  tempo do relógio interno, o jogo nunca progredia além de “Lavender Town”.

Uma análise mais aprofundada do jogo revelou um o áudio da música de “Lavender Town ” em sons indetectáveis plenamente desenvolvidos para tímpanos humanos. Dentro de algumas semanas todas as cópias não vendidas da “primeira edição” do jogo foram recolhidos em silêncio e o jogo foi relançado com um áudio totalmente diferente para “Lavender Town”. A música em si não era prejudicial à todos os players, parecia selecionar um tipo em especifico de player. Ninguém entende qual era o “fator” de gatilho, somente que era aquele som oculto que disparava. E fazia mal, muito mal. Se o player não entrava em depressão profunda, terminava por ter hemorragias em algumas zonas cerebrais usadas para interpretação dos sons.

Dizem que na versão atual está faltando três sons extras, bem como o único, tom binaural (Binaural é aquela técnica sonora usada para por o som em diferentes “áreas”, dando impressão que o som vem mais da esquerda, ou direita, etc.) da primeira edição , embora isso não está confirmado devido a raridade de cópias originais que ainda funcionem; no conhecemineto de algumas que ainda restam, o relógio interno e a bateria tenham se esgotado e as funções cessaram, e em muitos casos, o jogo congela no momento que as batalhas começam.

34. Polybius – O fliperama dos infernos

Esse virou um grande sucesso da creepypastas e fez muita gente ficar com medo de jogar aqueles fliperamas velhos. É o lado negro dos Fliperamas. Polybius aparentemente parece inofensivo. Apenas parece…. Ele é uma invenção doentia e você já vai saber o porquê, confira:

Polybius é um arcade que teve seu lançamento limitado a uns poucos fliperamas num subúrbio de Portland em 1981. Há várias estranhas histórias a respeito desse jogo, como crianças sofrendo vários sintomas preocupantes após jogá-lo. O jogo foi revolucionário para a época, sendo muito colorido e colocando o jogador na mão contrária dos jogos convencionais da época. Em vez de você ser uma nave que atirava nas pedras, você jogava as pedras na nave, ou mais menos isso.

A década de 80 é marcada por lendas urbanas e esse jogo ao sumir do mapa em menos de um mês de circulação, ganhou várias histórias, lendas, e especulações sobre o mesmo. Os fatos são contados pelos que jogaram o Polybius e pelos donos das lojas que tiveram a maquina. Segundo os donos, frequentemente apareciam sempre os mesmos “homens de preto” que vinham e recolhiam dados das máquinas periódicamente. Mas em pouco tempo, o Polybius foi recolhido,no tempo que ficou fez sucesso, mas não teve nem tempo de sair dos Estados Unidos.

O jogo do Polybius era muito colorido,todo estilizado em uma tela pscicodélica e ficar piscando muitas vezes seguidas. Além disso, jogadores diziam que mostrava várias mensagens subliminares entre as “piscadas”. Esses efeitos fizeram com que muitas pessoas tivessem ataques de epilepsia (há histórias sobre um garoto ter morrido por um ataque), aminésia, insônia, pesadelos, ataque de pânico, depressão e em alguns casos extremos, suícidio. E ainda sobre os efeitos que o jogo causava, eram opcionais de acordo com o que os homens de preto queriam e “programavam” a máquina.
Os rumores sobre este videogame dão conta de que ele foi supostamente desenvolvido por militares que usaram um algoritmo da CIA que afetava o comportamento das pessoas, mas o que foi divulgado era que uma empresa alemã chamada Sinneslöschen (Em alemão que dizer algo como “inibidor de sensorial”), que pela história só veio a criar propriamente esse jogo.
A Teoria conspiratória diz que a máquina foi feita pelo governo americano na época da guerra fria para controlar as pessoas, com hipnose, controle da mente entre outros métodos. Infelizmente (ou felizmente) ele não chegou por aqui, então até o jogo mesmo não passa de lenda.
Alguns curiosos recriaram o jogo de acordo com os relatos de quem jogou, e há diversos vídeos do youtube sobre o tema.

33. O lado negro de The Sims 3

Segundos os comentários do fórum de onde copiei essa história, a mesma surgiu na sessão “Creepypasta” alguns meses após o lançamento de “The Sims 3”. É sinistra…confira:

Olá, quero contar uma coisa que aconteceu comigo, no dia 29 de junho de 2009.

Eu ganhei uma cópia do jogo The Sims 3, e estava muito animado. Eu era um fã da EA games, e amava todos os jogos anteriores da série The Sims.

Meus pais e eu compramos o jogo de uma loja de penhores chamada “The Daily Gamer”. Lá vendia jogos antigos, jogos recentes, equipamentos, qualquer coisa nessa area. A loja onde eu sempre compro meus jogos infelizmente estava fechada, então compramos o jogo nessa loja de penhores mesmo. A cópia era usada, por isso teve um grande desconto. Compramos o CD, voltamos para casa e eu corri para meu quarto. Estava extremamente animado, mas então notei que o disco estava muito riscado. Felizmente, me lembrei que tinha o meu limpador de discos guardado lá, então, limpei-o. Enquanto colocava o CD em meu computador, notei algo estranho no logotipo do mesmo. Ninguém do grupo de pessoas estava sorrindo; todos olhavam diretamente para mim sem emoção. Ignorando isto, coloquei o jogo no computador, ele abriu e eu estava pronto para joga-lo.

Eu assisti a intro. Nada podia ser ouvido, exceto a música super alegre. Depois que ela terminou, comecei a fazer meu perfil. Fiz somente uma pessoa, e eu fiz meu personagem exatamente como eu queria, mas o estranho era que ele não se mexia de forma alguma. Ele não estava fazendo seus sons como de costume e ele tinha uma expressão muito séria. Fiz com que meu avatar fosse um jovem e dei a ele 5 características principais. Porem notei algo muito estranho, algo que não parecia apropriado para um jogo do The Sims: Uma característica chamada “Canibal”. Mas mesmo assim, eu só escolhi coisas que me agradavam, e então terminei meu avatar. O jogo então me deu a opção de fazer uma casa ou comprar uma casa; comprei uma casa, e comprei toda a mobília.

Meu avatar não ficava feliz, ele só ficava triste ou com raiva; achei que isto estava ficando muito esquisito. Com isso, decidi fazer alguma coisa para meu avatar comer, mas as únicas opções eram os alimentos carnívoros, como a opção “Fazer Lingua de Porco” por exemplo. Eu não pensei em mais nada. Então, consegui um emprego depois de se acostumar com minha nova casa, e apareceram as opções “Açougueiro”, “Teatro” e “Crime”. Açougueiro? Que tipo de jogo era esse? Ele não me deixava escolher as opções “Teatro” e “Crime”, e ele não me deixava mais sair daquela parte. Então, eu simplesmente cliquei em “Açougueiro” e decidi prosseguir com o jogo.

Mas no momento em que isso aconteceu, de repente, um som de um carro batendo veio abruptamente de fora, e era extremamente alto; ele fez com que meus ouvidos apitassem, e eu literalmente quase tive um ataque cardíaco de susto. Acelerei o tempo do jogo, e descobri que o barulho vinha da empresa de meu avatar. Fui correndo pra lá, e ouvi um monte de gritos e gemidos. Para minha surpresa, minha empresa era uma fábrica completamente preta e extremamente grande, e o uniforme de meu personagem ficou manchado de sangue de repente (o que era estranho, já que ele nunca havia mudado de roupa sozinho antes). Tentei trocá-las para uma roupa diferente, mas não ajudou em nada. Então tentei comprar uma outra roupa, mas o jogo só me deixava comprar ganchos de açougue. Eu comprei um, só por curiosidade, e a única opção que aparecia era “Pendurar Corpos”.

Eu estava muito perturbado. Outro problema que aconteceu, é que eu tentei mudar os materiais das coisas, mas o único material disponível era uma “Poça de Sangue”, nenhuma barra de cor, nada. Tentei fazer amizade com as pessoas, mas tudo que eu podia dizer/fazer era “Convidar para Casa”. Eu o fiz por pura curiosidade, e depois que a garota chegou em minha casa, uma cena muito gráfica começou a passar… Nela, meu personagem batia com força na cabeça da garota com uma grande marreta, e arrastava-a para minha cozinha. Meu personagem, em seguida, pendurou-a no Gancho de Carne, rindo, mas não rindo na maneira que os Sims fazem… Ele tinha um sorriso malicioso no rosto, e estava me deixando muito perturado. Eu cliquei no cadáver da garota, e a única opção era “Tirar a roupa”, então eu fiz novamente por curiosidade, apesar de estar prestes a passar mal com a situação. Em seguida, o jogo disse que eu tinha que “devorá-la”. Esta opção não era muito melhor do que a anterior, e ele não me deixava sair desta parta, e assim, acabei clicando nela e me perguntei o que diabos aconteceria em seguida. O jogo começou a travar. Gráficos apareceram nos lugares errados, um zumbido estranho começou a sair de meus alto-falantes e a me assustar pra caralho, mais do que eu já estava. O jogo começou lentamente a ficar coberto de pixels (como aqueles que aparecem quando seu avatar fica nú) e um verso de piano alto distorcido começou a tocar ao contrario. Então, o jogo congelou e finalmente se fechou.

Palavras não podem descrever o medo que eu estava sentindo naquele momento… Eu estava completamente chocado! Que merda havia acontecido? Depois de todo esse pesadelo, tirei meu disco e joguei-o na minha lareira sem mais nem menos. Então veio na cabeça a idéia de processar a loja, e definitivamente era isso que eu faria. Voltei até a loja, porem, tudo o que havia lá… era uma fábrica de carne.

32. O Segredo de Lil Wayne
Lil Wayne é um rapper americano que tem uma bizarra história: em novembro de 1994, ele teria atirado acidentalmente contra o seu próprio peito com uma arma, que segundo seu depoimento a polícia, era de seu padastro, que por sua vez, foi preso por porte ilegal de arma. O azarado padastro, que foi preso, após sair da prisão, foi sequestrado e morto. Wayne sempre esteve metido com estórias sinistras e tal como Jay-Z, se relaciona com o Ocultismo. Essa é uma história da creepy que fala sobre ele, confira:

Independentemente se você ouve hip hop ou não, eu tenho certeza de que a grande maioria de vocês já ouviu falar do rapper Lil Wayne. Sua música é hoje sem dúvidas uma parte da cultura pop, no entanto, no passado, antes de sua popularidade ser tão enorme como é hoje, ele fez uma música chamada I Feel Like Dying. Agora o assunto atual é sobre o suposto vício de drogas de Lil Wayne, no entanto, houve rumores que começaram em torno 2007-2008, dizendo que a tal musica continha uma mensagem oculta se tocada ao contrario. Como uma das muitas pessoas que a ouviram, tenho que dizer que fiquei muito assustado depois de ouvi-lo. Algumas pessoas tomaram a liberdade de criarem letras para a música invertida e, como esperado, as letras variam de vídeo para vídeo. No entanto, o conteúdo é sempre o mesmo: violência, assassinato e algo demoníaco.

