Pesquisadores recomendam que você evite esse alimento mais do que a carne

Não é uma surpresa para ninguém que a carne é um dos alimentos mais prejudiciais que existe. Diversas doenças e até mesmo alguns tipos de cânceres estão relacionados com o consumo excessivo de carne vermelha. É lógico que a ingestão moderada desse tipo de alimento pode trazer benefícios, especialmente se levarmos em conta que é difícil achar os mesmos nutrientes em outros alimentos.

Porém, parece que a carne vermelha não é um vilão tão ruim quanto imaginávamos. De acordo com um estudo recente divulgado pela rede CNN, existe um outro alimento (ou melhor, um ingrediente) que pode ser ainda mais nocivo do que a carne: o sal refinado.

Segundo esse estudo, o sal foi responsável por 9,5% das mortes relacionadas a alimentação em 2012. O alimento preparado com sal em excesso é rico em sódio, o que aumenta o risco de óbito por doenças do coração, infartos e diabetes do tipo 2. Neste artigo, vamos explorar mais esse tema e trazer algumas dicas valiosas para quem está pensando em evitar esse alimento.

Os prejuízos do sal

  • Um dos efeitos imediatos que experimentamos com o consumo excessivo de sal é o inchaço provocado pela retenção de líquidos. O resultado é desconforto abdominal e excesso de toxinas no organismo.
  • Sódio em excesso ainda aumenta a pressão arterial, forçando a parede das artérias, prejudicando assim a saúde do coração.
  • E como a hipertensão está diretamente ligada ao risco de Acidente Vascular Cerebral (AVC), a condição pode aparecer se o consumo de sal for excessivo.
  • Sal em excesso pode até resultar em quadros de osteoporose, pois o sódio reduz a densidade óssea, fazendo com que os ossos percam força. Além disso, ele também interfere na habilidade do organismo de absorver cálcio, importante nutriente para a construção e manutenção de ossos saudáveis.
  • Estudos apontam que um em cada sete casos de câncer gástrico poderia ter sido evitado se o consumo de sal fosse moderado e limitado à quantidade diária recomendada.
  • Insuficiência renal é outro prejuízo que pode ser provocado pelo consumo do sal. Como a função dos rins é filtrar o sangue, a alta ingestão de sódio pode fazer com que o órgão seja incapaz de realizar plenamente suas funções.
  • Por provocar retenção de líquidos, o sal também pode aumentar suas chances de sofrer com dores de cabeça frequente. A condição, aliás, também pode ser um reflexo de pressão alta.
  • Sua dieta também fica comprometida com o exagero na ingestão de sal. Além de causar inchaço, o alimento interfere nas funções renal e digestiva, levando ao aumento de peso.
LEIA TAMBÉM  Estudo diz que pessoas felizes vivem mais

Como diminuir o sal

Medidas bastante simples podem evitar a ingestão excessiva de sal. O primeiro passo é substituir o alimento na preparação de pratos por especiarias e temperos de ervas frescas, que garantem sabor de forma bem mais saudável.

Procure colocar sal na comida apenas ao fim do preparo, pois alguns modos de cozimento “roubam” o sal dos alimentos e, na hora da refeição, não deixe o saleiro na mesa, já que muitas vezes adicionamos sal ao prato por hábito, sem mesmo provar antes a preparação.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o consumo de menos de 2 g de sódio por dia, o que equivale a 5 g de sal. No entanto, no Brasil, um adulto médio consome mais do que o dobro desta quantidade diariamente.