Guy Fawkes, Conspiração da Pólvora, V de Vingança e Anonymous

Imagino que a maioria que apoia os Anonymous e utilizam essa máscara em seus avatares não sabe realmente o que ela significa. Embora ela tenha nascido no filme “V for Vendetta” , o ideal que ela representa nasceu muito antes, para ser mais preciso, em 13 de Abril de 1570. Essa é a história de Guy Fawkes, o homem que inspirou a graphic novel de Allan Moore e responsável por um dos planos mais ousados criados para libertar o povo inglês.

Guy Fawkes

Guy Fawkes era um soldado, adulto à caminho da meia idade, completamente insatisfeito com o rumo que a Inglaterra tomou. Corrupção, aumento excessivo de impostos, perseguição aos católicos, depravação…. o rei Jaimes I abusava do poder e o povo sofria calado. A situação chegou extrapolar o limite do tolerável mas o povo, oprimido, se mostrava apático, sem coragem para lutar. O Rei Jaimes I , um corrupto incorrigível, usufruía e esbanjava luxo com o dinheiro dos impostos ( que aumentavam drasticamente a cada período de seu reinado)  e não concedia direitos iguais a católicos e protestantes. E assim o medo prevaleceu, por um bom tempo.

Um dia, Fawkes, irritado com essas condições e  observando a situação lastimável do povo, juntou-se a Robert Catesby quando Hugh Owes os apresentou e dessa união surgiu a “Conspiração da Pólvora”, um dos planos mais ousados para libertar o povo inglês das garras da tirania da coroa.

Talvez pela falta de Internet e por não poder xingar muito no Twiiter, Fawkes , que era especialista em explosivos, decidiu criar uma estratégia muito mais ofensiva, capaz de finalizar com toda aquela escória que dominava o governo da Inglaterra: planejou explodir o Parlamento Inglês no dia da sessão de inauguração, onde todos os “culpados” estariam presentes – o rei, sua família, parlamentares e aristocracia estaria reunida, com trinta e seis barris de pólvora estocados sob o prédio do parlamento.

Tudo estava certo, dia 5 de novembro de 1605, o Parlamento Inglês iria pelos ares junto com os ratos que ocupavam o governo…. mas, no fim, não foi bem isso que aconteceu. Como os conspiradores notaram que o ato poderia levar a morte de diversos inocentes e defensores da causa católica, enviaram avisos para que alguns deles mantivessem distância do parlamento no dia do ataque. Para infelicidade dos conspiradores um dos avisos chegou aos ouvidos do rei, o qual ordenou uma revista no prédio do parlamento. Assim acabaram encontrando Guy Fawkes guardando a pólvora. Ele foi preso e torturado, revelando o nome dos outros conspiradores. No final foi condenado a morrer na forca, por traição e tentativa de assassinato. Os outros participantes revelados por Guy Fawkes acabaram também sendo executados. Ainda nos dias de hoje o rei ou rainha vai até o parlamento apenas uma vez ao ano para uma sessão especial, sendo mantida a tradição de se revistar os subterrâneos do prédio antes desta sessão.

Prisão de Guy Fawkes

Como a ignorância sempre sobressai , os ideais de liberdade de Fawkes e a sua luta por aquilo que acreditava foram esquecidos com o tempo, dando espaço para a versão de que Jaime I deu à História quando disse que ao derrubar a conspiração, ele salvou a Inglaterra. Criou-se então uma tradição chamada Noite das Fogueiras, celebrada todo dia 5 de novembro. Nesta noite é tradição malhar e queimar em fogueiras, bonecos que representam Fawkes, e soltar fogos de artifício.

E assim o tempo passou e o povo converteu a imagem de Fawkes para bandido tal como o Rei quiserá. E na cultura popular, versos como esse foram cantados por gerações, saudando o feito do Rei:

“Lembrai, lembrai do 5 de novembro”

“A polvora, a traição e o ardil”

“Não sei de Nenhuma razão para que a traição da pólvora”

“Seja algum dia esquecida”

“Guy Fawkes,Guy Fawkes, esta era sua intenção”

“Explodir o rei e o Parlamento”

“Três montes de barris de polvora abaixo”

“Para derrubar a pobre Inglaterra”

“Pela providencia divina foi capturado”

“Com uma lanterna escura e um fósforo”

“Halloa boys,Halloa boys, façam os sinos tocar”

“Halloa boys,Halloa boys, Deus salve o Rei”

“Hip hip Horray”

Uma migalha de pão para alimentar o Papa.

Uma fatia de queijo para sufocar ele.

Uma taça de cerveja para lava-lo.

Um feixe de varas para queimá-lo.

Queime-o em um banho de alcatrão.

Queime-o como uma estrela brilhante.

Queimar o seu corpo a partir de sua cabeça.

Então, vamos dizer o Papa está morto.

Hip hip hoorah!

Hip hip hoorah hoorah!

Porém, destruir um ideal por completo é uma tarefa difícil, quase impossível. Frente aos constante casos de corrupções na coroa Inglesa, Fawkes começou a renascer. E o seu ideal de liberdade, de luta contra opressão, levantou-se novamente. E os historiadores começaram a escrever uma segunda versão para História. E foi dessa versão que surgiu a referencia ao personagem mascarado de codinome V da graphic novel de Allan Moore.