Como uma pessoa curiosa, decidi fazer alguma pesquisa sobre o assunto, mas não encontrei muito. Quando a Wikipédia tinha um artigo sobre a música, eles brevemente disseram que Lil Wayne nunca havia comentado sobre os tal rumores. Ao procurar em fontes mais obscuras (tenho conexões com algumas pessoas na indústria da música), descobri que uma vez, durante uma entrevista, Lil Wayne fora questionado sobre os rumores da música. Ele simplesmente ignorou a pergunta, e quando o entrevistador insistiu, Lil Wayne apenas se levantou e saiu da sala, terminando a entrevista prematuramente.
Outro relato diz que quando um fã cruzou com ele na rua e perguntou sobre o rumor, ele começar a xingar e gritar com ele. Quando o fã continuou insistindo, Lil Wayne o agrediu e lhe disse para nunca mencionar a música novamente. Houve vários relatos de coisas como esta acontecendo, no entanto, uma das histórias envolvia uma mulher realmente sendo assassinada por colegas do rapper, Drake e Gudda Gudda, ao questionar sobre isso. Usando as mesmas conexões da indústria de musica que tenho, consegui arranjar alguns bilhetes para os bastidores de um show que estava tendo, no entanto, o show não iria acontecer até cinco meses depois, então tive que colocar minha pesquisa por respostas em a pausa até então.
Quando o dia do show finalmente chegou, eu me sentei ao lado de alguns fãs fanáticos, que não paravam de gritar. Como a maioria das pessoas, eu sempre me perguntei como ele havia se tornado tão popular, apesar de suas habilidades de rap não serem das melhores. Mas eu não estava a questionar como um homem havia conseguido subir na vida, então eu simplesmente me sentei e aproveitei o show. O concerto em si foi inacreditavelmente sensacional. Havia tanta energia que era como um céu para os músicos. Após o show ter terminado, algumas horas depois, fui até os bastidores para conhecer Lil Wayne pessoalmente. Apesar de suas letras profanas, ele parecia ser um cara muito doce e gente fina. Quando fui apresentado a ele pelos guarda-costas, ele estava sentado lendo uma Bíblia. Ele se levantou, me cumprimentou e me apresentou para o resto do grupo Young Money.
Drake apertou minha mão, e então saiu da sala. Nicki Minaj me deu um abraço, e eu não vou mentir, queria que aquele abraço tivesse durado para sempre. Depois de apertar o resto das mãos do grupo e conversar brevemente com Tyga, me sentei para conversar com Lil Wayne. Nós discutimos sobre religião e nossa fé (pra quem não sabe, Lil Wayne é um cristão praticante), as histórias de fundo por trás de suas músicas (a canção “Lollipop”, era na verdade um desafio feito por um dos produtores da canção, Jim Jonsin, que era criar uma musica sobre boquetes e fazer com que fosse um sucesso de lançamento), e basicamente nossas vidas.
Fiquei impressionado com o quão inteligente esse homem era; ele teve uma vida difícil crescendo na área “Hollygrove” de Nova Orleans, e disse que foi uma grande bênção ter uma carreira tão bem sucedida quanto a dele. Então decidi, depois de cerca de 30 minutos de conversa, puxar o assunto da musica I Feel Like Dying.
Quando puxei isso, seu rosto passou de uma expressão feliz e alegre para uma expressão séria e pálida, como se algo tivesse o apavorado. Enquanto conversávamos sobre a música, ele me disse que estava em um momento muito difícil em sua vida quando escreveu a canção, e que achava que sem drogas iria morrer, e então tentou mudar de assunto. Quando perguntei sobre os rumores de uma mensagem oculta na música, ele ficou visivelmente furioso e negou que houvesse uma mensagem escondida.
Quando eu lhe disse que havia fontes dizendo outras coisas, ele já estava a ponto de lacrimejar, e me disse para dar o fora de lá. Enquanto o segurança me acompanhava, consegui pegar um vislumbre dele segurando sua Bíblia e recitando versos da mesma varias vezes. O homem obviamente ficara apavorado com isso, e isso só me deixara ainda mais curioso: por que este homem simplesmente surtou e me chutou pra fora de lá, do nada? Eu sabia que havia uma razão, e me propus a descobri-la.
Depois de algum tempo, consegui me comunicar com Cool e Dre. Pra quem não sabe, eles são produtores de hip hop que produziram muitas das músicas de Lil Wayne, e também são velhos amigos de meus pais. Conversei com eles durante um bom tempo, e mencionei a suposta mensagem subliminar em I Feel Like Dying; Dre simplesmente saiu do quarto, e Cool apenas ficou lá com uma expressão congelada em seu rosto.
Quando perguntei mais uma vez, ele sussurrou para mim: “Não posso explicar aqui, eles vão nos ouvir, siga-me.” Quando perguntei quem eram “eles”, ele só me disse para segui-lo até seu carro, e agora mais curioso do que nunca, eu o fiz. Quando chegamos lá, ele me disse para nunca mencionar o que ele ia me dizer para ninguém, e então ligou o carro e começou a dirigir. Após quinze minutos de viagem e Cool ficar em silêncio, chegamos a uma grande igreja.
A igreja já estava aberta, e eu podia ver uma multidão de pessoas reunidas lá dentro. Segui Cool para dentro da igreja e ele disse: “Tudo bem, eles não podem nos ouvir aqui.” Quando perguntei quem, ele respondeu: “Os produtores reais da canção.” Aparentemente, pouco antes de popularidade de Lil Wayne explodir, ele fez um pacto com um demônio chamado Murmur, que em troca de sua alma, de sua permissão para que o demônio o possuísse por um curto período de tempo, e do recrutamento de mais pessoas, ele faria com que ele fosse um dos rappers mais populares do mundo inteiro, e que sua vida se prosperasse.
Lil Wayne concordou, e começou a procurar por novos talentos para recrutar. Ele disse que Murmur foi o verdadeiro escritor da canção, e que vários de seus discípulos eram os produtores. Quando Lil Wayne gravou a canção, na verdade, não era ele: era Murmur possuindo-o, com o único propósito de fazer com que a musica se tornasse realidade. Lil Wayne não tem nenhuma lembrança da gravação da canção, e depois de alguns anos, encontrou novos recrutas. Quem são eles? Nós os conhecemos como Young Money.
Todos os rappers do grupo Young Money fizeram o mesmo pacto, e o acordo Lil Wayne estava completa. Murmur manteve sua parte do negócio e ajudou para que a carreira de Wayne e do grupo Young Money se tornasse bem sucedido. No entanto, Lil Wayne agora se arrepende do acordo, porque ele agora teme pela sua alma, e por isso participa regularmente da igreja, reza fanaticamente, e lê sua Bíblia a cada chance que tem, esperando que isso seja suficiente para Deus perdoá-lo e retirar o negócio.
Cool também contou sobre uma vez em que foi a uma sessão de estúdio quando a música estava sendo gravado. Ele disse que Murmur parecia um soldado, usando um uniforme que lembrava a Legião Estrangeira Francesa. A cor do uniforme, porém, era uma mistura de vermelho, preto e laranja, como as cores de fogo e enxofre. Seu rosto parecia estranhamente humano, não tudo aquilo que você esperaria de um demônio, exceto pelos seus olhos; suas pupilas eram dilatadas e muito negras.
Ao lado dele estava um animal estranho, que se parecia com um abutre gigante. Ele disse que o animal ficou o encarando constantemente, e que isso o deixou extremamente desconfortável. Murmur conversou brevemente com Lil Wayne, e em seguida, colocou sua mão sobre o ombro dele. Nisso, Wayne subitamente caiu para trás e começou a engasgar e a vomitar violentamente. Quando terminou, ele se levantou, caminhou lentamente para a cabine de gravação, e começou a gravar a música normalmente.
Ele olhou para trás e viu dois homens de óculos escuros e sobretudos mixando as músicas e brincando com os instrumentais. Um deles olhou para Cool, encarou-o durante alguns segundos, e em seguida disse em uma voz baixa para sair da sala.
Então Cool me disse: “Agora você sabe de tudo. Nunca diga a ninguém que você ouviu isso de mim, pois todos os envolvidos no processo de criação da canção não podem revelar suas verdadeiras origens. É por isso que Lil Wayne fica tão agressivo quando perguntado sobre isso; eles arrastaram todos nós direto para o inferno, se souberem que dissemos alguma coisa. Você já parou pra escutar Lil Wayne ou os outros artistas do Young Money? Suas letras não são boas. Na verdade, elas são uma porcaria. É por causa do pacto que eles são tão bem-sucedidos assim; as forças do inferno se certificam de que as pessoas de mente fraca ouçam suas musicas, se apaixonem por elas incompreensivelmente, e que peçam por mais. Agora me diga seu endereço, vou levá-lo pra casa”. Depois de me dar uma carona até em casa, eu o vi dirigir para longe, extremamente rápido e descuidado.
Eu continuei repetindo tudo isso em minha mente, não podia acreditar que aquilo era verdade. Mas pensando bem, acho que isso é muito comum. Existem artistas musicais que realmente não tem muito talento, mas que hoje são muito famosos. Embora fosse idiotice pensar que eles fizeram o mesmo pacto que Lil Wayne, não faz mal manter uma mente aberta. Da próxima vez que ouvir teorias da conspiração sobre artistas populares que venderam suas almas ao diabo, mantenha sua mente aberta, porque com algumas pesquisas, você pode se surpreender com o que encontrar.
31. Lado Negro de Scooby-DOO

Scooby-DOO é um dos desenhos mais clássicos da Hanna-Barbera, datado de 1969 e grande sucesso com a gerações dessa época e posteriores. Essa história de creepy relata um depoimento de uma pessoa que, certo dia, quando estava assistindo Scooby, presenciou um estranho evento. Confira:

Ok, eu não falo sobre isso já faz um longo tempo. Isso aconteceu comigo quando eu tinha dez ou onze anos.

Meu pai tinha comprado para nós uma fita VHS do Scooby-Doo, de um episódio que eu não consigo me lembrar totalmente. Tudo que eu me lembro que era sobre uma menina fantasma que estava assombrando toda a cidade. Nossos pais não saem muito, pois o meu irmão sofre de asma e eles eram muito protetores dele por causa disso, porem em uma noite, eles tinham uma coisa muito importante para fazer, e então decidiram chamar uma babá para poderem sair.

Eu me lembro de ter ficado chateado e de dizendo que eu já era velho o suficiente para cuidar do meu irmão, mas eles não me ouviram. Deixaram-nos com a vizinha, uma menina sardenta chamada Amanda ou algo parecido. Antes de sair, meu pai nos deu a fita, o que nos deixou muito animados, assim com também ficados quando papai nos deixou usar o Videocassete. Depois que eles saíram, todos nós notamos que a fita era meio estranha; a arte da capa de alguma forma parecia ter sido feita à mão. Scooby parecia REALMENTE apavorado e a menina fantasma era realmente muito assustadora. Eu me lembro da Amanda ter chamado o meu pai de esquisito por ter comprado uma coisa dessas para nós, mas eu presumo que ele simplesmente tenha pegado a primeira fita que viu.

Também me lembro que a Amanda não queria assistir a fita, mas depois que eu e meu irmão insistimos por quase uma hora, nós finalmente nos sentamos em frente à TV para assistir o programa. O episódio em si era meio chato; quase não havia piadas e não era tão assustador assim, mas eu me lembro de ter ficado surpreso porque o fantasma da capa não se parecia nada com o do vídeo. Eu realmente não lembro o enredo do episódio, mas eu acho que era o mesmo sempre, e Amanda ficava repetindo a frase “programa idiota” a cada cinco minutos.

Perto do final, quando eles capturaram o fantasma e estavam prestes a desmascará-la, algo muito estranho aconteceu. Todos os personagens da gangue do Scooby-Doo pararam de falar e olharam para a câmera com um olhar muito triste e sério em seus rostos. Eles olharam para nós em silêncio por muito tempo; até mesmo a música de fundo tinha parado. A única pessoa que não olhava para nós era a menina fantasma, mas de repente ela levantou a cabeça e olhou para a câmera, com seus horríveis olhos bem abertos. Os créditos finais apareceram abruptamente depois disso. Todos nós ficamos olhando para a TV sem dizer uma única palavra, até que a fita finalmente parou. Nós estávamos chocados.

