Ultimamente, não sei porquê, muitos leitores vem entrando em contato comigo perguntando sobre a DeepWeb. Sinceramente, esse que vós fala não é nenhum especialista no lado negro da Internet, geralmente acesso a Deep – usando o Tor –  para encontrar e-books que não existem na Surface, encontrar posts de curiosidades em fóruns de discussões gerais e projetos interessantes como o da Torre de Wardenclyffe. E mesmo com esses objetivos singelos e nada sombrios, termino por me deparar com coisas absurdas por lá. Na maioria, sujeitos bem intencionados viram vítimas de links com redirecionadores, aonde você clica e termina em lugar das profundezas do inferno totalmente diferente daquilo que você procurava  que  faz seus olhos correrem em busca das teclas Ctrl + Alt + Del.

Acredito que os questionamentos dos leitores tenham origem graças a um velho post nosso falando sobre a DeepWeb, publicado há meses atrás (clique aqui para ver). Também creio que tenha deixado claro que a DeepWeb não é um lugar para todos navegarem. Se você fizer, tem que fazer com consciência e acima de tudo, responsabilidade para lidar com as consequências dos seus atos, pois se procurar, por mais grotesca que seja a sua intenção de pesquisa, irá encontrar e se você acessar isso, com toda certeza, pode preparar a mesa do café, pois vai ter recepcionar Polícia Federal ou talvez, o FBI.

É importante ressaltar porém que nem tudo na DeepWeb é ruim, assim como na Surface, depende muito de quem utiliza a ferramenta – o que deixa ruim é a intenção de quem está por detrás dos teclados -, todavia, como disse no paragrafo anterior, é extremamente necessário ter prudência, saber utilizar ao seu favor os recursos desse lado obscuro da net. O caso dos e-books, por exemplo, na Deep existe uma infinidade muito maior de e-books que na Surface, tais como documentos com pesquisas científicas interessantes. MAS TEM QUE SABER COMO PROCURAR, leram? Eu, mesmo tomando todos os cuidados, ainda hora ou outra, me dou mal por lá, caindo na trollagem alheia de absurdo mau gosto.

Sei que muitos daqueles que leram essa introdução são defensores da idéia que a Deep é um lugar inofensivo. Que não existe nada demais por aquelas bandas. Que é tudo história para boi dormir. Brincadeirinhas, Trollagem! Vai por mim, colega: NÃO É! Na Deep, o terror é real. É procurar errado e achar aquilo que você gostaria de nunca ter visto. Algumas coisas são tão atormentadoras que não irão deixá-lo dormir por um bom tempo. Outras, tão revoltantes, que faz você pensar: ” Acho que tenho que ficar milionário, comprar uma katana e sair pelo mundo caçando esses filha da putas!”

Esse post tem como intenção clara de fazer que você curioso de plantão desista da idéia de ficar buscando por todo esses atos da escória humana na escuridão infernal que é a DeepWeb. Já antecipo que é bastante perturbador, simplesmente porque você leitor entrará em contato com uma realidade que a maioria de nós, em nossos mundinhos confortáveis, sequer imaginávamos que existia. Não aconselho ninguém que não tenha interesse de entrar na Deep de ler esse post. Porém, se você é um desses bobalhões que acha sinistro ficar pesquisando toda essa nojeira na Internet, favor, leia e pare de buscar!

E antes que me massacrem, tenho consciência do quão contraditório é falar para alguém parar de buscar essas bizarrices e criar um post falando delas, porém, não consegui encontrar outro modo de tentar impedir que esses internautas de curiosidade estúpida parem de procurar tamanha besteira e visto que o número de pessoas que entraram em contato comigo perguntando sobre o tema foi grande, é provável que tenha muitos nonsense por aí, achando muito legal ir atrás dessas coisas que vocês irão ver no post e pensando que isso é brincadeira de algum sacana. Repito: Não é! Nada do que vocês irão ver a seguir é brincadeira! E também não é o pior do que está lá na Deep. Esses são apenas os piores casos da Deep que chegaram ao conhecimento dos internautas da Surface. Certas camadas  da Deep, 95% dos internautas não fazem nem idéia de como acessar, assim como, nem imaginam o que exista no fundo do poço – se é que ele tem fundo!

Confira, SE VOCÊ É UM DESSES CURIOSOS QUE PRETENDEM ENTRAR NA DEEPWEB EM BUSCA DA ESCÓRIA HUMANA. Do contrário, vá ler outro post do Ah Duvido, é o melhor que você faz! Ser ignorante em relação à essas questões é uma benção. Conhecer essas atrocidades que o humano pode fazer em troca de prazer doentio ou dinheiro é revoltante demais:

8. Grupos extremistas 

Grupos extremistas já existem na Surface, o que muda para Deep é o número e a forma como agem. Na DeepWeb, os extremistas que disseminam todo tipo de preconceito, na maioria das vezes, optam por fóruns bloqueados, nos quais o usuários passa por diversos testes para entrar. Há crackers atuando junto com esses grupos e pode ter certeza que a sua vida vai ser vasculhada por inteiro antes de você por os olhos no que está escrito em algum desses fóruns.

Existe também os mais amadores. Esses não tem cuidado algum, porém, não deixam de serem violentos. Reúnem membros para marcarem ataques às suas vítimas, mostram imagens dos seus feitos – como, por exemplo, vídeos de grupos atacando judeus nas ruas –  , apresentam teses sem pés nem cabeça sobre o porquê o seu preconceito deve ser alimentado, recrutam pessoal e fazem iniciações desses recrutados. Sorte nossa que a Polícia Federal e toda a polícia internacional fica de olho nesses camaradas e cada vez mais eles param na cadeia.

7. Hitman’s – Assassinos Contratados

Sicários brotam por todos os cantos da DeepWeb. Encontrá-los não é uma tarefa fácil mas o fato é que existem muitos e oferecendo os mais variados serviços. A maior parte é da Europa Central e Ásia e tem seus preços definidos por méritos e alvo. Méritos é referente aos alvos já executados com sucesso, ou seja, quanto mais alvos executados, maior a confiabilidade e consequentemente, o preço.  A outra classificação de preço é o tipo de alvo. Normalmente, pessoas comuns são as mais baratas. O preço aumenta com a posição da pessoa diante a sociedade e dificuldade para executar o alvo. Quanto maior a fama e contato com o público ou a dificuldade de eliminar o alvo, maior o preço. Por exemplo, um político tem uma vida pública bastante ativa, desse modo, será mais caro. Já um militar tem treinamento com armas e pode apresentar riscos para o assassino, logo, também é mais caro.

Poucos sicários foram descobertos. Um caso famoso foi um francês de iniciais A. J. que foi preso na Bulgária. Ele oferecia o serviço na  DeepWeb e terminou sendo rastreado pela Interpol. Como não foi possível provar a sua atuação, terminou sendo solto. Os comentários nos fóruns da Deep é que os melhores sicários são absurdamente difíceis de achar. Seus sites ficam nas ultimas camadas e você só encontra por indicação de alguém que já foi cliente.