A história criada por Moore acontece em um passado alternativo, onde a Inglaterra é controlada por um governo fascista e totalitarista. Após o fim de um conflito político, com os campos de concentração desativados e a população complacente com a situação, o governo domina e persegue a população até que surge “V” — um Anarquista que veste uma máscara estilizada de Guy Fawkes e é possuidor de uma vasta gama de habilidades e recursos. Ele então inicia uma elaborada e teatral campanha para derrubar o sistema, representado pelo Estado totalitário.

Quando os anons surgiram no 4chan, o nome Anonymous/Anônimos foi escolhido porque nos channels não é necessário criar perfis para participar, fazendo com que muitos postem como anonymous, tornando esse um nome de todos e ao mesmo tempo, nome de ninguém e “V” / Guy Fawkes Mask como símbolo porque ela representa os ideais, ideais da luta pela liberdade, ideais da luta pelo fim da opressão, da injustiça, da desigualdade…. ideais de um mundo mais igual para todos. Como o próprio “V” esclarece, você pode matar o homem por detrás da máscara mas os ideais, esses são imortais.

Para você que não que não assistiu “V for Vendetta” ou não lembra do filme, separei aqui os principais trechos  que constroem a base da ideologia sobre qual o filme se desenvolve:

Discurso na TV

O Recital

Quem era ele?

http://www.youtube.com/watch?v=NBsmy-n0kbs

Enfim…sobre Guy Fawkes, V de Vingança e Anonymous era isso… mas antes de me despedir, tenho que tocar em outro assunto….

Vamos falar um pouco sobre os Senhores da Razão/ Alternativos / Contraditórios. Essa categoria que ainda vai aparecer por aqui, provavelmente no terceiro episódio da série “Tipos chatos da Internet”. Apenas para esclarecer quem são esse pessoal, eles são aquele tipo de pessoa que nunca fazem nada mas se acham no direito de cobrar ou dizer o que é ou não é efetivo para mudança …. na realidade, o desejo deles é tentarem mostrar à todos o quanto são racionais e espertos, já que na vida real ninguém deve achar isso, mas tudo bem, vamos deixar os detalhes para série dos Tipos Chatos.

Recentemente, ao notar que muitos estavam adotando a Guy Fawkes como forma de apoio aos Anonymous, os Alternativos ficaram muito “nervosinhas” e tiveram um piti, bombardeando a wall/timeline do facebook/twitter com imagens de deboche tipo essas:

Tem que ser idiota para achar que é esperto debochando de algo que não conhece.
Primeiro de tudo, as fases iniciais dos planos dos Anonymous são estritamente voltadas para Internet, ou seja, não tem como você sair por aí, pelas ruas, apoiando os Anonymous senão aqui, na própria Internet. Não é como um movimento anti-corrupção em Brasília, ou algo do gênero. A batalha “Anonymous Vs SOPA” é um conflito virtual, iniciou na rede mundial de computadores e se você sair daqui para ir lutar nas ruas contra um mal que acontece aqui dentro, procure um psicólogo. Além do que, é muito mais eficaz derrubar sites importantes para ir contra um projeto de restrição da Internet do que ir nas ruas segurar cartazes. Isso até poderia funcionar para outros casos mas não para esse contra o SOPA. Mal da Internet se combate na Internet. Cada protesto tem seus critérios e esse se atém, por enquanto, a Web, nada além.
Segundo, as pessoas não entenderam é que derrubar sites importantes são apenas um aviso do que eles podem fazer. É como se falassem “Continuem com a restrição e os sistema indispensáveis na Rede vão cair”. Por que você acha que o Congresso recuou? Sabe quantos milhões em prejuízo à Economia são causados pela queda, mesmo que por um curto período de tempo, de um site/banco de dados de um banco importante, um site de alguma bolsa de valor, um site de investimentos, entre outros que complementam o sistema financeiro?
Terceiro, quem adota a máscara, que é um símbolo, adota a ideologia. Não quer dizer que essa pessoa faça parte de um grupo de Hackers que derrubaram os sites lá nos EUA. O que ela diz quando adota o símbolo é que os ideais representados por ele estão de acordo com o que essa pessoa almeja, tal como, uma pessoa partidária do PT por exemplo, adota a estrela vermelha.
Quarto, por menor que esse gesto possa ser, adotar o símbolo é melhor do que não fazer absolutamente nada e fazer absolutamente nada é melhor do que ir contra, debochando.
Quinto, Anonymous não são apenas os Hackers, somos todos nós que compartilhamos do mesmo ideais.
Assim, pare de babaquice. Se não gostou, por favor, faça melhor, você tem toda liberdade para fazer isso, por que não faz? Você gosta de protestos nas ruas, eles são o cúmulo da eficácia para você, não são? Então organize um. Agora, criticar por criticar… para se achar o maioral… o esperto… amigo, fazendo isso você só assina seu atestado de idiota. Além do que, se hoje o SOPA caiu por terra até a eleição presidencial terminar e você continua com a liberdade para navegar e baixar o que bem entende na Internet é porque os Anonymous fizeram isso. Se fosse depender desse seu deboche, uma hora dessas o SOPA já tinha (perdão da palavra) fudido com tudo e você estaria com esse deboche enfiado no …

20 Comentários

Adicione um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Current ye@r *