Então o meu irmão olhou para nós e disse “Merda… Eu não posso acreditar que o Salsicha morreu. Isso é tão doentio”. Nós dois olhamos para ele, confusos, e Amanda perguntou do que ele estava falando. Ele insistiu que era muito estúpido matar um personagem e depois trazê-lo de volta à vida no próximo episódio, como se nada tivesse acontecido. Ela ficou nervosa e disse que o Salsicha não tinha morrido, mas sim que a menina fantasma desapareceu logo depois que eles capturaram ela, e o episódio terminou com a turma toda morrendo de medo. Nada fazia sentido, eu não conseguia entender absolutamente nada. Quando lhes disse o que eu vi, Amanda se apavorou. Ela disse umas dez vezes que aquilo não era engraçado, e em seguida foi embora de nossa casa, muito nervosa e, me presumo, morrendo de medo assim como nós.

Depois de discutir por pelo menos meia hora, decidimos colocar a fita e assisti-la novamente. Nós acendemos todas as luzes e voltamos a assistir. Só que o mais estranho é que, quando chegamos à parte quando eles capturam a menina, o episódio termina de repente. Nada acontece. Eles capturam a menina e não há desmascaramento, nem morte e nem olhares para a câmera. Ela só termina ali. Paramos a fita e corremos para o quarto. Meu irmão teve um grave ataque de asma, e eu fiquei ao lado da cama dele, chorando e rezando para que ele não morresse. Eventualmente, nós adormecemos. Na manhã seguinte, meu irmão começou a agir como se nada tivesse acontecido. Depois de insistir por cerca de dois dias, ele me disse que nunca mais queria falar sobre isso novamente, e foi isso.

Caramba, eu acho que nunca contei e nem comentei isso pra ninguém antes. É bom finalmente compartilhar essa história.

30. O lado negro de Zelda

Para encerrar essa parte, nada mais justo do que colocar um dos depoimentos mais clássicos da creepypasta: O lado negro do Majora’s Mask. É só lendo para conferir sua “sinistrez”. Veja:

Olá, meu nome é Matt, mas podem me chamar de Jadusable (Meu nickname). Eu me mudei recentemente para o meu dormitório do colégio, começando como um aluno de 2º grau, e um amigo meu me deu o seu velho Nintendo 64 para que eu jogasse. Eu estava impressionado em saber que eu finalmente poderia jogar todos os jogos antigos da minha infância, que eu não tocava em pelo menos uma década. O seu Nintendo 64 veio com um controle amarelo e uma cópia de má qualidade do Super Smash Brothers, e como querer não é poder, não preciso dizer que não demorou muito até eu ficar cansando de ficar ganhando dos CPUS.

Naquele final de semana eu decidi dar uma volta por algumas vizinhanças durante uns 20 minutos, parando em todas as vendas de garagens, esperando conseguir alguns jogos por um preço bom de pais ignorantes. Eu acabei comprando uma cópia de Pokemon Stadium, Goldeneye (Isso ai, porra), F-Zero, e outros dois controles por 2 dolares. Satisfeito, eu comecei a ir embora da vizinhança, quando uma ultima casa me chamou a atenção. Ainda não faço idéia por que, mais algo meio que me arrastou até lá. Normalmente eu tenho auto confiança sobre essas coisas, então sai do carro e fui saudado por um homem velho. Sua aparência era, por falta de uma palavra melhor, desagradável. Isso era estranho, pois se você me perguntasse porque ela era desagradável, eu realmente não conseguiria apontar nada – Somente tinha alguma coisa nele que me deixava perturbado, não consigo explicar. Tudo que eu posso te dizer, é que se não fosse no meio da tarde e tivessem pessoas por perto, eu nem pensaria em me aproximar desse homem.

Ele deu um breve sorriso para mim e perguntou o que eu procurava, e imediatamente eu notei que ele era cego em um dos seus olhos; Seu olho direito tinha uma aparência meio que “vidrada”. Eu fui então forçado a olhar no seu olho esquerdo, tentando não ser ofensivo, e perguntei se ele tinha alguns jogos de vídeo game antigos.

Eu já estava pensando em como me desculpar sobre toda a situação quando ele me dissesse que não fazia idéia do que era um vídeo game, mas para a minha surpresa, ele disse que tinha alguns em uma caixa velha. Ele me disse que voltaria “rapidinho” e se virou para entrar na garagem. Enquanto ele ia para lá, não pude deixar de notar o que ele vendia em sua mesa. O que estavam lá eram, literalmente… Pinturas peculiares; Varias pinturas que pareciam com bolhas de tinta que um psiquiatra te mostraria. Curiosamente, eu os verifiquei – era obvio porque ninguém visitava a venda de garagem desse homem, os quadros não eram esteticamente agradáveis. Quando eu cheguei no ultimo, por algum motivo ele parecia quase igual a Majora’s Mask – A mesma mascara em forma de coração com pequenos espinhos apontando pra fora. Inicialmente eu achei que era só porque eu esperava achar esse jogo nessas vendas de garagem, mas em conta aos eventos que aconteceriam a seguir, não tenho mais tanta certeza assim. Eu deveria ter perguntado ao homem sobre isso. Eu queria ter perguntando ao homem sobre isso.

Depois de tanto olhar naquela mancha de tinta com formato da Majora’s Mask, eu olhei para trás e o homem repentinamente estava lá, parado, sorrindo pra mim. Eu admito que até pulei com o susto, e nervosamente ri quando ele me deu um cartucho de Nintendo 64. Era um cartucho regular inteiramente cinza, exceto que alguém tinha escrito “Majora” atras dele com tinta permanente. Meu estomago até gelou com toda essa coincidência e eu o perguntei quanto ele queria pelo cartucho.

O velho sorriu para mim e disse que eu poderia te-lo de graça, que ele pertencia a um garoto que era mais ou menos da minha idade e que não morava mais lá. Tinha algo suspeito quando o homem disse isso, mas eu realmente não prestei muita atenção, pois estava muito animado em não só por achar aquele jogo, mas também por pega-lo de graça.

No inicio eu não fiquei muito esperançoso com isso, já que aquele cartucho era bem velho, e não tinha garantia de que ele funcionaria, mas então o meu lado otimista me dizia que talvez aquela poderia ser uma versão beta ou pirateada do jogo que eu queria tanto jogar, para trazer aquela sensação de nostalgia de volta. Eu finalmente agradeci o homem, e ele sorriu pra mim e me desejou tudo de bom, dizendo “Adeus então! (Goodbye then!)” – pelo menos foi isso que soou pra mim. No caminho voltando pra casa eu ficava desconfiado, pensando se ele tinha dito alguma outra coisa. Os meus medos se confirmaram quando eu coloquei o jogo (Que para a minha surpresa, funcionou sem problemas) e lá tinha um Save File nomeado simplesmente de “BEN”. “Adeus Ben (Goodbye Ben), ele tinha dito “Adeus Bem”. Eu me senti mal pelo homem, obviamente um avô e obviamente ficando senil, e eu – por alguma razão – o lembrei de seu neto “Ben”.

Só por curiosidade eu verifiquei o Save File. Só de primeira vista, dava pra ver que ele já estava bem longe no jogo – ele tinha quase todas as mascaras e ¾ dos chefes derrotados. Eu também notei que ele usou uma estatua de coruja para salvar seu jogo, estava no Dia 3 e no Stone Tower Temple com pouco mais de 1 hora antes da lua cair. Eu pensei que realmente era uma pena ele ter chegado tão perto de zerar o jogo, mas que nunca pode terminá-lo. Criei um novo Save File com o nome “Link” como sempre e comecei o jogo, pronto para reviver a minha infância.

Para um cartucho tão simples como esse, me surpreendi em como o jogo rodou tão bem – literalmente igualzinho a uma cópia original do jogo, tirando alguns pequenos problemas aqui e ali (Como texturas aonde não pertenciam, flashes estranhos de filmes do jogo em certos intervalos, mas nada tão ruim assim). Porem, a única coisa que era um pouco perturbadora era que as vezes os NPS’s (Non-Playabe-Characters) me chamavam de “Link” e outras vezes, me chamavam de “Ben”. Achei que era só um bug – algum problema no cartucho que fazia com que nossos Save Files se misturassem ou algo assim. Isso meio que me assustou depois de um tempo, até que, pouco depois que passei da Woodfall Temple, eu fui até os meus Save Files e deletei “BEN” (Eu inicialmente pretendia preservar o Save File, em respeito ao dono original do jogo, mas eu não precisava de 2 arquivos mesmo), esperando que isso resolvesse o problema. Resolveu e não resolveu, pois depois disso os NPS’s não me chamavam de nada. Tinha somente um espaço vazio aonde o meu nome deveria estar (Meu Save File ainda estava com o nome “Link”). Frustrado, e com muita lição de casa pra fazer, eu deixei o jogo de lado por um dia.

Eu comecei a jogar o jogo novamente na noite passada, pegando os Lens of Truth e tentando completar o Snowhead Temple. Agora, alguns dos jogadores mais hardcores do Majora’s Mask sabem do “Glitch do 4 Dia” – para aqueles que não sabem, podem procura-lo no Google, mas a idéia é a seguinte: bem na hora que o relógio for bater em 00:00:00 no ultimo dia, fale com o astrônomo e olhe pelo telescópio. Se fizer isso corretamente, o relógio some e você tem mais um dia inteiro para terminar tudo que você estava fazendo. Decidido a fazer o glitch para tentar zerar o Snowhead Temple, eu consegui faze-lo corretamente na minha primeira tentativa, e o relógio desapareceu da tela.

Porem, quando eu apertei B para sair do telescópio, ao invés de ser saudado pelo astrônomo, eu me encontrei na sala do chefe Majora no final do jogo (A pequena arena encaixotada), encarando o Skull Kid flutuando logo acima de mim. Não tinha som, somente ele flutuando acima de mim e a musica de fundo, que era a normal da fase (Mas ainda assim assustadora). Imediatamente as minhas mãos começaram a suar – Isso definitivamente não era normal. Skull Kid NUNCA aparecera ali. Eu tentei andar pela área, mas não importava aonde eu ia, Skull Kid sempre ficava olhando para mim, me encarando, sem dizer absolutamente nada. Nada acontecia alem disso, e isso continuara por mais ou menos 1 minuto. Achei que o jogo tinha bugado – mas já estava começando a duvidar muito disso.

Eu ja estava indo apertar o botão Reset do vídeo-game, quando o texto apareceu na minha tela: “You’re not sure why, but you apparently had a reservation… (Você não tem certeza porque, mas aparentemente tem uma reserva…)” Eu instantaneamente reconheci aquele texto – você recebe essa mensagem quando ganha a Room Key do Anju no Stock Pot Inn, mas porque ela apareceu aqui? Eu me recusei na mesma hora a acreditar que o jogo estava querendo se comunicar comigo. Comecei a navegar pela área novamente, procurando para ver se foi algum tipo de botão ou alguma coisa assim que me permitira de interagir com alguma coisa ali, até que eu percebi como eu estava sendo idiota – só de pensar que alguém poderia reprogramar um jogo desse jeito já era absurdo. Até que, 15 segundos depois, uma outra mensagem apareceu na tela, e novamente como a primeira mensagem, ela já existia no jogo: “Go to the lair of the temple’s boss? Yes/No (Ir para o covil do chefe do tempo? Sim/Não)”. Eu parei por um segundo, pensando o que deveria escolher e como o jogo reagiria com isso, quando eu percebi que não poderia escolher “No”. Respirando fundo, apertei “Yes” e a tela mudou para um branco total, com as palavras “Dawn of a New Day (O amanhecer de um Novo Dia)” com o subtítulo “||||||||” abaixo delas. O lugar para onde eu fui transportado me encheu com a sensação mais intensa de temor e medo que eu já senti na minha vida.

O unico jeito de descrever o que eu senti ali, é tendo um sentimento inexplicável de depressão em uma escala muito profunda. Eu não sou uma pessoa depressiva, mas o que eu senti ali foi uma sensação que eu nunca imaginei que existia – foi uma presença muito retorcida e poderosa que parecia me encher com essa depressão.

Eu apareci em algum tipo de versão Twilight-Zone da Clock Town. Andei para fora da Clock Tower (Como você normalmente faz quando começa o Dia 1), somente para descobrir que todos os habitantes tinham sumido. Normalmente com o “Glitch do Dia 4” você ainda pode achar guardas e o cachorro que fica correndo em volta da torre – agora todos eles tinham sumido. O que os substituíram foi a sensação de que tinha algo lá fora, na mesma área que eu, e que estava me observando. Eu tinha somente 4 corações e a Hero’s Bow, mas nesse ponto eu nem considerava mais o meu avatar, eu sentia que eu mesmo estava em algum tipo de perigo. Talvez a coisa mais aterrorizante era a musica – era a Song of Healing, extraída diretamente do jogo, mas tocada ao contrario. A musica ficava cada vez mais alta, te preparando cada vez mais, fazendo você achar que algo irá pular na sua frente a qualquer momento, porem nada aconteceu, e o loop constante começou a mexer com o meu estado mental.

Em alguns momentos eu ouvia a risada do Happy Mask Salesman no fundo, quieto o bastante para que eu ficasse imaginando se estava realmente ouvindo coisas, mas alto o suficiente para me deixar determinado a achá-lo. Eu procurei nas quatro zones da Clock Town, somente para não achar nada… Ninguem. Texturas estavam faltando. Estava literalmente andando no ar em West Clock Town, toda a área parecia… Partida. Partida sem esperanças. Enquanto a Song of Healing ao contrario se repetia por provavelmente a 50º vez, eu me lembro de ficar no meio da South Clock Town, pensando e notando que eu nunca me senti tão sozinho assim em um vídeo game antes.

Enquanto eu andava pela cidade fantasma, eu não sei se foi a combinação das texturas estranhas, da atmosfera do lugar e da melodia tenebrosa que um dia fora uma musica tão pacifica e calmante, e que se tornara uma melodia distorcida e perturbante, mas eu estava literalmente à beira das lagrimas, e não tinha idéia por que. Eu dificilmente choro, mas alguma estranha e poderosa sensação de depressão me deixava desse jeito.

Eu tentei sair da Clock Town, porem toda vez que eu tentava sair, a tela ficava toda preta e eu simplesmente reaparecia em outra area da Clock Town. Eu tentei tocar a minha Ocarina, só queria fugir, e definitivamente NÃO queria mais ficar naquele lugar, mas toda vez que eu tocava a Song of Time ou a Song of Soaring, um texto dizia “Your notes echo far, but nothing happens (Suas notas ecoam longe, porem nada acontece)”. Nesse ponto, era obvio que o jogo não queria que eu saísse, mas eu não tinha idéia porque ele estava me deixando preso lá. Eu não queria entrar nos prédios, eu achava que eu seria muito vulnerável para o que me aguardava lá dentro. Não sei por que, mas me veio a idéia de que se eu me afogasse no Laundry Pool, eu poderia reaparecer em algum outra área e deixar esse lugar.

Enquanto eu corria em direção ao lago, aconteceu.. O Link segurou sua cabeça, e a tela deu um flash por um momento do Happy Mask Salesman sorrindo para mim – não para o Link – para mim, junto com o grito do Skull Kid no fundo e, quando a tela voltou ao normal, eu estava encarando a estatua do Link (Aquela que aparece quando você toca a musica Elegy of Emptiness). Eu gritei, enquanto aquela coisa me encarava com aquela expressão vazia e aterrorizante. Eu me virei e corri de volta para a South Clock Town, e para o meu horror, a porra da estatua ficava me seguindo, como uma sombra horripilante que criara vida. As vezes, em certos intervalos, uma animação da estatua aparecendo atrás de mim acontecia. Era como se aquela merda estivesse me seguindo, ou – eu nem quero pensar nisso – me assombrando.

Nesse ponto eu já estava à beira da histeria, mas em nenhum momento a idéia de desligar o meu console passou pela minha cabeça. Eu não sei por que, eu estava tão ligado a isso – o terror era tão real. Tentei mexer na estatua, porem essa merda literalmente reaparecia atrás de mim toda vez. Link começou a fazer algumas animações estranhas que eu nunca tinha visto ele fazer, como retorcer os braços aleatoriamente ou dar espasmos randomicamente por exemplo, e logo em seguida a tela dava um flash do Happy Mask Salesman sorrindo para mim por um momento, antes de eu ficar cara a cara com aquela porra de estatua novamente. Eu acabei correndo para o fundo do Swordmaster’s Dojo, não sei por que, mas no pânico e desespero que eu estava, eu só queria uma garantia de que não estava sozinho ali. Para o meu espanto, não achei ninguém lá, porem enquanto em me virava para ir embora, a estatua me encurralou em um canto da área. Eu tentei atacá-la com a minha espada, mas infelizmente sem sucesso. Confuso, e encurralado em um canto, eu simplesmente fiquei parado olhando para a estatua esperando ela me matar. De repente, a tela deu um flash do Happy Mask Salesman novamente, e do nada, Link se virou para olhar a mim, ao lado da estatua, ficando quase idêntico a ela. Os dois literalmente me encarando.O que sobrara da 4 parede foi completamente quebrado, e eu me via corriendo para fora do Dojo, completamente assustado e aterrorizado. De repente, o jogo me transportou para um túnel subterrâneo, e a musica Song of Healing revertida novamente voltou a tocar. Eu tive um pequeno tempo de “descanso” até a estatua voltar a aparecer atrás de mim… Desta vez agressivamente – Eu podia dar apenas alguns passos até ela aparecer novamente. Rapidamente, eu corri para fora do túnel e fui parar na Southern Clock Town. Enquanto eu corria sem rumo – completamente em pânico – de repente um Redead gritou, e a tela ficou completamente preta, até a o titulo “Dawn of a New Day” e o subtexto “|||||||||” aparecer novamente.

A tela voltou a aparecer, e eu me encontrava no topo da Clock Tower com o Skull Kid flutuando acima de mim novamente, totalmente silencioso. Eu olhei a lua novamente, apenas alguns metros acima de mim, porem o Skull Kid ficava me encarando com uma expressão aterrorizante, e com aquela porra de mascara Em uma tentativa meio desesperada, eu equipei o meu arco e flecha e atirei uma vez no Skull Kid – e eu o acertei (aquela animação dele levando dano aconteceu). Atirei mais duas vezes e, logo depois da 3 flecha, uma caixa de texto apareceu, dizendo “That won’t do you any good. Hee, hee (Isso não vai te fazer nada de bom. Hee, hee)” e de repente, eu fui levantado no ar, levitando pelas minhas costas, e ai o Link gritou, enquanto ele queimava completamente em chamas, instantaneamente o matando.

Eu tomei um puta susto quando isso aconteceu – eu nunca tinha visto esse ataque ser usado por NINGUEM no jogo, e Skull Kid NÃO tinha esses poderes. Enquanto a minha cena de morte acontecia, com o meu corpo sem vida ainda queimando, o Skull Kid riu no fundo e a tela mudou para um preto total, apenas para me fazer reaparecer no mesmo lugar. Eu decidi atacá-lo de outro jeito, mas a mesma coisa aconteceu: O corpo do Link foi levantado do chão por uma força desconhecida e ele imediatamente queimou em chamas novamente, matando-o. Desta vez na minha cena de morte, alguns sons da Song of Healing revertida puderam ser ouvidos. Em minha terceira (e ultima) tentativa, eu notei que não tinha musica tocando dessa vez, somente um silencio suspeito. Então eu finalmente me lembrei que no seu encontro original com o Skull Kid, você deveria usar a Ocarina para, ou viajar de volta no tempo, ou convocar os gigantes. Eu usei a Ocarina e tentei tocar a Song of Time, porem antes que eu pudesse acertar a ultima nota, o corpo de Link novamente explodiu horrivelmente em chamas e ele morreu.

Quando a cena de morte estava chegando ao fim, o video game começou a fazer barulho, como se o cartucho quisesse processar varias coisas de uma só vez ou algo assim… Quando a tela voltou a aparecer, era a mesma cena das 3 primeiras vezes, exceto que desta vez, Link estava morto no chão em uma posição que eu nunca tinha visto antes nesse jogo. Sua cabeça estava virada em direção a câmera, com o Skull Kid flutuando logo acime dele. Eu não conseguia me mover, não conseguia apertar nenhum botão. Tudo que eu podia fazer era olhar para o cadáver de Link. Depois de mais ou menos 30 segundos, o jogo simplesmente muda para uma tela preta, com a mensagem “You’ve met with a terrible fate, haven’t you? (Você se encontrou com um destino terrível, não foi?)” antes de te mandar de volta para a tela de titulo.

Ao voltar a tela de titulo e começar tudo de novo, eu notei que o meu Save File não estava mais lá. Ao invés de “Link”, ele foi trocado por um outro Save File chamado “YOUR TURN (Sua vez)”. “YOUR TURN” tinha 3 corações, 0 mascaras, e não tinha nenhum item. Eu selecionei “YOUR TURN” e imediatamente quando o fiz, eu voltei para a cena do topo da Clock Tower, com o Link morto e o Skull Kid flutuando acima de mim, com sua risada se repetindo novamente. Eu rapidamente apertei o botão “Reset” do vídeo game, e quando o jogo carregou mais uma vez, tinha mais um Save File adicionado, abaixo do “YOUR TURN”, intitulado “BEN”. O Save File de “BEN” estava bem no lugar que ele estava antes que eu apaguei-o, também no Stone Tower Temple com a lua quase caindo.

Eu desliguei o jogo nesse ponto. Não sou supersticioso nem nada, mais isso era MUITO fudido, até pra mim. Eu não joguei esse jogo hoje, caramba, nem consegui dormir direito na noite passada. Eu ficava ouvindo a Song of Healing revertida na minha cabeça e me lembrando da minha sensação de desespero enquanto explorava Clock Town. Eu dirigi hoje de volta até a casa daquele velho para fazer algumas perguntas a ele, junto com um amigo meu (Nem fudendo eu iria voltar pra lá sozinho), apenas para achar uma placa de “VENDE-SE” em frente ao jardim, e quando eu apertei a campainha, ninguém estava em casa.

E agora eu estou aqui novamente, escrevendo o resto dos meus pensamentos e do que aconteceu. Me desculpe se tiverem alguns erros gramaticais, é que eu não estou dormindo direito nesses dias. Estou aterrorizado por este jogo, ainda mais agora que eu estou escrevendo isso e passando por todo o horror uma segunda vez. Porem eu ainda acho que há mais coisas por trás disso tudo, e eu sinto que tem algo me chamando para investigar ainda mais. Eu acho que “BEN” está por trás disso tudo, mas ainda não sei por que, e se eu apenas pudesse conversar com aquele misterioso velho, talvez eu pudesse achar algumas respostas. Preciso de mais 1 dia para me recuperar antes de voltar a jogar o jogo novamente. Ele já tirou uma boa parte da minha sanidade, eu sinto isso, mas da próxima vez que eu jogá-lo, estarei gravando tudo o que se passa. A idéia de gravar aquilo só me veio perto do final, então você vera os últimos minutos do que eu vi (Incluindo Skull Kid e a estatua). O vídeo já esta no Youtube, logo abaixo:

Eu vou postar o que aconteceu e colocar o link do vídeo, mas na noite passada tudo foi muito real pra mim. Acho melhor eu parar de ficar mexendo com isso. Eu desmaiei quase imediatamente após fazer aquele segmento. Porem na noite passada, eu tive um sonho com aquela estatua. Eu sonhei que ela estava me seguindo pelo sonho todo. Eu estava lá numa boa, quando eu sentia os pelos do meu pescoço se arrepiarem. Eu virava e me deparava com aquela coisa… Aquela horrível estatua sem vida ficava me encarando com aqueles seus olhos vazios, diretamente pra mim, somente a alguns centímetros de distancia. No meu sonho, eu me lembro de chamá-la de Ben, e eu nunca tive um sonho assim, em que eu pude sonhá-lo tão vividamente. Mais pelo menos eu consegui dormir um pouco, eu acho.

Hoje, logo após desligar o jogo depois de jogá-lo o mais longe que consegui, eu dirigi de volta até aquela vizinhança para ver se o homem já tinha voltado. Como eu já esperava, o carro ainda estava desaparecido e ninguém estava lá. Enquanto eu caminhava de volta para o meu carro, o homem que estava na casa ao lado cortando a grama desligou o cortador e me se eu estava procurando alguém. Eu disse para ele que estava procurando o homem velho que morava lá, e ele me respondeu o que eu já sabia – ele estava de mudança. Tentando obter mais alguma informação, perguntei se o homem tinha alguma família ou parentes com quem eu poderia conversar. Descobri que este homem nunca foi casado, e nem tinha filhos ou netos por adoção. Começando a ficar preocupado, eu fiz uma ultima pergunta, uma que eu já deveria ter perguntado desde o começo – quem era Ben? A expressão do homem se fechou completamente e então ele me disse que, a quatro casas em direção ao norte, mais ou menos 8 anos atrás no dia 23 de Abril – ele também me disse que sabia da data especifica porque aquela data também era o dia de seu aniversario – aconteceu um terrível acidente na vizinhança com um garoto chamado Ben, pouco depois que seus pais se mudaram para lá. Apesar de tentar obter mais informações sobre o caso, o homem não divulgou mais nada alem disso.

Eu voltei para casa e comecei a jogar novamente. Liguei o jogo e imediatamente tomei um puta susto na tela de titulo, quando a mascara aparece – o barulho que o jogo fez não foi aquele “whoosh” normal de sempre, mas algo com uma freqüência muito mais alta. Eu apertei Start, já me preparando para o pior, mas assim como à 2 noites atrás, os Save Files “Your Turn” e “BEN” foram mostrados.Eu abrir o File de “BEN”, hesitando por um momento quando notei que as estatísticas de jogo não eram as mesmas das de 2 dias atrás. Parecia que ele já tinha zerado a Stone Tower Temple desta vez… Juntando toda a minha coragem, eu o selecionei.

Imediatamente eu fui transportado para o meio do caos completo. Eu já estava do lado de fora da Stone Tower Temple, porem foi isso mesmo que eu já esperava. A zona não era chamada exatamente de Stone Tower Temple, e sim de “St o n e”, e imediatamente quando apareci, uma caixa de dialogo com um monte de palavras sem nexo que eu não entendia, apareceu. O corpo do Link estava distorcido – suas costas estavam violentamente quebradas para o lado de seu corpo. Sua expressão era vazia, quase monótona, era uma expressão que eu nunca tinha visto antes. Era um olhar completamente vazio – como se ele estivesse morto. Enquanto ele ficava lá parado, seu corpo se mexendo irregularmente, eu notei que eu também tinha um item do botão C, que eu nunca tinha visto antes, um tipo de nota, porem apertando o botão, nada acontecia. Vários sons tocavam aleatoriamente, sons que eu não reconhecia do jogo – quase demoníacos de natureza, e também havia um som de muita alta freqüência tocando no fundo, um tipo de risada ou algo assim. Eu tive pouco mais de 2 minutos para explorar o ambiente, antes daquela porra de estatua do voltar a aparecer pra cima de mim, e imediatamente depois disso, o cenário mudou para aquela tela branca com o titulo “Dawn of a New Day”, exceto que desta vez, não tinha aquele subtexto “||||||” logo abaixo.

Eu era um Deku Scrub na Clock Town – esta próxima cena normalmente acontecia na primeira vez que você chega lá. Tatl diria “Wh-What Just happened? It’s as if everything has… (O-O que aconteceu? É como se tudo tivesse…)” mas ao inves de normalmente terminar a frase dizendo “Started over (Recomeçado)”, ela terminou por ai, com o texto incompleto, enquanto a risada do Happy Mask Salesman se repetia no fundo. Eu fui trazido de volta ao controle do meu personagem, porem de um ângulo de câmera todo fudido – Eu estava olhando por detrás da porta da Clock Tower, observando o meu personagem correr em volta como um Deku Scrub. Vendo como eu realmente não podia ir à lugar nenhum porque não conseguia ver merda nenhuma, eu entrei, contra o meu próprio gosto, na porta. Lá dentro, eu fui saudado pelo Happy Mask Salesman, que simplesmente me disse “You’ve met with a terrible fate, haven’t you?”, antes da tela ficar toda branca.

Eu reapareci em Termina, como um humano novamente. Eu poderia muito bem não estar jogando mais o mesmo jogo – eu estava sendo tele transportado por todos os lados e não tinha mais sinal de um relógio, nem botões, nem nada. O HUD tinha sumido completamente. Parei por um momento para recuperar o meu fôlego enquanto olhava em volta no campo, e imediatamente eu percebi que aquilo não era normal. Não tinha nenhum inimigo por perto, e uma versão macabra do tema do Happy Mask Salesman estava tocando no fundo. Decidi correr em direção à Woodfall, quando notei 3 figuras misteriosas lá pro fundo – uma delas sendo a Epona. Enquanto em me aproximava delas, para o meu horror, me deparei com o Happy Mask Salesman, o Skull Kid e a estatua, só parados ali. Primeiramente eu achei que eles só estivessem bugados, mas agora eu acho que deveria ter pensado melhor naquela hora. De qualquer maneira, eu me aproximei deles cuidadosamente e notei que o Skull Kid estava tendo uma animação meio que em loop, e o mesmo com a Epona. A estatua estava lá fazendo o que sempre fez desde o começo – somente parada lá com um olhar horripilante. Foi o Happy Mask Salesman que me assustou profundamente, bem mais do que os outros 2.

Ele também estava horripilante, com aquele sorriso de merda na no meio da cara, mas onde quer que eu me movia, sua cabeça lentamente virava e me seguia. Eu não tinha tido nenhum dialogo e nem entrado em combate com ele, porem mesmo assim sua cabeça lentamente seguia todos os meus movimentos. Lembrando do meu primeiro encontro com Skull Kid no topo da Clock Tower, eu equipei a minha Ocarina e tentei tocar uma musica que eu ainda não tinha tocado – o próprio tema do Happy Mask Salesman e a mesma musica que estava tocando em um intenso loop, de volta no Dia 4 – a Song of Healing.

Eu terminei de tocar a musica e quando o fiz, um barulho de estourar os tímpanos saiu de minha TV, e então o céu começou a dar vários flashes muito rápidos, enquanto a musica macabra do Happy Mask Salesman acelerava cada vez mais, intensificando o medo dentro de mim. Então Link explodiu em chamas e morreu. As 2 figuras ficaram “destacadas” durante a minha cena de morte, enquanto elas observavam o meu cadáver se queimar. Eu não consigo descrever aqui como foi súbita a transição do medo para o terror. Você terá que ver o vídeo mesmo se quiser realmente saber o medo que eu senti. Foi o mesmo medo que me deixou com aquela insônia à 2 dias atrás, e ele estava começando a se proliferar novamente, enquanto eu era saudado pelo texto “You’ve met with a terrible fate, haven’t you?” pela terceira vez. Tinha alguma coisa suspeita por trás daquele texto.

Eu tive pouco tempo para refletir sobre o que havia acontecido, já que imediatamente aparecia outra pequena cut-scene do Link se transformando em um Zora, e então eu reapareci em Great Bay Temple. Hesitante, mas curioso para ver o que o jogo reservava para mim, eu lentamente fui em direção à praia, onde encontrei Epona. Eu me perguntava por que diabos o jogo tinha colocá-la ali. Será que o jogo estava tentando me dizer que ela estava querendo beber alguma coisa? Incapaz de tirar a máscara, eu decidi que montar o cavalo não fora o a razão pela qual ela foi colocada lá.

De repente eu percebi que a Epona ficava relinchando, e a maneira e o ângulo como ela fora colocada fez parecer como se ela estava apontando alguma coisa em direção ao mar. Foi só um palpite, mas mesmo assim, eu mergulhei em Great Bay e comecei a nadar. De repente, eu encontrei alguma coisa no fundo do oceano que eu quase não vi de primeira; uma ultima estatua. Desci para examiná-la e de repente, meu Zora começou a fazer uma animação de asfixia eu nunca havia visto um Zora fazer antes – o que nem sequer faz sentido, já que o Zora pode respirar sem problemas embaixo da água. Independentemente disso, meu personagem foi se afogando até morrer, e novamente a estátua era a única coisa que se destacava em minha tela de morte. Eu não reapareci desta vez; ao invés disso, eu fui levado de volta para o menu principal, como se eu tivesse reiniciado o console.

A tela de “Press Start” apareceu, e eu já sabia que a única razão que o jogo me colocara ali era porque os arquivos haviam mudado novamente. Respirando fundo, eu apertei Start, e aparentemente eu estava certo. Os novos arquivos me falaram um pouco mais sobre Ben. Agora fazia sentido o porque da estátua ter aparecido quando eu tentei ir para Laundry Pool – o jogo deve ter antecipado como eu teria tentado escapar do Dia 4 da Clock Town. Os dois arquivos salvos me disseram sobre o seu destino. Como eu suspeitava, Ben estava morto. Ele havia se afogado, já que o nome do outro arquivo era DROWNED. O jogo, obviamente, não estava satisfeito comigo – ele me provocava com os novos arquivos salvos, ele quer que eu continue jogando, ele quer que eu vá ainda mais longe, mas eu já estou cheio dessa merda. Eu não vou mais tocar nestes arquivos. Isto é horrível demais para mim e eu nem sequer acredito no paranormal, mas agora eu estou ficando sem explicações. Por que alguém me enviaria esta mensagem? Eu não entendo, mas fico muito deprimido pensando nisso. A gravação está aqui em cima para aqueles que quiserem vê-la e tentar analisá-la (talvez haja algum tipo de mensagem codificada naquelas vozes sem significado ou algo simbólico no meio de tudo isso – No momento eu estou muito esgotado emocional e mentalmente para mexer ainda mais com essas merdas).

Eu sei que ainda é muito cedo; fiquei acordado a noite toda, não consigo dormir, e eu não me importo sobre as pessoas verem isso, pois eu só quero a palavra espalhar a palavra, para não sofrer a toa. Perdi toda a minha vontade para escrever sobre isso. Quanto menos eu me debruçar sobre isso, melhor. Eu acho que o vídeo fala por si só. Eu fiz o que vocês me disseram para fazer: toquei a musica Elegy of Emptiness no primeiro pedido do jogo, mas eu acho que isso é apenas o que o jogo ou o Ben (Jesus Cristo, eu não posso acreditar que eu estou mesmo pensando na idéia absurda de que ele existe dentro do jogo) queria que eu fizesse. Ele está me seguindo agora, não apenas no jogo. Ele está nos meus sonhos. Eu o vejo o tempo todo, nas minhas costas, apenas me observando. Eu não tenho ido para nenhuma das minhas aulas. Fiquei no meu quarto com as janelas e as cortinas fechadas – desta maneira, pelo menos, eu sei que ele não pode me observar. Mas ele ainda me acha quando eu jogo. Quando jogo, ele ainda pode me ver. O jogo está me assustando agora. Ele conversou comigo pela primeira vez – e não apenas usando os textos que já estão no jogo – ele falou comigo. Falou comigo. Ele referenciou o Ben. Eu não sei o que significa. Eu não sei o que quer. Nunca quis isso, só quero minha vida de volta.

Coisas como estas não acontecem com pessoas como eu. Eu sou apenas uma criança, nem mesmo tenho idade suficiente para beber ainda. Não é justo, eu quero ir para casa, quero ver meus pais de novo, eu estou tão longe de casa aqui neste colégio… Só quero abraçar minha mãe outra vez. Só quero esquecer o rosto horrível e sem vida daquela estátua. Meu arquivo antigo do jogo estava de volta – do jeito que eu havia deixado-o antes dele ter sido deletado. Eu não quero mais jogar. Sinto que algo ruim vai acontecer se eu parar, mas isso é impossível! É apenas um jogo – assombrado ou não, não pode me machucar, não é? Sério mesmo, ele NÃO pode, não é? Isso é o que eu continuo dizendo a mim mesmo, mas cada vez que eu penso sobre isso, eu não tenho tanta certeza assim.

____________________________________________________________________________

Primeiramente, deixe-me apenas esclarecer as coisas – eu sei que vocês estão preocupados, mas “Jadusable” está bem. Ele acabou de se mudar hoje e disse que vai voltar para casa, e que ia dar um tempo durante este semestre. Eu não sei realmente o que aconteceu, tenho apenas uma vaga idéia, mas vocês provavelmente sabem mais do que eu. Sou o colega de quarto do “Jadusable” e, obviamente, eu sabia que havia algo errado com ele nesses últimos dias. Ele ficava trancado em seu quarto o tempo todo, literalmente perdeu o contato com todos os seus amigos, e eu tenho certeza que ele não havia comido quase nada. Após o segundo dia eu não conseguia ficar mais lá, então fiquei morando na casa de um amigo durante um tempo, vindo ao meu quarto somente para pegar as coisas que eu realmente precisava. Eu tentei falar com ele várias vezes, mas ou ele cortava minhas perguntas, ou mantinha a conversa breve quando perguntava a ele sobre seu comportamento estranho, como se estivesse convencido de que algo estivesse perseguindo-o. Ontem, quando fui até lá para pegar o meu livro de filosofia, ele se aproximou de mim, com uma aparência realmente horrível e cansada, e me entregou um Pen Drive e me deu instruções específicas. Ele disse que precisava de mim para fazer um último favor para ele – e então finalmente me explicou o que vinha acontecendo, me deu sua senha e suas informações de sua conta do Youtube, e então me deu instruções sobre como enviar os vídeos, especificamente para que vocês todos possam vê-los. Aparentemente, ele disse que vocês estiveram ajudando-o durante todo o tempo e que mereciam ver o final de tudo.

Ele me disse que estava indo embora daqui, que eles o atraíram para jogá-lo novamente ao invés de tentar mudar as coisas, e que ele não deveria ter feito aquilo, e pediu que eu colocasse seus videos no Youtube e informasse para as pessoas o que havia acontecido o mais rápido possível. Eu disse que ele poderia fazer isso sozinho, e então ele me olhou um olhar muito selvagem e macabro, e me disse que NUNCA MAIS iria olhar para aquele jogo novamente, e essa foi a última coisa que me disse… Ele nem ao menos disse adeus quando seus pais vieram buscá-lo. Eu estava esperando que pelo menos tivesse a chance de conhecer seus pais quando eles o vieram buscá-lo, mas eles entraram e saíram tão rápido que eu nem tive a chance de vê-los.
Eu honestamente não posso dizer o que aconteceu, porque quando ele me falou, estava meio difícil de entendê-lo, sem contar que a sua aparência completamente fudida me distraiu. No seu Pen Drive, havia a filmagem do jogo na noite passada, um documento de texto com seu nome e senha para sua conta do Youtube, e um terceiro documento chamado TheTruth.txt, contendo o que ele me disse que eram “suas notas”, que ele tinha feito durante todos esses dias. Ele também me disse que se eu seguisse exatamente suas instruções, isso significaria tudo para ele. Normalmente, eu não seria tão “especifico” assim para algum pedido envolvendo a porra de um simples jogo de vídeo game, mas a maneira como ele disse aquilo e o jeito como ele olhou, me fizeram sentir que aquilo era realmente muito sério.

Eu estava com este vídeo desde ontem, mas tive que pedir ajuda à alguém para usar o Pinnacle, pois isso não é realmente o meu forte. Depois de assisti-lo, eu olhei todos os outros vídeos anteriores na sua conta Youtube para descobrir o que diabos estava acontecendo, e mesmo assim, eu realmente ainda estou muito confuso. O vídeo que eu estou postando hoje à noite, TheTruth.txt, será lançado em 15 de setembro, assim como ele havia me pedido. Realmente não sei por que ele quer esperar que suas notas sejam publicadas, mas depois do que ele passou, vou honrar esse pedido. Eu nem ao menos ousei dar uma olhada no vídeo ainda, então a primeira vez que eu o verei, será a primeira vez que vocês vão vê-lo tambem, em respeito ao meu amigo. Para responder às suas perguntas, não, eu ainda não tentei ligar para ele. Acho que vou dar-lhe uma ligada amanhã para ver se ele está bem. Ele já deve estar em casa, nessa hora.

Sobre o vídeo: Neste vídeo eu cortei direto para a parte em que ele carrega o arquivo “BEN” no jogo. Dando mais uma olhada, percebi que Jadusable havia deixado a tela de seleção de arquivos salvos, porque às vezes apareciam nomes diferentes, então me desculpem por isso, mas tudo o que tinha lá anteriormente era a mesma coisa do final do seu último vídeo (Link e BEN), nada de diferente. Eu não estava lá quando ele jogou-o, mas me parecia que no início ele estava simplesmente testando seus equipamentos e vendo os itens que tinha, ou algo assim, porque aparentemente eles mudaram aleatoriamente antes. Ele realmente queria que vocês vissem isso. Depois disso tudo, porem, acho que o jogo ficara muito pessoal para ele.

____________________________________________________________________________

Ei, pessoal! “Jadusable” aqui. Esta será a última vez que vocês saberão de mim, e este é meu último presente para você – estas são as notas que tomei e as realizações que eu fiz. Antes de me aprofundar a isso, quero te agradecer principalmente por ter me seguido e me ouvido durante tudo que tem acontecido; parece que o peso de uma carga poderosa está prestes a ser levantada. Pelo tempo que você ler isso, eu não estarei mais por perto, mas depois de passar quatro dias com este jogo totalmente enlouquecedor, comecei a entender o que está realmente em jogo aqui, e espero que depois de ler isto, possamos assegurar que isso nunca aconteça novamente.

Teve coisas que eu não pude compartilhar com vocês enquanto tudo isso acontecia, devido às circunstâncias em que irei explicar a seguir. Com o Ben bloqueando qualquer tentativa que fiz para tentar transmitir a verdade para vocês, eu tentei, de verdade, avisá-los de várias maneiras. Em meio ao caos e ao meu delírio, criei um padrão quase não perceptível em meus vídeos. Em todos os cinco vídeos que gravei durante os quatro dias, eu tenho ou a “Mask of Truth”, interagida com uma Gossip Stone, ou a “Lens of Truth” equipada em algum ponto. Para os fãs mais hardcores de Zelda, estes são todos os símbolos de honestidade e confiança, e eu espero que algum de vocês possa ter entendido a mensagem. Enquanto jogava o arquivo que eu nomeara de “BEN”, lembrando de como Ben estava observando a cada movimento meu naquele jogo, fiz o possível para evitar fazer qualquer coisa demasiado óbvia, mas ainda assim, consegui mandei uma mensagem escondida para vocês – eu nunca equipei o Lens, nem a máscara. Isso funcionou, e finalmente consegui carregar os vídeos com sucesso. Rezei para que alguém notasse o padrão não se aplicava ao BEN.

As tags também seguiram o mesmo exemplo, e eu espero que vocês tenham prestado atenção a esses também. Eles eram minhas pequenas mensagens para vocês – pequenas o suficiente para que nada chamasse a atenção de Ben ou que o fizesse suspeitar de qualquer coisa – e com Ben manipulando e alterando todos os meus arquivos, eu sinceramente espero que o que vocês viram ao menos chegue perto do que realmente aconteceu. Infelizmente, não há nenhuma maneira para que eu saiba isso.

Esta pode ser uma grande leitura, e eu também não tenho tempo para corrigir meus textos ou de deixar toda a minha pesquisa perfeitinha. Mas aqui estão:

____________________________________________________________________________

06 de Setembro de 2010

23:00 – Eu não posso acreditar no que aconteceu aqui. Não tenho certeza se isso é algum tipo de fraude ou truque, apesar do medo que estou sentindo, o que só me deixa cada vez mais excepcionalmente curioso sobre isso. QUEM ou O QUE é a estátua? Um monte de perguntas aqui. Estou fazendo este documento como um “diário”, para que eu possa me manter atualizado de tudo. Estou digitando um resumo do que aconteceu para que eu possa voltar a ele mais tarde.

07 de Setembro de 2010

02:10 – (Sumario sobre o vídeo fourday.wmv foi postado aqui. Você pode revê-lo ali em cima).

04:23 – Não consigo dormir. Tenho tentado tanto, mas quanto mais eu tento, mais fico agitado e assustado. Eu sinto que a estátua está aparecendo para me observar sempre que eu fecho meus olhos.

08:20 – Não dormi nada, e meu dia só está começando. Eu não acho que tenho energia para ir pra aula hoje. Vou dirigir de volta para falar com aquele velho, junto com meu amigo Tyler, caso algo aconteça.

13:18 – Acabei de voltar para o meu quarto. Nenhum sinal do velho. O mais estranho é que ele parece que está de mudança para dia seguinte, mas talvez a placa de “À venda” já estivesse lá ontem mesmo e eu só não havia percebido. Tyler quer saber o que me deixou tão desesperado para irmos lá, mas eu não lhe disse. Estou indo almoçar, me sentindo um merda total.

15:46 – Poderia jurar que enquanto dirigia de volta da Subway, eu vi a estátua de Elegy no meio de alguns arbustos, simplesmente me olhando passar. Agora eu realmente, definitivamente preciso descansar.

17:00 – Não acho que muitas pessoas iriam acreditar em mim se eu lhes dissesse o que está acontecendo, então vou tentar postar isso na internet. Acho que vou usar apenas o sumario, estas notas estão muito esporádicas.

18:00 – Conectei minha placa de captura em meu computador para carregar os vídeos. Pensei que o meu computador havia congelado por um segundo, fez um som muito estranho quando o liguei, mas agora parece estar funcionando normalmente. Meu computador não pode me desapontar, principalmente agora.

19:00 – Os vídeos acabaram de carregar. A qualidade está muito melhor do que eu achava que estaria. Caramba, eu acho que esse realmente é um cartucho muito especial, nunca parei para pensar nisso antes.

20:45 – Pensei ter visto um ícone que parecia ser o rosto da estatua aparecer no meu desktop por uma fração de segundo. Me deu um puta de um susto. Estou ficando realmente nervoso e delirante sobre isso, e acho que vou capotar depois disso.

21:00 – Acabei de iniciar o envio do meu vídeo na minha outra conta do Youtube.

21:03 – Eu realmente não me lembro de ter enviado um vídeo do jogo Vampire: The Masquerade: Bloodlines no ano passado. Esta é provavelmente a conta que eu compartilhei com um amigo meu no verão passado. Espero que ele não se importe que eu use esta conta para enviar meus videos.

21:55 – Postando meu sumario do Day Four, junto com um link para o vídeo do Youtube. Vou tentar ficar acordado, mas estou tããããão cansado agora.

08 de Setembro de 2010

10:48 – Eu tive um sonho sobre a estátua. Sonhei que ela estava me seguindo em meu sonho, que eu estava cuidando da minha vida, quando senti os pelos de meu pescoço se arrepiarem. Então eu me virava, e aquela coisa… aquela estátua horrível e sem vida, estava olhando diretamente para mim com aqueles olhos vazios, apenas centímetros de distância. No sonho, me lembro de chamá-lo de Ben, e eu nunca havia tido um sonho que eu podia me lembrar tão vividamente assim.

11:21 – Eu realmente não quero jogar aquele jogo novamente. Acho que vou voltar para ver se aquele velho está em casa, ao invés disso.

13:35 – Nem sinal do velho, mas eu tive uma conversa interessante com o seu vizinho. Vou postar a coisa toda em meu resumo de meu vídeo de hoje à noite. Ainda vou esperar um pouco para ver se consigo descobrir mais alguma informação sobre esse tal de Ben.

14:45 – Eu tenho tido muitas dores de cabeça aleatórias, devido à falta de sono e ainda por cima continuo a ouvir essa porra de música na minha cabeça. Aqui também está em temporada de gripe, então preciso ter muito cuidado para não ficar doente. Meu sistema imunológico vai ficar uma merda agora por causa dessas viradas de noite.

15:02 – Meu computador simplesmente… por conta própria… abriu um documento de texto e escreveu as palavras “Olá” e “www.cleverbot.com” por si só. Que… porra… é essa…

15:46 – Entrei naquele site, e é um daqueles sites de “bate papos automáticos”. Eu acho melhor deixar a conversa falar por si só:

8/9/10 – Conversa

Usuário: Olá?

Cleverbot: Olá.

Usuário: Quem é você e como consegue controlar o meu computador?

Cleverbot: Quem sou eu?

Usuário: É claro, esqueci. Você é só um robô.

Cleverbot: Você realmente acha isso?

Usuário: Escute, eu sei que quem está fudendo com meu computador pode ver a minha tela agora.

Cleverbot: Sim.

Usuário: Claro, e eu aposto que você é uma daquelas crianças idiotas que pensam que são os fodões. Você sabe que o que está fazendo agora é ilegal, certo?

Cleverbot: Verdade?

Usuário: Não, imagina… Você está familiarizado com os termos “Invasão de privacidade?” Dê o fora de meu computador, garoto.

Cleverbot: Eu sou o seu computador.

Usuário: História legal. Enfim, eu estou chamando o DPS agora. Você escolheu uma péssima hora pra mexer comigo, criança.

Cleverbot: Então eu devo esperar até que você jogar o jogo?

Usuário: … O quê?

Cleverbot: O jogo.

Usuário: Majora’s Mask?

Cleverbot: Sim.

Usuário: Como é que você sabe sobre isso?

Cleverbot: Porque…

Usuário: Porque o que?!

Cleverbot: Eu fiz isso.

Usuário: Fez o quê?

Cleverbot: Eu joguei com você.

Usuário: Mas que porra é essa?!

Cleverbot: Você ficou com medo?

Usuário: Quem diabos é você?

Cleverbot: Ben.

Usuário: A estátua? Você está dentro do meu computador agora?!

Cleverbot: Sim.

Usuário: Como?

Cleverbot: Você me conectou.

Usuário: Como diabos eu te conectei?

Cleverbot: Cabos e cordões.

Usuário: Como?

Cleverbot: Conte-me sobre você.

Usuário: O quê?

Cleverbot: Conte-me sobre você.

Usuário: O que você quer dizer?

Cleverbot: O que realmente assusta você?

Usuário: Que porra é essa?

Cleverbot: Responda.

Usuário: Não.

Cleverbot: Responda.

Usuário: Que porra é essa, caralho!? Como diabos você abriu isso sozinho?

Cleverbot: Eu sou o seu computador agora.

Usuário: Quanto você pode controlar?

Cleverbot: Tudo.

Usuário: O que você quer de mim?

Cleverbot: Me divirta.

Usuário: Você está preso ai dentro. Não pode me machucar.

Cleverbot: Ha.

Usuário: ?

Cleverbot: Vá jogar.

Usuário: Não, você não pode me machucar.

Cleverbot: Você demorou mais tempo para escrever isso.

Usuário: E daí?

Cleverbot: Você não tem certeza.

Usuário: Se é tão poderoso, por que usar um site ridículo como este para se “comunicar” comigo.

Cleverbot: Menos confuso. Mais estruturado. Divertido.

Usuário: Divertido?

Cleverbot: Sim. Tradição. Eu gosto disso.

Usuário: Você acha isso engraçado?

Cleverbot: Divertido.

Usuário: E as minhas notas?

Cleverbot: Você pode escrevê-las.

Usuário: Por que você está me deixando?

Cleverbot: É divertido ver o que você pensa de mim.

(Janela fecha)

15:50 – O que foi que eu fiz? Convidei-o para o meu computador. Eu continuo a escrever estas notas e sumários, e eu sinto que sou um prisioneiro em meu único lugar de segurança. Eu não sei, não sei se estou alucinando ou não. Sinto que estou ficando louco pra caralho agora. Posso senti-lo, olhando por mim, até mesmo enquanto escrevo isso. Ben está controlando tudo no jogo – brincando comigo, me guiando como uma ovelha, mas por quê? Qual o propósito? Eu sei que Ben se afogou, mas pra que essas assombrações? Que diabos estou fazendo, ele provavelmente deve estar lendo isso agora mesmo.

16:35 – (Sumario do meu video BEN.wmv)

19:18 – BEN me chamou para conversar pelo Cleverbot novamente. Ele me disse que está arrependido, e que quer ficar livre. E que eu posso libertá-lo, que assim como ele entrou em meu computador a partir da placa de captura, ele pode se espalhar, mas precisa da minha ajuda. Ele disse que eu sou especial porque posso ajudá-lo. Essa é a primeira coisa boa que me disse. Ele prometeu me deixar em paz se eu fizer isso. Ele jura que vai. Eu não sei o que pensar agora, como eu posso mesmo confiar nesta coisa?

19:20 – Estou aterrorizado com isso, mas agora ele está dizendo que estava apenas se divertindo. Sua versão retorcida e fudida de diversão. Ele está dizendo que o jogo acabou. Eu realmente quero que acabe. Ele disse que só quer ser livre, que está preso no cartucho e em meu computador, e que quer ser liberado. Eu não quero mais mexer com esta merda, não sei quanto tempo mais eu posso lidar com toda essa observação. Isto está observando cada movimento meu, cada letra que eu digito aqui, não tenho mais nada que seja privado. Ele sabe tudo que está em meu computador. Ele diz que se quisesse, poderia fazer coisas horríveis para mim, e eu sinto que devo acreditar nele.

20:01 – Algo me diz que eu estou sendo jogado novamente, assim como no jogo.

21:29 – BEN me chamou para conversar naquele Cleverbot novamente. Eu ignorei e fui tomar um banho. Quando voltei para o meu laptop, fui recebido com uma imagem horrível da estátua de Elegy me olhando com aqueles olhos mortos. Eu não quero falar com ele.

21:44 – Vai se fuder, Ben. Não vou falar com você.

21:56 – Vai se fuder, Ben. Não vou falar com você.

22:06 – VAI SE FUDER, BEN! Não vou falar com você.

22:12 – VAI SE FUDER, BEN! Não vou falar com você.

22:45 – Já faz mais de meia hora até que as mensagens pararam. Ben parou. Estou começando a pensar que Ben não se limita apenas ao meu computador /cartucho. Estou sentindo alguma coisa estranha. É difícil explicar isso, nunca fui espiritual, mas definitivamente há algo muito diferente no meu quarto agora.

23:42 – Estou começando a ver a estátua de Elegy aleatoriamente, enquanto pesquisava na internet em lugares que eu não deveria. Lugares onde ele não deveria estar – eu começo a rolar a barra de rolagem para baixo, e de repente estou olhando para uma foto da estátua de Elegy. SEMPRE a porra da estátua de Elegy. Realmente não sei quanto mais eu consigo agüentar.

09 de setembro de 2010

00:35 – Meu maiores medos se confirmaram – Ben andou mexendo e apagando partes do meu sumario do video BEN.wmv. Olhei para o resumo que eu postei em vários fóruns, e notei que varias partes foram apagadas. Não há menção de o Ben existir fora do jogo. Não há menção sobre as Crianças de Lua. Como ele poderia ter sido tão rápido em apagar minhas postagens sem eu ao menos notar? Estou pensando na possibilidade de que, enquanto eu estava postando tudo, na realidade, Ben estava postando a sua própria versão modificada. Vou perguntar a ele por que fez isso.

00:50 – Ele não está me respondendo no Cleverbot… Está apenas dando as respostas genéricas que o site normalmente faz. Só estou conversando com o programa neste momento.

01:24 – Acho que Ben está bravo comigo.

10:43 – As Crianças da Lua apareceram em meus sonhos na noite passada… Levantaram suas máscaras para revelar seus rostos horrivelmente desfigurados – vermes rastejando para fora de seus orifícios, buracos negros onde seus olhos deveriam ser, e um sorriso amarelo horrível que crescia lentamente à medida que chegavam mais perto de mim. Diziam-me que queriam brincar. Tentei correr deles -, mas as quatro crianças me prenderam no chão com uma força surpreendentemente grande. Acima deles, estava o Vendedor de Máscara Feliz, dizendo que tinha uma nova máscara que ele queria que eu experimentasse. Então de repente, fazendo movimentos bruscos igual ao que fazia normalmente no jogo, ele tirou uma máscara bem modelada do rosto de alguém que eu não pude reconhecer – um rosto muito mais jovem – e entregou-a as Crianças da Lua. Rindo, elas colocaram-na em meu rosto, seus horríveis corpos quebrados saltando esparsamente pra cima e pra baixo. Dois deles me seguraram enquanto os outros dois começaram a colar a máscara no meu rosto.

Meus gritos fizeram com que o rosto do Vendedor de Mascaras Feliz se transformasse no sorriso mais horrível que já vi. Ele esporadicamente andava pela sala, examinando meu corpo como um médico curioso. Eu agitava o máximo possivel para tentar escapar, mas não adiantava. Meus olhos chegavam a rolar na parte de trás de minha cabeça por causa da dor. Era tudo tão real, mas eu não conseguia acordar. Eu não conseguia acordar, não importa o quanto eu tentasse, eu não conseguia acordar. Após a máscara ser moldada na carne de meu rosto, eles começaram a grudar minhas pernas juntos, depois os meus braços, a sensação horrível de uma agulha perfurando minhas pernas e rompendo meus tendões se ressoava pelo meu corpo inteiro. Tentei gritar, mas a máscara foi pressionada com tanta força contra o meu rosto que ela já VIRARA meu novo rosto… e meu novo rosto não tinha boca. Tentei gritar, mais não saiu som. Tentei dizer a mim mesmo em minha cabeça que estava apenas sonhando, tentei dizer isso varias vezes, de verdade… Mas de repente, as Crianças da Lua pararam e olharam diretamente para mim. Eles só olhavam. E o Vendedor de Máscaras Feliz curvou-se lentamente e olhou para mim, a centímetros do meu rosto, e sorriu. Então, ele simplesmente disse: “Você se encontrou com um destino terrível, não é?” diante das Crianças Lua. Eu não conseguia acordar… Não conseguia acordar. Ele não iria me deixar acordar até que eles tivessem me transformado em outra estátua de Elegy.

Até que, finalmente, acordei suando, chorando e tremendo incontrolavelmente. Eu imediatamente corri para o meu computador e fui falar direto com Ben.

9/9/10 – Conversa 1

Usuário: Me responda, Ben!

Cleverbot: Bem-vindo de volta.

Usuário: Qual é o motivo de fazer isso? POR QUÊ?

Cleverbot: Divertido de assistir.

Usuário: Como?

Cleverbot: É Divertido jogar, divertido brincar com você, fazer você se sentir seguro.

Usuário: …

Cleverbot: Gostaria de saber como você teria reagido.

Usuário: Reagido ao que?

Cleverbot: Se eu não tivesse me revelado a você e ficado escondido, apenas fazendo pequenas coisas para mexer com você. Fechar as janelas, desligar o computador, mover o mouse sozinho… Pequenas coisas. Fazer você pensar se eu estou lá, mas nunca com certeza. Dar-lhe pequenas dicas que estou.

Cleverbot: Eu quero fazer algo diferente com você.

Usuário: Você já fez isso antes?

Cleverbot: Sim. E eu vou fazer isso novamente.

Usuário: Com QUEM, Ben?

Cleverbot: Hmm.

Usuário: Você conhecia Ben?

Cleverbot: Não direi esta informação a você.

Usuário: Como foi que Ben morreu?

Cleverbot: Você sabe.

Usuário: Sim, mas como ele se afogou?

Cleverbot: Não direi isso para você.

Usuário: Por que não?

Cleverbot: Isso está reservado para outra pessoa.

Usuário: Quem?

Cleverbot: Outra pessoa que perguntar.

Usuário: Quando?

Cleverbot: Breve.

(Janela fecha)

Estou começando a pensar que esta “coisa” talvez não seja o Ben. Em sua natureza sádica, eu não ficaria surpreso se ele usasse o nome do garoto, depois que o matou.

12:04 – Estou sentindo algo diferente no meu quarto novamente. Há algo… lá fora… Eu me sinto realmente ameaçado, como se aquilo fosse algo que estivesse tentando me pegar e me estrangular, mas que não consegue chegar a mim.

12:46 – Eu acho que Ben não quer mais “brincar” comigo. Vou jogar de novo, eu vou jogar o jogo novamente, Ben, está vendo isso? Eu vou jogar o jogo novamente. Por favor, pare com isso, por favor, por favor!

13:41 – Eu estou ficando louco tentando decidir o que é real e o que não é… Será que Ben está apenas aprontando um truque em mim, ou isso tudo é real? Ben está gerando estas respostas ou são pessoas que estão realmente postando-as? Eu acabei de ver esta tela piscar ou foi minha imaginação? Imagine que você dependa da internet e confie seus próprios olhos nela por toda a sua vida, e depois é simplesmente cegado – você não pode confiar mais nela, você apenas fica se perguntando sobre tudo. Nesses breves momentos que eu olho para as respostas dos meus vídeos, a maioria das pessoas fala que é tudo falso ou photoshop – e não há literalmente nenhuma maneira de saber se Ben mudou algo de propósito para tentar me calar. Ou se talvez essas respostas foram apenas construídas pelo próprio Bem, para tentar desencorajar-me de tudo que está acontecendo – Viu só? Estou presa nessa porra de Mindfuck infinito como este, e é isso que está esgotando minha sanidade e me empurrando cada vez mais para o poço. Enquanto eu escrevo isso, não há nenhuma maneira de dizer se alguém ainda se importa tanto quanto eu acho que se importam – apenas outro truque do caralho. Todo este documento ainda existe? Ou estou apenas escrevendo nada?

9/9/10 – Conversa 2

Usuário: O que diabos é isso? Qual é o ponto de jogar? Eu morro sempre que faço qualquer coisa!

Cleverbot: Você morre porque não consegue descobrir o segredo.

Usuário: O quê?

Cleverbot: Temática.

Usuário: MAIS QUE PORRA QUE VOCÊ TÁ FALANDO?

Cleverbot: Há beleza em seu sofrimento.

(Janela fecha)

16:09 – Ben está me obrigando a jogar o jogo novamente. Ele me diz que tem algo muito importante para me mostrar.

18:23 – (Sumario do vídeo DROWNED.wmv)

21:09 – (Sumario do vídeo CHILDREN.wmv)

10 de setembro de 2010

11:52 – O sumario do DROWNED.wmv já estava postado quando acordei hoje. Eu me lembro de ter escrito o mesmo, mas sinceramente não me lembro de enviá-lo. O “Ben” modificou-o novamente: não há nenhuma menção do velho. Eu não tenho mais opinião aqui. Só estou postando o que ele quer que eu poste; eu sou a máscara que ele usa para se esconder enquanto mente.

11:55 – Há um resumo INTEIRO de um vídeo que eu não me lembro de ter feito. Lendo através do resumo, isso soa mórbido – lembrando meu sonho de duas noites atrás, exceto em uma escala muito mais sádica – essas Crianças da Lua… há algo a mais nelas, quase como se elas fossem uma outra entidade de Ben. Algo aconteceu ontem à noite, algo que eu não me lembro. Estou postando o meu quarto resumo nos fóruns agora. A sombra da minha cadeira acabou de se mexer.

12:00 – Ben não me deixa entrar no Youtube. Posso navegar em qualquer outro site, mas sempre que entro no Youtube, ele fecha a minha janela. Por quê?

14:02 – Estou sentindo o ar se contrair… Eu não acho que estou sozinho aqui. Seja qual for esta “aura” em meu quarto, ela está ficando cada vez mais violenta.

14:44 – Estou tentando entrar em contato com Ben pelo Cleverbot, mas ele não me responde. Só recebo aquelas respostas genéricas.

15:51 – Meus ouvidos não estão me enganando, eu estou ouvindo a Song of Healing invertida. Eu continuo ouvindo isso.

16:23 – Agora eu tenho CERTEZA disso… No começo, pensei que era só uma coincidência estranha, mas agora, fui abrir minha janela, e três andares abaixo do meu e no nível do solo… eu vi o homem velho. Eu tenho CERTEZA de que o vi. O mesmo cara. Ele estava olhando para a minha janela, de pé no meio do campo. Se alguns alunos notaram-no ali, com certeza eles não o reconheceram.

____________________________________________________________________________

É aí que as minhas notas terminam. Depois disso, eu fugi de meu quarto, levando o cartucho comigo. Não quero entrar em detalhes do que aconteceu, ou irei perder minha linha de pensamentos completamente. Já se passaram quase dois dias desde então. Este é o meu último sumário e serviço para vocês, do ultimo vídeo que vocês viram – Matt.wmv.

O ultimo vídeo que eu fiz, Matt.wmv, começou normalmente. Eu apareci na Clock Town, como de costume, e nada parecia estar fora de lugar Determinado a acertar as coisas e tocar a musica Oath of Order no topo da Clock Tower, no 4º Dia, eu me preparei. Acelerei o tempo e cheguei ao último dia, indo até o observatório. Quando cheguei na sala do telescópio e me aproximei do astrônomo, ele não me deixava olhar em seu telescópio. Ele me dizia que aquilo seria trapaça, e que eu deveria seguir as regras. Apesar de meus esforços, o jogo não me deixava fazer o truque do 4º Dia, não importa o quanto eu tentava. Independentemente de que eu simplesmente tivesse a ilusão de livre-arbítrio nos jogos anteriores, desta vez o jogo se tornara mais agressivo do que qualquer coisa que eu já havia visto. Ele finalmente me mandou ir para Ikana Canyon, onde o jogo iria terminar e que finalmente iria parar de me assombrar. Ansioso e desesperado para acabar com este pesadelo de uma vez por todas, toquei a Song of Soaring e fui direto para lá. Disseram-me para ver o meu estoque, que lá eu iria encontrar as respostas para terminar o jogo. Cheguei em Ikana Canyon e salvei meu progresso na estátua da coruja. Enquanto dava uma olhada em meu estoque, eu finalmente percebi que estava faltando uma música – a Elegy of Emptiness. Obviamente, uma vez que viajasse para lá e aprendesse essa música, eu suponho que era a última coisa que precisava fazer para que BEN decidisse que já tinha tido bastante diversão, fudendo com a minha cabeça. Ben é um manipulador; ele tenta enganar suas vítimas e fazê-las pensar que estão em segurança, e com isso, faz com que elas baixem a guarda, e como uma armadilha de animais selvagens, ele as “devora”. Eu não sou nada alem de um brinquedo para ele. Ele gosta de ver que tipo de emoções humanas pode atingir, fazendo coisas diferentes.

Há ainda algumas coisas sobre toda esta experiência que não fazem sentido, mas de qualquer jeito, nunca fui bom em descobrir essas coisas e eu não estou exatamente com a mente boa para isto. Estou apenas te dando todas as peças do quebra-cabeça, para que você possa analisar e juntar todas as partes perdidas.

Estou escrevendo estas “considerações finais” no computador da biblioteca do campus, e eu mandei um email para mim mesmo com todas as notas que eu tenho guardado no meu computador “infectado” nos últimos quatro dias. Então eu irei juntar e guardar tudo que eu digitei aqui em um documento de texto, dentro de um computador que esteja a salvo de outras pessoas – não quero me arriscar e acabar espalhando Ben novamente. Não desejo que este horrível tormento aconteça com ninguém. Eu não tive problemas com Ben quando estava de volta em meu computador e mandando as notas para mim mesmo – foi tudo bem debaixo da porra de seu nariz. Ele não faz idéia do que me deixou fazer. Não tive problemas para abrir o documento de texto do meu computador “infectado” em meu e-mail, também. Eu nem consigo descrever pra vocês o quão bom é poder finalmente passar a minha palavra nesta postagem. O pesadelo termina aqui.

Dito isso,

Não baixe NENHUM dos meus vídeos ou qualquer coisa que seja SOBRE meus vídeos – por meio de um programa que baixa vídeos do Youtube, seja qual for. Eu não sei como ele pode se espalhar, mas sei que apenas assistindo os vídeos no Youtube / lendo meus textos não será capaz de permitir que ele se espalhe. Caso contrário, ele nem precisaria de minha ajuda, em primeiro lugar, mas eu recomendo FORTEMENTE que você não salve nada sobre isso em seu computador.

Esta será minha última postagem. Se você ver qualquer outra postagem vinda de mim, após a data atual de hoje – 12 de Setembro de 2010 – e após o tempo atual – 00:08 -, NÃO ACREDITA neles. Ele já provou para mim que Ben pode acessar minha conta/senha e manipular meu computador, e como eu já disse, não tenho idéia até que ponto ele pode fazer isso, mas sei que ele vai fazer de tudo para se libertar. Ele está desesperado. Para garantir sua segurança, simplesmente se esqueça de mim. Por favor.

E obviamente, não baixe NENHUMA imagem que eu possa ter postado aqui, NENHUM arquivo, NENHUM vídeo… Enfim, não baixe NADA.

Este quinto dia será o meu último dia aqui; vou queimar o cartucho e depois voltar para destruir meu laptop.

Mais uma vez, apesar de eu nem sequer sei que você esta é uma espécie de agridoce para mim. Neste semestre, eu realmente não tive nenhum amigo, ou melhor, parei de dar atenção a eles.

Mas eu suponho que é parcialmente minha culpa, porque eu sou o gênio que escolheu viver sozinho; acho que se alguém tivesse me segurado e me salvado antes de eu ter ficado tão imerso assim nesse jogo, isso teria literalmente salvado a minha vida. No entanto, isso se revelou ser demais para mim, e estou feliz que tenha acontecido comigo, para que eu pudesse dar o aviso para todos, e garantir que Ben morre aqui.

Por fim, muito obrigado por terem tomado seu tempo para se abrirem para mim e ouvirem a minha história, apesar de talvez não acreditarem em mim. Vocês não precisavam ter feito isso, de verdade. Seu apoio durante todo esse tempo fez com que eu continuasse tentando, e agora, finalmente estou livre disto.

Obrigado mais uma vez,

Jadusable

POST NÃO REVISADO